Mostrar mensagens com a etiqueta Brasil. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Brasil. Mostrar todas as mensagens

Quartzo Pink Fire, uma gema rara

Quartzo Pink Fire
Parece nome de perfume famoso, mas é um mineral super charmoso e raro.
pink fire quartz

O Quartzo Pink Fire, é um quartzo com inclusões de micro-cristais de Covelita, produzindo um brilho rosa.

covellite inclusion in rough quartz, from Bahia - BRAZIL
Inclusão de Covelita no Quartzo, Bahia - Brasil

Este raro quartzo contendo inclusões de covelita de Minas Gerais - Brasil, foi exibido pela primeira vez na Feira de Joalheria em Tucson 2005. Nesta altura nenhum material não polido/não cortado foi fornecido, portanto a origem deste material era considerada desconhecida.
No entanto John Koivula do GIA confirmou que as inclusões eram de fato Covelita.

Quartzo Pink Fire é um “nome comercial” não oficial usado pelos vendedores de minerais e gemas.
Quartzo Pink Fire não é um nome aceite pelo IMA - (International Mineralogical Association) como uma nomenclatura ou novo mineral, sendo esta a organização responsável por identificar e nomear os novos minerais que são descobertos.

schiller efect in pink fire quartz
 O efeito schiller rosa elétrico na gema.

Um belo efeito ocorre quando a luz reflete da superfície das inclusões e um brilho rosa vívido viaja através da superfície do mineral lapidado, como cabochão, em um efeito conhecido como schiller.
O efeito schiller rosa elétrico é melhor visto nas joias destas pedras raras e é o motivo pelo qual alguns entusiastas as chamam de 'Pink Fire Quartz' ou 'Tinkerbell Quartz'.
Dificilmente o efeito schiller será visto em pedras brutas a menos que esta esteja muito limpa naturalmente.

Quartzo Pink Fire uma gema rara:
O Quartzo Pink Fire é uma gema com inclusões realmente cobiçadas por designers de joias e por colecionadores de minerais.

É uma raridade que vem do Brasil, pois é um cristal deslumbrante e único.
É semelhante ao quartzo claro na aparência (quartzo hialino), mas com manchas de cor magenta em seu corpo.
A cor vem como um reflexo da covelita dentro do Pink Fire Quartz.
A gema é muito cobiçada o que muitas vezes está esgotada e é difícil de encontrar.

Sobre a inclusão e os preços:
A inclusão de Covelita neste tipo de quartzo pode estar agrupada ou estar muito dispersa ou ainda pode estar com outras inclusões minerais fazendo das peças, únicas.
Além do tamanho (carat), o agrupamento da covelita é o que vai ditar a diferença no preço, sendo que uma pedra que tem mais agrupamento vai ser mais valiosa ante uma em que a covelita esta mais dispersa no quartzo.

Sobre o Quartzo Pink Fire bruto:
rough quartz pink fire from Bahia, Brazil
Quartzo Pink Fire, Bahia - Brasil

Um quartzo raro com inclusões de Covelita, que é um raro sulfeto de cobre (CuS).
É o mais raro e o mais caro de todos os quartzos com inclusões.
O brilho rosa é visível apenas de um ângulo porque os cristais de covelita são iso-orientados em um crescimento epitático sobre uma face fantasma do cristal de quartzo.
É muito difícil ver esse efeito com uma foto nas pedras brutas existente, tornando este um dos materiais mais raros de pedras preciosas até hoje.
É muito difícil ver o efeito schiller em uma pedra bruta em uma foto e muito mais incrível pessoalmente com a iluminação correta.
rough quartz pink fire from Espírito Santo, Brazil
Quartzo Pink Fire bruto, Espírito Santo - Brasil

Embora esta pedra só se deu a conhecer ao mundo na Feira de Tucson em 2005, exemplares destas pedras foram obtidas na década de 1990 no estado do Espírito Santo no Brasil, muito antes de se saber que Covellite existia em quartzo como uma inclusão.

Imitações e/ou falsificações:
Recentemente foram encontradas algumas pedras sintéticas "Made in China".
(então todo cuidado é pouco se você quer adquirir uma destas gemas)
Também alguns sites estão a mostrar e vender Quartzo Aventurina Rosa como se tratase de Quartzo Pink Fire.  


Locais de ocorrências:
Brasil:
Minas Gerais e Espírito Santo.
(locais desconhecidos)
Mina de Caraíba, Vale do Curaçá, Bahia
(Mina de onde se extraem diversos minerais como Alexandrita, Apatita, Bornita, Covelita, etc, e que por raras vezes são encontrados quartzos com inclusão de covelita)

Portugal:
Vila Real - Peso da Régua, Poiares e Canelas
(mina de covelita com poucos raros quartzos com inclusão, por mindat.org)

Fontes:

Ouro em Minas Gerais

Principais ocorrências de ouro no estado de Minas Gerais
Cidades e locais onde há ouro em MG.
Mapa das ocorrências de ouro em Minas Gerais
Mapa das ocorrências de ouro em Minas Gerais

Onde achar ouro em Minas Gerais
Minas Gerais é um dos principais produtores de ouro do Brasil.
Prevalecem as jazidas do tipo orogênico, que de fato constituem o maior número de jazidas, minas e ocorrências em todo o estado.
O ouro em Minas Gerais é mais bem distribuído que o ferro, no sentido de que não se restringe aos depósitos do quadrilátero. Ainda assim, nas regiões do quadrilátero ferrífero as ocorrências de ouro estão situadas em rochas quartzo-carbonáticas xistosas do supergrupo Rio das Velhas, disseminadas com os sulfetos de ferro, cobre e arsênio.
Quando ocorre de maneira diferente é encontrado nas zonas de falhamento dos itabiritos do supergrupo Minas.

A cidade de Ouro Preto tem esse nome devido à coloração negra do ouro encontrado na região. Essa coloração se deve a presença de uma fina película de óxido férrico que as envolve.

A maioria das minas de ouro localiza-se na região do Quadrilátero Ferrífero.
Mapa das ocorrências de ouro no Quadrilátero Ferrífero
Mapa das ocorrências de ouro no Quadrilátero Ferrífero

Quanto ao Quadrilátero Ferrífero, não fique preso ao ‘’ferrífero’’ achando que só se encontram ferro por lá, isto porque apesar das maiores reservas realmente corresponderem aos depósitos de ferro, o quadrilátero possui grandes reservas de ouro, bauxita, calcário, manganês, caulim e argila. Dentre esses se destacam o ouro o manganês, além de, claro, o ferro.

Principais ocorrências de ouro no estado:
Status por Mina e Escavações Históricas, sendo que as minas podem estar ativas ou desativadas.
Onde só consta o nome da cidade ou da localidade não é descrito nos bancos de dados o tipo de status ou se o ouro só foi mérito que constou de pesquisas minerárias ou é ouro de garimpos ou aluvião.

Barão de Cocais
Cocais - Mina
Gongo Sôco - Mina

Caeté
Caeté - Mina
Roça Grande - Mina
Catita -Mina
Juca Vieira - Mina

Campanha
Campanha - Escavações Históricas

Caraí
Marambaia (Ponto do Marambaia) - Mina

Catas Altas
 Água Quente - Mina (mina Bananal)
Fazendão - Mina
Morro das Almas - Mina
Pitangui - Mina
Quebra Osso - Mina

Conceição do Pará
Turmalina - Mina
Faina - Mina

Congonhas/Ouro Branco/Conselheiro Lafaiete
Congonhas - Escavações Históricas

Coronel Murta
Freire Cardoso (Ouro Fino)
Riacho dos Machados - Mina ( mina Ouro Fino)

Datas
Datas

Diamantina
Diamantina - Escavações Históricas
Inhaí
Areinha (mina Rio Novo)
São João da Chapada
Sopa

Fortaleza de Minas
Depósito de O'Toole (Ni-Cu)

Guanhães
Candonga - Escavações Históricas

Gouveia
Capitão Felizardo - Escavações Históricas
Cuiabá - Mina Casa de Pedra

Itabira
Itabira - Mina
(nesta mina o ouro ocorre na variedade Porpezite (Au,Pd) uma variedade de ouro palladiano de cor castanha contendo 5-10% em peso de Pd.)
A variedade Ouro Palladiano (ouro com paládio) ocorre nas 
Mina de Cauê e Mina da Conceição.

Itabirito
Paciência-Santa Isabel - Mina
Cata Branca - Escavações Históricas
Ouro Fino - Mina
Palmital - Mina

Itambé do Mato Dentro
Mombuca - Mina

João Monlevade
Andrade - Mina

Lagoa Dourada
Lagoa Dourada - Escavações Históricas

Mariana
Passagem de Mariana - Mina
Fazenda do Cibrão - Mina
São José - Mina (mina Tesoureiro)
Santana - Mina
Maquiné Del Rey - Mina
Samarco - Mina (mina Morro do Fraga)
Cata Preta - Escavações Históricas

Minas Novas/Chapada do Norte
Minas Novas - Escavações Históricas
Rio Fanado

Morro do Pilar
Morro do Pilar - Escavações Históricas

Nova Lima
Faria - Mina
Bela Fama - Mina
Morro da Glória - Mina
Coelho - Mina
Santana - Mina

Nova Lima/Raposos
Moro Velho - Mina

Onça de Pitangui
São Sebastião - Mina

Ouro Preto
Ouro Preto - Escavações Históricas
Amarantina: Tripuí (Tripuhy) e Fazenda Três Cruzes
Antônio Pereira
Cachoeira do Campo
Rodrigo Silva

Paracatu
Paracatu - Mina (mina Morro do Ouro)

Raposos
Raposos - Mina
Bicalho - Mina
Luzia da Mota - Escavações Históricas

Riacho dos Machados/Porteirinha
Riacho dos Machados - Mina

Rio Acima
Engenho d´Água - Mina
Rio de Peixe - Mina

Sabará
Cuiabá - Mina
Lamego - Mina
Descoberto de Cuiabá - Mina

Santa Bárbara
São Bento - Mina
Santa Quitéria - Mina
Córrego do Sítio - Mina
Pary - Mina
Pilar-Brumal - Mina

São Gonçalo do Sapucaí
São Gonçalo do Sapucaí - Escavações Históricas

São João Del Rey
Serra do Lenheiro - Escavações Históricas

Serro
Serro - Escavações Históricas
Riacho Bom Sucesso (Serro Frio; Cerrado Frio)

Tiradentes/Prados/Coronel Xavier Chaves
Serra de Tiradentes - Escavações Históricas


 >>> Sul de Minas <<<
As descrições que se seguem para ocorrências e jazidas do Sul e Oeste de Minas, e também da Faixa Araçuaí, podem ser todas englobadas dentro da classificação lode-gold, orogênico.

Em São Gonçalo do Sapucaí, sul do estado, rochas supracrustais proterozoicas do Grupo Andrelândia têm mineralizações auríferas em zonas de cisalhamento junto ao Rio Sapucaí. Ouro ocorre em veios de quartzo com pirita, em bandas biotíticas e disseminado nos gnaisses.

Na região de São João del Rei, depósitos de ouro concentram-se nas serras do Lenheiro e São José. Constituem enxames localizados de veios de quartzo com sulfetos, pirita dominante, em quartzitos da Formação Tiradentes do Grupo São João del Rei.

Em Lagoa Dourada, ocorre em veios auríferos encaixados em rochas gnáissicas e apresentam alteração hidrotermal moscovítica e silicificação, tendo pirita associada.

>>> Faixa Araçuaí <<<
Em Diamantina e arredores, os principais depósitos de ouro relacionam-se, direta ou indiretamente, a zonas de cisalhamento dúctil ou rúptil, desenvolvidas durante os eventos tectono-metamórficos que afetaram as sequências arqueanas e proterozoicas da região.

No Supergrupo Espinhaço são conhecidos filões auríferos nas unidades metapelíticas em inúmeros pontos, notadamente nos filitos das formações São João da Chapada e Sopa-Brumadinho, além de ocorrências nos xistos arqueanos.

Ouro filoneano ocorre em intercalações entre quartzitos puros e filitos hematíticos pertencentes à Formação São João da Chapada, na cidade de Diamantina. Os depósitos foram hidrotermalizados e se desenvolveram ao longo de zonas de cisalhamento. Assemelham-se a jazidas do tipo ouro orogênico.

Associados ao complexo granito-gnáissico de Gouveia há veios de quartzo com Especularita e Turmalina.

Na região de Serro ocorrem rochas metaultramáficas e metamáficas, associadas a rochas metassedimentares (Complexo Serro), que contêm cromo e ouro. Há diversas escavações em depósitos auríferos de pequenas dimensões, sendo a Mina Zagaia a área mais conhecida. Nessa mina, os veios mineralizados encaixam-se em talco-carbonato xistos sulfetados e metacherts ferríferos com magnetita. Ouro de aluvião também é conhecido na região e foi motivo de exploração por garimpagem.

Em Riacho dos Machados, ouro associa-se a sequência metavulcano-sedimentar de idade incerta, em janela estrutural do Complexo Porteirinha, no norte do estado. São veios de quartzo em zonas de cisalhamento com alteração hidrotermal, caracterizando mineralização orogênica, com protólitos tais como metagrauvaca e metadacito.

Na região de Minas Novas a Araçuaí, ocorrências de ouro primário. O ouro se encontra em veios de quartzo encaixados nos xistos grauvaquianos da Formação Salinas, cuja alteração hidrotermal é muito limitada a inexistente. Estes veios alimentaram os depósitos coluviais e aluviais que foram motivo de intensa exploração entre 1727 e 1760, as chamadas Minas Novas do Araçuaí, mas depois se tornaram apenas motivo de garimpagem esporádica. Ainda no Vale do Jequitinhonha, ouro também é esporadicamente garimpado em aluviões entre Baixa Quente e Ribeirão da Folha. A origem primária deste ouro parece ser veios de quartzo encaixados em zonas de cisalhamento intensamente sulfetadas por alteração hidrotermal, relacionadas ao Complexo Ofiolítico de Ribeirão da Folha.

>>> Oeste de Minas <<<
Em Paracatu, na Mina Morro do Ouro, encontra-se um dos maiores depósitos auríferos do Brasil, mas com o menor teor de ouro. Embora a maioria dos sistemas conhecidos no Brasil esteja em terrenos do Neoarqueano e Paleoproterozoico, o depósito de Morro do Ouro é de idade neoproterozoica. Trata-se de um depósito de ouro do tipo orogênico, hospedado em filitos carbonosos e quartzitos da Formação Paracatu (Grupo Canastra), situada na Faixa Brasília.


Artigo sobre previsão de ouro no Quadrilátero Ferrífero:

NOTA:
(qualquer informações de minas e outros locais auríferros em Minas Gerais podem ser acrescentadas nos comentários).


Principais Pedras Preciosas e minerais em Minas Gerais.



Fontes:

Compreenda a geologia do ouro para procurar ouro

Para procurar e achar ouro você precisa entender a geologia do ouro, tipos de ouro, minerais associados e muito mais.
Compreenda a geologia do ouro para procurar ouro

Entender a geologia do ouro e indicadores naturais podem ajudá-lo a encontrar ouro.
Aqui estão as técnicas que compartilharemos com você para ajudá-lo nesta tarefa.

Nem todos os depósitos de ouro foram encontrados e explorados. Ainda há lugares que contêm ouro e que nunca foram descobertos ou estão esquecidos, apesar do fato de que os garimpeiros já fazem prospeção há centenas de anos. Se você conseguir encontrar um desses depósitos de ouro esquecidos, é provável que tenha encontrado algo excecional, porque foi a primeira pessoa a explorá-lo. Para encontrar qualquer um desses depósitos e suas características geológicas, você deve ser capaz de identificar os indicadores naturais que o levarão a encontrar os cobiçados flocos de ouro e pepitas.

Aprenda a geologia de sua área
É extremamente importante conhecer a geologia da área de exploração onde deseja procurar. Todos os lugares são diferentes e você precisa entender o que procurar na área específica de prospeção de ouro. Existem algumas coisas que são comuns a todas essas zonas de ouro, mas é extremamente importante entender exatamente onde e como o minério de ouro e seus depósitos aluviais vão parar aqui e ali, e sob quais condições geológicas.
Por vezes você poderá notar que em alguns locais improváveis ainda se encontram ouro, como na capital de São Paulo e mesmo no estado de São Paulo

Tipos de rochas produtoras de ouro
Ao pesquisar uma área de mineração, boas referências geológicas de ouro indicarão os tipos gerais de rocha na área associada às minas de ouro. Preste atenção aos tipos de rochas mais comuns e procure-os durante a prospeção. Eles podem ser um indicador de onde o ouro estará.
Nem sempre o ouro estará naquela forma bonitinha de uma linda pepita amarela, a a maioria do ouro que se extrai no mundo provém de rochas que contém de minério de ouro
gold ore rock
Será importante identificar as rochas locais associadas ao ouro. Se sua pesquisa nunca indicou que ouro é encontrado em um certo tipo de rocha, então você certamente não quer perder muito tempo pesquisando nesse tipo de área geológica. Isso é muito importante. Essa é a base do que se chama de prospeção mineral, ponto principal do garimpeiro.  Há que se conhecer também os tipos de depósitos de ouro que possam haver na sua região. Estude um mapa geológico da sua região. Prospeção ruim é perda de tempo.

Precisa haver um contato geológico entre a rocha e o ouro
Ser capaz de identificar pontos de contato geológicos é muito importante (e muitas vezes isto é completamente ignorado) pelos garimpeiros na localização de áreas onde ocorrerá ouro. Em outras palavras, esta é uma área onde dois tipos diferentes de rochas se encontram.

Sua pesquisa frequentemente indicará que os tipos de rocha serão os mais produtivos do ponto de vista da prospeção de ouro, mas o mais importante é que haja uma conexão. Frequentemente, os tipos de rocha são irrelevantes, pois o ouro é encontrado em todos os tipos de configurações geológicas diferentes. Mais importante ainda, ocorreu algum tipo de contato, frequentemente com pressão e temperaturas extremamente altas, que causaram a formação de rachaduras e o aumento de ouro à superfície.

A tendência geral da geologia em sua área é muito importante assim como a geografia do terreno em si. Procure pontos de contato onde diferentes tipos de rocha se encontram em um ângulo de 90 graus. Esses contatos resultaram em condições de alta pressão e alta temperatura que geralmente produziriam ouro. Você verá que muitas dessas áreas terão operações históricas, ainda há áreas que são áreas de contato "clássicas" muito ricas em ouro que nunca foram mineradas. Infelizmente, na maioria dos casos, o manto geológico é relativamente estável e essas condições de contato estão localizadas vários quilômetros abaixo da superfície. Mas é possível descobrir essas áreas, expostas ao ar livre e à erosão.

Geologia do ouro e mudanças de cor nas rochas
Outro indicador de um ponto de contato são as mudanças de cor no solo. Dependendo da quantidade de rocha exposta em uma área, você pode ou não ser capaz de identificar facilmente os pontos de contato onde os diferentes tipos de rocha se encontram. Você será capaz de ver onde a cor do chão muda. Uma vez que o solo é feito de rocha, mesmo uma pequena mudança na cor do solo pode ser um grande indicador de uma mancha de contato.

Algumas mudanças de cor podem ser muito óbvias, enquanto outras podem ser bastante sutis. Você não está procurando pequenas áreas com pequenas alterações aqui, você deseja tentar identificar linhas distintas de diferentes tipos de solo.

Essas zonas de contato podem ser geralmente curtas, mas às vezes se estendem em linha reta por vários quilômetros. Você também pode ter sucesso em encontrar novas áreas de mineração de ouro localizando minas em produção e, em seguida, notando uma mudança de cor se espalhando pela mina. Pode haver depósitos de ouro valiosos em uma operação vizinha que são uma extensão da mesma área de contato, no entanto, geralmente as mineradoras estão atentas a isto, às áreas circundantes.

Lembre-se de sempre estudar os diferentes tipos de geologia do ouro e você logo aprenderá que existem muitas áreas que ainda não foram descobertas.

Ouro de aluvião
O ouro de aluvião é o ouro que é encontrado nos rios. As grandes mineradoras de ouro pouco se interessam por garimpar ouro nestes locais, elas querem a fonte principal, elas querem o filão de ouro daquele ouro que foi ou vão parar aos rios. O ouro não dó só em flocos, pô ou pepitas. Também há várias variedades de ouro e é preciso conhecê-los.

Corante ferroso - Hematita - Magnetita - Areias Pretas
Compreenda a geologia do ouro para procurar ouro
Se você já fez alguma prospeção de ouro, provavelmente sabe que ouro e ferro têm uma relação muito forte. O ouro quase sempre está associado ao ferro. Quando você procura ouro e encontra areia preta entre o ouro fino, essa areia preta geralmente é composta de hematita e magnetita. Esses são dois tipos de óxido de ferro comuns a quase todas as áreas com ouro.

Isso é facilmente visto pela presença de um solo muito escuro. Muitas vezes são pretos ou avermelhados, mas podem até mostrar roxo, laranja, amarelo e uma variedade de cores diferentes. Esses solos escuros podem ser um indicador de alto teor de ferro, assim como muitos outros minerais associados ao ouro.
Nas minhas pesquisas eu uso sempre imagens de satélites do Google Earth, se você não usa ou não tem, baixe no seu computador ou telefone.

Quartzo, um verdadeiro indicador da geologia do ouro?
Compreenda a geologia do ouro para procurar ouro
A maioria das pessoas está familiarizada com a associação comum de ouro com quartzo. Veios de ouro frequentemente se formam na rocha de quartzo. Este é certamente o melhor indicador a procurar. No entanto, muitos garimpeiros estão prestando mais atenção ao quartzo do que ele realmente merece.

O quartzo é o segundo mineral mais abundante na superfície da Terra e pode ser encontrado em muitos lugares, no entanto, nem sempre a presença de quartzo em si é um bom indicador do potencial de ouro, pois terá também de haver a questão a geologia do local. Embora a presença de quartzo por si só não seja um bom indicador de onde o ouro pode ser encontrado, não há dúvida de que existem muitos locais de ouro onde ouro e quartzo têm uma forte correlação.

Geralmente considero o quartzo como um bom indicador, uma vez que se esta em uma zona conhecida de ouro e que existe uma forte relação entre o ouro e o quartzo nessa zona específica. Porquê isso ?

Quartzo, não necessariamente um bom amigo
Compreenda a geologia do ouro para procurar ouro
Existem zonas de ouro onde ouro e quartzo são comumente encontrados juntos. Muitas vezes, os grãos de ouro ou grandes flocos encontrados terão um formato muito grosso. Eles ainda terão quartzo preso nas ranhuras do espécime. Isso indica que eles foram erodidos diretamente do quartzo.

No entanto, existem muitas áreas nas quais você pode encontrar ouro que parece ter pouca ou nenhuma associação com o quartzo. Pode haver quartzo na área apenas porque é comum, mas o ouro pode estar completamente ausente. A prospeção é novamente uma boa maneira de determinar o valor do quartzo como um indicador em uma área. No inconsciente coletivo do garimpeiro, há ouro frequentemente nos veios de quartzo.

Outra coisa a se notar sobre o quartzo é que o tipo de quartzo em que o ouro é geralmente encontrado não é branco. Na maioria das vezes, apresentará manchas de ferro significativa. O quartzo terá uma aparência suja com manchas laranja ou marrons. O ouro pode ser encontrado no quartzo branco puro, mas isto é muito mais raro.

Xisto vertical será seu melhor indicador
O xisto é claramente um dos tipos de rocha aos quais o ouro é comumente associado. O xisto é uma rocha metamórfica que se forma sob condições de alta temperatura e pressão. Ele virá em finas folhas verticais. É uma rocha muito frágil e quebradiça porque aqueceu e esfriou muito rapidamente. O exemplo perfeito das condições da zona de contato do manto da superfície da Terra.

As zonas de ouro mais interessantes frequentemente apresentam intrusões verticais de xisto na forma de afloramentos ou intrusões em rochas ígneas. Essas são áreas de contato que definitivamente vale a pena explorar, se você as notar. Se, por outro lado, as folhas forem apresentadas horizontalmente, esta disposição será muito menos atrativa.
Compreenda a geologia do ouro para procurar ouro
No entanto a pirita e nódulos de pirita, o chamado "ouro de tolo" estará mais presente no xisto enganando que não conhece ouro nativo.

Aparências semelhantes às zonas de ouro circundantes
Uma das melhores maneiras de encontrar novos depósitos de ouro não descobertos é estudar a geologia de áreas conhecidas que contêm ouro e depois explorar as áreas circundantes. Identifique áreas com geologia semelhante.

Não estamos discutindo nenhum indicador específico aqui. Isso pode ser um ou mais indicadores naturais semelhantes a uma zona de ouro com um histórico conhecido de mineração de ouro profissional. Essa é uma das melhores maneiras de encontrar uma área que ninguém explorou antes, mas pode ser demorada e exigir paciência. Provavelmente, você passará muito tempo procurando e tentando garimpar ouro antes de encontrá-lo, e isto é muito melhor do que sair no terreno e perder seu tempo, tempo este que poderia estar aqui estudando a fim de ter melhores probabilidades de o encontrar.

Outras rochas associadas à presença de ouro
Ferro, chumbo e magnetita:
Esses são metais e minerais mais pesados, frequentemente associados à presença de ouro. Na verdade, esses metais, rochas e minerais se formam em torno de veios de ouro que se quebram e se dispersam por meio da erosão e do transporte mecânico e hídrico. Esses minerais e metais pesados ​​dão uma dica de que o ouro pode estar apenas por perto.

Magnésio férrico:
É um tipo de mineral que pode ajudá-lo a encontrar ouro. Geralmente é de cor escura e pode ter tons pretos ou vermelhos nas laterais. Esse tipo de mineral costuma ser uma pista interessante de que o ouro pode estar próximo devido à sua associação privilegiada.

Malaquita e azurita:
É uma pedra semipreciosa de cor verde e frequentemente encontrada perto de depósitos de ouro. Isso significa que se você encontrar esse mineral, seria uma boa ideia ampliar sua pesquisa, pois pode ser encontrado ouro nas proximidades.

Calcopirita:
Também chamado de pirita ou “ouro do tolo”, porque diz a lenda que muitos novos garimpeiros foram enganados por acreditar que era ouro que tinham no fundo da panela. Embora fosse apenas pirita. No entanto, o ouro do tolo é regularmente encontrado perto de depósitos de ouro. É até um bom indicador de sua presença. Um estudo recente explica que o ouro pode estar contido em certos depósitos de antigas piritas naturalmente ricas em arsênico. Este ouro pode, portanto, ser explorado por processo químico.
 
Conheça outros minerais associados ao ouro:


Fontes:

Naufrágios na costa brasileira que abrigam tesouros

Navios naufragados na costa brasileira que abrigam tesouros
Esqueça o tesouro de Oak Island, há tesouros perdidos aqui bem perto de você.
Conheça os tesouros que estão sob as águas na costa brasileira.
Naufrágios na costa brasileira que abrigam tesouros

Navio Santa Rosa
O navio Santa Rosa (galeão de guerra da Marinha Portuguesa do século XVIII), sob o comando do capitão Bartolomeu Freire de Araújo, explodiu em 1726 no Nordeste, levava ouro e prata avaliados em milhões de US$.
Em 20 de Março de 1726, uma frota de 18 embarcações partiu de Portugal com destino ao Brasil. Dela faziam parte duas embarcações de guerra, a Nossa Senhora de Nazareth e a Santa Rosa.
A frota chegou a Salvador após dois meses e quatro dias de navegação.
Durante dois meses e meio, foram procedidas as operações de descarga e carga. Nesse ínterim, além das embarcações chegadas do Reino, juntaram-se à frota, para retorno, mais 37 embarcações. O volume de géneros transportados para a Metrópole era considerável: cerca de 27 mil rolos de tabaco, 13 mil caixas de açúcar, além de 20 mil couros, milhares de cocos e, um grande número de arcas e baús de jacarandá e cerca de 10 toneladas de moedas de ouro, além de ouro em pó e em barras, diamantes e pedras semipreciosas. Esta fortuna foi dividida entre as duas embarcações de guerra, cabendo ao Santa Rosa cerca de 6,5 toneladas que faziam parte do Quinto da Coroa Portuguesa.
O Santa Rosa levava um quarto da produção anual de ouro do Brasil para Portugal.
É um dos mais ricos naufrágios do mundo ainda não localizados.
Acredita-se que está em algum lugar no litoral pernambucano.
Leia mais em:

Navio Santa Clara
Levava ouro e prata de Portugal para a Índia, em 1573. Naufragou ao fazer escala no
Brasil.
Estima-se que o mesmo esteja próximo a Arembepe, na Bahia.
A Coroa Portuguesa não informou a quantidade da carga preciosa e por isto não existe valor estimado. Segundo relatos da época, tripulantes
morreram afogados tentando nadar até a praia com os bolsos cheios de ouro.

Navio Rainha dos Anjos
Naufragou em 1722, vindo de Macau. Trazia presentes da corte chinesa para o papa e o
rei de Portugal.
Naufrágios na costa brasileira que abrigam tesouros
A localização é expectável à documentos da época que mencionam que o navio pegou fogo na baía de Guanabara, no Rio de Janeiro dias antes de zarpar para Lisboa.
Documentos antigos de alfândegas relatam haver cerca de 450 mil dólares em peças entre eles 128 vasos de porcelana e 136 raríssimos vasos de vidro de Pequim. Parte dos despojos foi recuperado numa missão de resgate pago pela coroa portuguesa que durou 2 anos, porém estima-se que milhões de dólares em riquezas ainda estejam sobre areia, lama e lixo.

Prince
Navio francês, viajava com destino à Índia. Afundou em 1752.
Acredita-se que esteja naufragado entre Pernambuco e Rio Grande do Norte. Uma segunda versão dá conta de que estaria próximo da ilha da Ascensão, no meio do Atlântico.
A carga em ouro é avaliada em 5 milhões de libras.

Madagascar
Navio inglês, afundou em 1853 quando voltava da Austrália.
Versões da época indicam que possa estar próximo a Bragança, no Pará. Mas alguns estudiosos acreditam que ele possa estar no lado oposto do Brasil, na costa gaúcha.
Acredita-se que o navio transportava 1020 toneladas de ouro.

Príncipe de Astúrias
Naufragado em 1916 em Ilhabela (SP), um ano após o naufrágio mais famoso do mundo (Titanic), o navio estaria carregando ouro, além de 447 passageiros e um número incerto de refugiados alemães da Primeira Guerra.
Naufrágios na costa brasileira que abrigam tesouros
Momento retratado na pintura de Carlos Alfredo Hablitzel (1977),que a embarcação naufraga.
Na busca dessas riquezas, aventureiros usaram explosivos e destruíram parte do navio. Entre as peças da embarcação resgatadas está uma estátua de mulher, de quase dois metros de altura. Ainda existiriam outras 12 estátuas iguais dentro do Príncipe de Astúrias. O objeto foi resgatado pelo empresário grego Jeannis Michail Platon, que o entregou à Marinha.
Veja mais sobre este naufrágio nos links a seguir:

São João Magnanimo
Charrua construída no Arsenal do Pará e lançada ao mar em 1794.
Em uma de suas primeiras viagens, ainda em 1794, quando em rota para Portugal naufragou no Banco da Tijoca (PA).
Transportava toda a prataria que havia na Igreja dos Mercenários.

Quer conhecer outros tesouros perdidos no Brasil?
Clica no link a seguir:

Naufrágios com valor histórico
Navios sem relatos de carregamentos de tesouro mas cujo valor histórico é inestimável e inquestionável devido a objetos, mobília entre outros artigos embarcados. 

Nau de Gonçalo Coelho
Até o momento não foram encontrados documentos que nos informem seu nome.
Seu proprietário era Fernão de Loronha (Fernado de Noronha) e tinha como comandante Gonçalo Coelho.
Era uma embarcação de três mastros, tinha uma capacidade de carga de cerca 300 tonéis (hoje equivalentes a aproximadamente 260 toneladas), com uma tripulação de 240 homens.
Seu naufrágio ocorreu no dia 10 de agosto de 1503, o que a torna o naufrágio mais antigo documentado para as costas do Brasil.
Quase tudo o que se sabe vem da Léttera escrita por Américo Vespúcio, que estava comandando uma das embarcações da frota de 6 navios enviada para explorar as costas do Brasil e nela construir fortalezas.
Seu valor histórico é incalculável pois nela estão depositadas as características não só da construção naval, bem como a dos equipamentos e utensílios utilizados à bordo durante a era dos Descobrimentos.
O ponto mais provável de seu naufrágio: nas proximidades da ilha de Fernando de Noronha.

Embarcações da Batalha do Abrolhos
No dia 11 de setembro de 1631 duas esquadras, uma luso-espanhola (com 19 navios de guerra que comboiavam mais 35 embarcações) e outra holandesa (com 18 embarcações de guerra), combateram a cerca de 80 léguas do arquipélago dos Abrolhos.
A Batalha Naval se iniciou pelas 9 horas da manhã e foi terminar por volta das 4 horas da tarde. Neste duro conflito perderam-se, segundo alguns autores 6 embarcações, segundo outros apenas 4.
Com concordância geral, foram ao fundo as seguintes embarcações:
Frota holandesa:
Prins Wilhelm - nau capitânia (46 canhões, 300 tripulantes) e
Provincie van Utrecht (38 canhões, 262 tripulantes).

Frota luso-espanhola:
San Antonio - nau almiranta (28 canhões, 344 tripulantes) e
N.S. dos Prazeres Menor (18 canhões, 188 tripulantes).

Estas embarcações naufragadas representam valioso patrimônio histórico mas repousam numa profundidade entre 150 e 200 metros e numa localização muito vaga entre as 80 léguas a leste dos Abrolhos.

Nau de Aires da Cunha
Em outubro de 1535 parte de Portugal uma esquadra, comandada por Aires da Cunha, composta por 10 embarcações, com uma tripulação total de 900 homens, fortemente armada, tanto para o mar quanto para terra e com 113 cavalos a bordo. Tinha a missão oficial de tomar posse da capitania do Maranhão em nome de seu donatário, João de Barros.
Em março de 1536, quando a esquadra chegava às costas do Maranhão, fortes chuvas e vento castigavam a região e, provavelmente devido a estas condições climáticas adversas, a nau capitânia desapareceu.
Por ser a mais importante das embarcações e nela estavam os personagens mais influentes, com seus bens, seu valor histórico é bem elevado, bem como existe a possibilidade de que ela estivesse transportando valores.
Além desta, outras embarcações da esquadra naufragaram na ilha do Maranhão.
Possíveis locais: Ilha do Medo e Coroa Grande.

Algumas outras Naus e Galeões naufragados no Brasil:
Naus e Galeões naufragados no Brasil
San Gabriel,1525 - Santa Catarina - não localizado
S. Maria de Begona, 1584 - Santos/SP - não localizado
Hollandia, 1607 - Salvador/BA - localizado
Amsterdam, 1627 - Salvador/BA - não localizado
N. S. do Rosário, 1648 - Salvador/BA - localizado
Huys Nassau, 1648 - Salvador/BA - não localizado
Utrech, 1648 - Salvador/BA - localizado
São Paulo, 1652 - Cabo de Santo Agostinho/PE - localizado
Sacramento, 1668 - Salvador/BA - localizado

Segundo o SINAU (Sistema de Informações de Naufrágios) são pelo menos 88 naufrágios de galeões e naus no litoral do Brasil.

Fontes:

Tesouros perdidos no Brasil

Tesouros perdidos e lendas do ouro no Brasil
(lista de tesouros brasileiros)

Esqueça o tesouro de Oak Island, há tesouros perdidos que podem estar mais perto de você.
Um bom caçador de tesouros deve estudar bem a história da região onde vai procurar tesouros, e deverá caçar em locais históricos como casas coloniais ou em campos em que houveram guerras ou conflitos, estes são os locais mais propícios a encontrar objetos antigos ou até mesmo tesouros. Informações como estas ajudam tanto quanto dispor de um bom detector de metais.

Tesouro da Trindade
Mapa da Ilha da Trindade publicado no livro "The Cruise of the Alerte" em 1890
tesouro da trindade
O nome Tesouro da Trindade é atribuído ao tesouro que teria sido escondido por piratas na distante Ilha da Trindade, pertencente ao Arquipélago de Trindade e Martim Vaz, um grupo de ilhas situado em meio ao Oceano Atlântico a cerca de 1.200 quilômetros da costa do Brasil, tratando-se da parte mais oriental do território brasileiro.
Tesouros perdidos e lendas do ouro no Brasil
Seu conteúdo, uma fortuna em ouro e pedras preciosas, seria parte das riquezas que teriam sido retiradas de Lima, capital do Peru, em 1821, durante a guerra da independência.
A partir deste tesouro dá-se a lenda do Tesouro do Pirata Zulmiro.
(veja mais neste artigo)

Leia mais sobre o tesouro de Trindade clicando no link a seguir:

O Tesouro do Morro do Castelo
Rio de Janeiro
A lenda do morro do Castelo refere-se a um fabuloso tesouro oculto em galerias secretas em suas entranhas pelos Jesuítas em tempos coloniais. A lenda deve-se a documentos do século XIX que continham informações curiosas como a denúncia de um morador contra um vizinho que escavava nos fundos da casa, na esperança de encontrar algumas das moedas de ouro dos Jesuítas.
Em 1905, por ocasião das obras para a abertura da Avenida Central (atual Av. Rio Branco), um túnel foi descoberto.
Pesquisadores confirmaram que os túneis realmente existiram, embora sem conexão com o suposto tesouro.
Com a descoberta do túnel em 1905, as antigas histórias retomaram força, tendo mesmo surgido um mapa das galerias e um inventário do tesouro, que dava conta de 67 toneladas de ouro além de uma imagem em tamanho natural de Santo Inácio de Loyola, também em ouro, com olhos de brilhantes e dentes de pérolas.

Leia mais sobre o tesouro do Moro do Castelo nos links a seguir:

O Tesouro da Pedra do Sal
Praia da Pedra do Sal e o misterioso subterrâneo dos jesuítas
Leia mais sobre esta história no link a seguir:

O Tesouro de Guanabara,
Rainha dos Anjos.
tesouro rainha dos anjos, Rio de Janeiro
Rainha dos Anjos era uma nau que naufragou em Julho de 1722 perto na Baía de Guanabara entre a ilha das Cobras e o antigo Forte de São Tiago, na atual praça XV, centro do Rio de Janeiro após uma forte explosão. A embarcação de guerra portuguesa armada com 56 canhões estava a dias de zarpar para Lisboa com uma carga de cerca de 136 vasos de porcelana e vidro esmaltado da era Kangxi (1661-1722) e, possivelmente, diversas joias e barras de ouro.
A 6 de julho de 1722, a Coroa contrata Jorge Mainarde para fazer o salvamento do que fosse possível da Rainha dos Anjos e durante quase dois anos foi feita a exploração dos restos da preciosa carga do navio. Na altura os meios de mergulho eram decadentes e estima-se que muitas peças ainda repousem no fundo da baía de Guanabara sob areia, muito lodo e lixo.

O Tesouro de Ilhabela
tesouro de Ilhabela, São Paulo
O tesouro de THOMAS CAVENDISH - Ilhabela
Conhecido também como Baús de Ouro de Thomas Cavendish
Entre 1586 e 1588, o navegador britânico Thomas Cavendish (1560-1592) rodou o mundo, passando por Peru e China. No caminho, saqueou o que pôde, inclusive as riquezas do galeão Santa Ana, que levava especiarias e peças de ouro das Filipinas a Acapulco, no México.
As riquezas, que incluíam peças de ouro incas e astecas, teriam sido escondidas pelo próprio navegador.
Tesouros perdidos e lendas do ouro no Brasil
Pode estar em Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, local que abriga dezenas de embarcações que naufragaram ao longo dos últimos quatro séculos. Também esconde tesouros deixados por piratas. A praia do Saco do Sombrio, na borda oeste da baía dos Castelhanos, era uma das preferidas: tem acesso difícil por terra, é cercada por montanhas e tem saída para o oceano Atlântico.
E um dos tesouros mais famosos que estariam no local é o de Cavendish.

Morador de Ilhabela, o engenheiro belga Paul Ferdinand Thiry começou a procurar o butim em 1939. Desde então, moradores e turistas buscam sem sucesso. Além do fundo do mar, os baús podem estar enterrados ou escondidos em cavernas.

O Tesouro do Canto Grande
Além do Tesouro de Ilhabela, é muito mais provável que Thomas Cavendish tenha deixado escondido algum butim de ouro na região da Baía do Canto Grande, SC.
tesouro de Canto Grande, SC - BRASIL
Thomas Cavendish, além de São Paulo, esteve também por varias vezes em Santa Catarina, mais exatamente nas águas abrigadas da praia do Canto Grande e Tainha, dali e do alto do Morro do Macaco próximo à Praia da Tainha ele colocava piratas armados para dar o alarme caso vissem algum navio.
De acordo com alguns documentos no Museu da Navegação na Inglaterra, afirmam que hoje ainda haja algum tesouro roubado por T. Cavendish enterrado naquela encosta, pois era naquele lugar que ele fazia a divisão do butim e escondia o resto de sua pilhagem para recuperar depois quando voltasse para a Inglaterra.


Mais lendas que Tesouros:

Tesouro de Laranjeiras, Sergipe
Lenda do túnel da Pedra Furada
Desde o tempo dos jesuítas até os dias atuais, circulam histórias de tesouros ,em ouro, prata, moedas, alfaias que foram escondidas e deixadas durante a fuga dos jesuítas durante o período da invasão holandesa.
Acredita-se que em  locais como a Gruta da Pedra Furada, uma 
formação de pedra calcária, e que serviu como refúgio para os nativos da região, seja um destes locais que guardam este tesouro perdido, pois ali os jesuítas celebravam missas.
Outro local da lenda do tesouro de Laranjeiras é a Gruta da Matriana, também um local utilizado como refúgio e para orações pelos padres jesuítas.

Saiba mais sobre esta lenda nos links a seguir:

Tesouro da Pedra dos Cinco Pontões
Laranja da Terra, Espírito Santo
Dizem que esta formação rochosa que serviu de esconderijo para um tesouro guardado por padres jesuítas.

Tesouro de Adolf Hitler no Brasil
Segundo informações não oficiais, Adolf Hitler não morrera em 1945, mas teria fugido para a América do Sul e, depois de passar pela Argentina e Paraguai, fixou-se no Brasil no estado do Mato Grosso onde supostamente faleceu.
A lenda ganhou mais força quando um tesouro com cerca de 75 peças, algumas pessoais do próprio, foram encontradas sob uma parede falsa em um quarto secreto em um domicílio da cidade de Béccar nos arredores de Buenos Aires. Acredita-se que ao mudar para o Brasil, trouxe parte de sua fortuna.
Saiba mais em:
Outra descoberta que só confirma que os alemães estariam na costa brasileira é que na costa norte catarinense foi descoberto um submarino nazi, o U-513, ele foi abatido por um hidroavião americano. Documentos antigos informavam as coordenadas do naufrágio.
Foi afundado nas imediações de São Francisco do Sul, estado de Santa Catarina, em 19 de julho de 1943 por cargas de profundidade lançadas pelo hidroavião. Desapareceram com o U-boot 46 tripulantes, sendo que sobreviveram 7 entre eles o comandante Kptlt. Friedrich Guggenberger.
O submarino foi redescoberto em 14 de julho de 2011, à profundidade de 135 m, por Vilfredo Schurmann da Família Schürmann e por uma equipe de pesquisadores da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI).
Saiba mais em:

Tesouro do Pirata Zulmiro
Curitiba, Paraná
mapa do tesouro da ilha trindade

Documentário sobre "O Legado do Pirata Zulmiro":

Tesouro da Pedra do Segredo
A lenda de Sepé Tiaraju e o tesouro da Pedra do Segredo
As lendas sobre o tesouro dos jesuítas em Caçapava do Sul, RS, permeiam o imaginário do folclore regional. A lenda mais conhecida é que na Pedra do Segredo teria sido escondido um tesouro jesuíta quando eclodiu a chamada Guerra Guaranítica (1753-1756). Em sua formação rochosa de 160m de altura, a Pedra do Segredo possui inúmeras cavernas e labirintos, e nestas teria sido escondido o tesouro. No entanto, a versão mais conhecida da lenda do tesouro jesuíta em Caçapava é que este tesouro não seria nem ouro, prata ou outro metal valioso, e sim o corpo do líder guarani, Sepé Tiaraju.
Veja mais sobre isto em:

A Guerra Guaranítica vivenciado pelos guaranis, jesuítas, bandeirantes e tropas ibéricas virou drama e foi mostrado no filme britânico A Missão, de 1986, estrelado por Robert De Niro e Liam Neeson com trilha sonora de Ennio Morricone.
Assinta ao filme completo:

Tesouros descobertos que eram desconhecidos:

Tesouro de Colares-PA
tesouro de colares, Pará
Um tesouro que foi encontrado sem nenhuma menção dele, muitos outros tesouros podem estar à espera de serem descobertos igual a este.

Clica nos links para ver e saber mais sobre:


clicando AQUI