Pegmatito, a rocha portadora de gemas

Quer encontrar pedras preciosas?
Então procure antes por rochas de Pegmatito.
Pegmatitos são uma rocha portadora de gemas.
Poucos sabem disto e vamos explicar quais e o porque.
GRANADAS NA MATRIZ DE PEGMATITO
Granada na matriz de pegmatito, Austrália.

Os pegmatitos portadores de gemas são rochas ígneas cristalinas que podem abrigar uma grande variedade de gemas, incluindo: morganita, turmalina verde, turmalina rosa, água-marinha, kunzita, turmalina bicolor, granada spessartina, topázio azul, etc.
Algumas pedras preciosas, como a esmeralda, são encontradas quase que exclusivamente em pegmatitos. E se você nunca reparou, a maioria dos minerais de coleção estão em matriz de pegmatito.

Muitos dos maiores cristais do mundo são encontrados em pegmatitos um exemplo são os fantásticos cristais de água-marinha encontrados no Afeganistão.
Além de conter pedras preciosas, os pegmatitos são importantes porque muitas vezes contêm minerais como minerais de estanho, minerais de terras raras, tungstênio, tântalo, nióbio etc. Os pegmatitos também são a fonte primária de lítio como espodumênio, litiofilita ou geralmente a partir de lepidolita. A fonte primária de césio é polucita , um mineral de um pegmatito zonado. A maior parte do berílio do mundo é proveniente de berilo mas sem qualidade de gema dentro de pegmatito.
esmeralda em matriz de pegmatito
Esmeralda na matriz de pegmatito, China.

Os pegmatitos geralmente se formam quando o magma é forçado a fraturas abaixo da superfície da Terra. À medida que o magma esfria, minerais como quartzo, feldspato e mica, que são os elementos mais comuns, começam a cristalizar primeiro. As “sobras de magma” ou elementos mais raros se concentram e bolsões contendo minerais de gemas podem se formar. Essas sobras evoluem à medida que mais minerais se cristalizam, levando a uma incrível diversidade mineral dentro do mesmo pegmatito. Os pegmatitos normalmente contêm grandes cristais e minerais incomuns.

O que são Pegmatitos?
Estritamente falando, os pegmatitos não são realmente um tipo de rocha, mas sim a descrição de uma textura. Esta textura é uma rocha com tamanhos de cristal variáveis, incluindo alguns cristais muito grandes. Geralmente essas rochas são de origem ígnea e são mais comumente graníticas na composição.
A origem do pegmatito e a explicação de como os cristais crescem tanto são controversas. No entanto, a origem mais aceita é que os cristais crescem a partir de derretimentos ricos em água, que também são ricos em elementos fundentes (elementos que diminuem a temperatura de fusão dos minerais de silicato), como boro, flúor e fósforo. As altas concentrações desses elementos fundentes também aumentam as difusividades na fusão, permitindo que os cátions se movam mais rapidamente para os locais de crescimento dos cristais, e isso resulta no crescimento de cristais muito grandes.
A questão de por que alguns pegmatitos contêm gemas enquanto outros não, são também objeto de debate.
Parte da explicação é que as gemas esmeralda, água-marinha e alexandrita são minerais de berílio, a turmalina é um mineral de boro e a turmalina de qualidade de gema também contém lítio e o topázio um mineral de flúor. Esses elementos não substituem facilmente os principais minerais formadores de rochas (quartzo, feldspato, biotita etc.), portanto, os fundidos graníticos que sofreram extensa cristalização terão altas concentrações dos elementos gemológicos lítio, berílio, boro e flúor, bem como como metais raros' que também não substituem facilmente em cristais, por exemplo, tântalo, nióbio e estanho.
É importante notar que nem todos os elementos se concentram na fusão à medida que os minerais se cristalizam.
Muitos elementos, como o cromo, substituem prontamente certos minerais e, portanto, a cristalização resultará no empobrecimento desses elementos. O Cr é de fato muito importante para a formação de muitos depósitos de gemas, de modo que a cristalização extensiva por si só não resultará na formação de um pegmatito de gema.

Pegmatitos no Brasil
O Brasil possui uma das maiores mineralizações em rochas pegmatíticas de todo o mundo.
pegmatito Fazenda Bonfim, RN
Corpo pegmatito da Fazenda Bonfim, RN

As Províncias Pegmatíticas do Brasil foram divididas de acordo com o posicionamento geográfico, em três Províncias principais: Nordeste (Rio Grande do Norte, Paraíba e Ceará), Oriental (Minas Gerais e parte da Bahia e do ES) e Meridional (São Paulo).
esmeraldas em pegmatito recristalizado
Esmeralda em pegmatito recristalizado, Fazenda Bonfim, RN

As formações pegmatíticas destas províncias foram constituídas, em sua maior parte, no final do Proterozóico como consequência de processos orogênicos e geossinclinais, tendo como produto final a consolidação da plataforma da América do Sul.
Outros pegmatitos menos expressivos ocorrem em alguns outros estados como GO, TO.
O Brasil possui uma das maiores mineralizações em rochas pegmatíticas de todo o mundo. As Províncias Pegmatíticas do Brasil foram divididas de acordo com o posicionamento geográfico, em três Províncias principais: Nordeste (Rio Grande do Norte, Paraíba e Ceará), Oriental (Minas Gerais e parte da Bahia e do ES) e Meridional (São Paulo). As formações pegmatíticas destas províncias foram constituídas, em sua maior parte, no final do Proterozóico como consequência de processos orogênicos e geossinclinais, tendo como produto final a consolidação da plataforma da América do Sul. Outros pegmatitos menos expressivos ocorrem em alguns outros estados como GO, TO[6].  Do ponto de vista econômico, as Províncias Pegmatíticas do Nordeste e Oriental são as mais importantes e foram ativamente mineradas, durante a Segunda Guerra Mundial.  A Província Pegmatítica Oriental é a mais extensa e a que apresenta maior potencialidade econômica dentre as brasileiras. Os corpos pegmatíticos são encontrados ao longo de uma faixa com aproximadamente 800 Km de comprimento e cerca de 150 Km de largura. Esta província metalogenética tem sido fonte de matérias primas necessárias não só ao desenvolvimento industrial do Brasil, mas também destinadas à exportação. Quantidades muito grandes de feldspato, quartzo, mica, turmalinas pretas e coradas, minérios de lítio e berílio, columbita, tantalita e cassiterita têm sido lavradas nos milhares de corpos pegmatíticos da região.
Pegmatito alkalino com Corindon azul encontrado em Canaã, Rio de Janeiro

Do ponto de vista econômico, as Províncias Pegmatíticas do Nordeste e Oriental são as mais importantes e foram ativamente mineradas, durante a Segunda Guerra Mundial.

A Província Pegmatítica Oriental é a mais extensa e a que apresenta maior potencialidade econômica dentre as brasileiras. Os corpos pegmatíticos são encontrados ao longo de uma faixa com aproximadamente 800 Km de comprimento e cerca de 150 Km de largura. Esta província metalogenética tem sido fonte de matérias primas necessárias não só ao desenvolvimento industrial do Brasil, mas também destinadas à exportação. Quantidades muito grandes de feldspato, quartzo, mica, turmalinas pretas e coradas, minérios de lítio e berílio, columbita, tantalita e cassiterita têm sido lavradas nos milhares de corpos pegmatíticos da região.

Pegmatitos e as Gemas brasileiras
O Brasil produz a maior variedade de gemas e pedras semipreciosas do mundo, incluindo diamantes, esmeraldas e ametistas. A mineração faz parte da cultura brasileira e a prospecção é um modo de vida para muitas pessoas.

Algumas das pedras preciosas mais espetaculares vêm da região próxima à cidade de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Esta área produz esmeralda, água-marinha, rubelita (turmalina rosa), turmalina verde, topázio imperial, alexandrita e amazonita.
Essas gemas são comumente associadas a pegmatitos.
Este artigo fornecerá primeiro alguns antecedentes sobre a origem dos pegmatitos, depois examinará alguns depósitos específicos e como eles passaram a conter gemas.

Depósitos de gemas em Pegmatito em Minas Gerais
A geologia de Minas Gerais resumidamente pode ser simplificada a um núcleo de embasamento pré-cambriano (cráton de São Francisco) cercado por cinturões de montanhas neoproterozóicas (orogenia brasiliana).
A maioria dos pegmatitos está associada ao evento Brasiliano, de 700 a 450 milhões de anos atrás. O Brasil também experimentou uma grande elevação durante a abertura do Atlântico Sul durante o Cretáceo, 124-89 milhões de anos atrás, depois extensão durante o Terciário. O famoso topázio imperial de Ouro Preto provavelmente está relacionado a esse soerguimento e extensão.
As localizações de alguns dos depósitos de pedras preciosas em Minas Gerais são mostradas na imagem a seguir:
gemstone deposits in Minas Gerais
Gemstone deposits in Minas Gerais, BRAZIL

Depósitos de esmeralda de Capoeirana e a sua hitória
A descoberta do garimpo da Capoeirana é um caso clássico de um sortudo que estava no lugar certo na hora certa.
Essa pessoa estava observando dois touros brigando entre si na fazenda Capoeirana.
Um dos touros errou o outro e esfaqueou o chão com seu chifre, expondo um cristal verde no solo vermelho e que depois vieram a saber que se tratava de uma esmeralda.
As esmeraldas em Capoeirana e na vizinha mina Belmont são encontradas em xistos de biotita ultramáfica. As esmeraldas encontram-se em veios de quartzo cortando os xistos, ou nos xistos adjacentes aos veios. O hospedeiro ultramáfico é importante porque essas rochas possuem altos teores de Cr que são necessários para formar a esmeralda. A fonte de Be não é bem compreendida, mas potencialmente foi derivada de fluidos que emanaram de pegmatitos na área.

Depósitos de Alexandrita
A Alexandrita é extraída em aluvião na jazida de Itaitinga.
A alexandrita é recuperada de um horizonte de cascalho que também contém esmeralda, água-marinha, crisoberilo. Isso sugere uma fonte de pegmatito para a alexandrita. A exploração na área também descobriu cristais de alexandrita associados a xistos de biotita ultramáfica que são cortados por diques de pegmatita. Assim, a origem dos depósitos de alexandrita envolve a interação de uma fonte de berílio, pegmatitos, com rochas ricas em cromo, biotita xistos ultramáficas, semelhantes aos depósitos de esmeralda.

Água-marinha e Turmalina
O pegmatito da Grota da Generosa é um importante depósito de água-marinha, e também produtor de feldspato para a indústria cerâmica e de berilo industrial para berílio.
Como a cor da água-marinha é derivada do ferro, a origem dessa gema pegmatita não envolve rochas ultramáficas, ao contrário da esmeralda e da alexandrita.
Este pegmatito de berilo no contato entre a zona de contato rica em mica e a zona de quartzo-feldspato.
O pegmatito de Jonas não está mais em produção, mas foi talvez o mais importante produtor de turmalina-gema (rubelita) do mundo. De nota, quatro grandes cristais foram encontrados em bolsos do pegmatito Jonas. Esses cristais foram nomeados: Joaninha, Roguete, Tarugo e Flor-de-Liz e pesavam 325, 135, 80 e 32 kg, respectivamente.

Pegmatito em Portugal
Amostra de pegmatito de Campo do Gerês, Terras de Bouro, Braga

Localizações de pegmatitos em Portugal:
Braga
Vieira do Minho;
Anjos e Vilar do Chão.

Faro
Monchique.

Guarda
Guarda;
Gonçalo.

Portalegre
Campo Maior.

Viana do Castelo
Ponte da Barca, Vila Chã (São João Baptista e Santiago);
Viana do Castelo, Montaria.

Vila Real
Barroso.

Viseu
Mangualde
Mangualde (Mesquitela e Cunha Alta);
Sátão, Decermilo e Vila Longa;
Vila Nova de Paiva.


Fontes:

Diferentes tipos e variedades de Ametistas

Tipos e variedades de Ametistas que você (talves) não conhecia
Todos nós sabemos que a cor da ametista é roxa, mas você sabia que a ametista também vem naturalmente em outras cores como em verde, rosa, preto e até vermelho?!
Ametista é uma pedra formada por óxido de silício (SiO2), apresentando também compostos de manganês e ferro, que combinados em maior ou menor quantidade, dão a esta gema ímpar, sua coloração, que vai desde o mais profundo púrpura ou roxo, até um cristalino e claro lilás, quase totalmente transparente como vidro.
Brandberg Amethyst

É considerada uma das primeiras e principais pedras preciosa ao longo de séculos, sendo encontrada em quase todos os continentes e lugares.
Alguns dos maiores produtores de ametista natural estão localizados na Bolívia, Brasil, Uruguai, Tanzânia, Zâmbia, Madagascar, Espanha e no Arizona (U.S.A.).

A ametista, com seus ricos tons violetas são facilmente reconhecíveis.
Cores fortes como a púrpura, o roxo ou o violeta são comuns nas pedras de ametista. Mas há uma boa variedade de cores e até pedras que tem duas ou três cores, dependendo de sua composição química.
Algumas variedades de cores são: Ametista Jacobina, Quartzo Ametista, Ametista de Madagascar, Ametista Mosquito, Ametista Púrpura e Ametista Espanhola.

Porém, existem alguns tipos de ametista que você não conhecia, então vamos explorá-los para que você os conheça.

IMA - International Mineralogical Association (Associação Internacional de Mineralogia) NÃO reconhece as variedades de ametista, mas somente a própria Ametista como mineral.

Tipos individuais de ametista e suas variedades  
Os cristais de quartzo vêm em várias cores, incluindo a ametista preta e o belo cristal de ametista rosa recentemente descoberto. Outros cristais neste grupo são Brandberg Amethyst, e uma rocha do Canadá identificada como Auralita-23 que é uma ametista com ponta vermelha composta de hematita e misturada com pedras violetas e outros minerais. 

Os cristais de ametista e cacoxenita do Brasil também pertencem à família das ametistas. 

Os belos cristais transparentes de lavanda da variedade Vera Cruz são provenientes de uma única mina no México.

Prasiolita é o nome de uma variedade verde de quartzo, que se acredita pertencer à família das ametistas. Também é referido como ametista verde, mas não é um tipo de ametista, e não vou entrar em detalhes neste artigo.

O Quartzo Prasiotrino talves esteja mais perto de pertencer como uma variedade de ametista, isto porque muitas destas pedras são encontradas em minas próximas dos locais com ametistas. E muito embora eu não a tenha incluído na lista abaixo você poderá ver e conhecer o Quartzo Prasiotrino AQUI

Amegreen é uma mistura de quartzo branco, quartzo violeta e verde e é quase idêntico a prasiolita.
Amegreen um tipo de ametista
Amegreen, imagem de https://crystalsandjoy.com/amegreen/

Já o Ametrino é uma pedra amarelo e violeta, e a Ametista Chevron é uma pedra misturada com quartzo violeta e branco com um padrão bem reconhecível.

Tamanha é a variedades das Ametistas que você pode fazer uma coleção só com elas.

As 12 variedades de Ametistas:

Ametista Cacoxenita
Informações sobre Ametista cacoxenita AQUI

Amegreen
amegreen
Amegreen é uma combinação de cristais de 3 tipos diferentes de cristais de quartzo, que são ametista, prasiolita que também é conhecida como ametista verde e quartzo branco.
Esta impressionante combinação de cristais explica os tons de cor únicos da pedra Amegreen.
Ao olhar para esta pedra, você notará uma fascinante mistura de três tons principais:
O roxo é claramente devido ao composto de ametista que geralmente é apresentado na forma de um padrão chevron distinguível.
Em segundo lugar, temos a tonalidade Verde que reflete o compósito Prasiolite (Green Amethyst).
E por último, você pode observar algumas manchas brancas notáveis que revelam o elemento Quartzo Branco.

Auralita-23
auralita 23
Auralita-23, a pedra que combina 23 minerais.

Informações sobre Auralita 23 AQUI

Ametista Vera Cruz
Ametista Vera Cruz do México
Ametista Vera Cruz do México por https://suryacristais.pt/

Ametista Negra
ametista negra
Ametista negra é uma ametista com uma cor mais intensa

Ametista negra é o nome dado a um tipo de cristal que parece preto à primeira vista, embora ela seja de um roxo muito escuro, em vez de  preto fosco.
Alguns desses cristais parecem pretos, mas geralmente são de um tom roxo muito intenso, muito bonito e muito profundo, e apenas de perto ou com uma luz artificial você podera notar o tom roxo violeta intenso.
Alguns são bastante pretos, mas outros não são tão pretos, mas têm uma coloração roxa profunda bastante óbvia.
A cor da maioria das pedras mais escuras está relacionada à inclusão de boas quantidades dos minerais hematita e ferro.
Eles também ocorrem como geodos e druzas, o que significa que há muitos cristais minúsculos que apontam para fora e ocorrem em uma pedra matriz.
Muitos geodos de Ametista Negra têm cristais bem pequenos, mas outros têm uma formação de cristais um pouco maior.
A maior parte do que é conhecido como Ametista Negra vem do Uruguai e do Brasil e comumente ocorrem como  aglomerados ou pequenos geodos.

Ametrino ou Bolivianita
A Bolivianita também chamado Ametrino, é uma gema com fusão única da ametista com o citrino que lhe dão essas cores tão diversas que vão desde os amarelos tênues para a gama dos lilás, até a profunda violeta e cujas características a fazem que seja única no mundo.
Se encontra unicamente na Mina Anahí, único jazimento no mundo, localizada na província de Germán Busch, perto da cidade de Puerto Suárez, no departamento de Santa Cruz, Bolívia.

Brandberg
Os cristais de Brandberg também são conhecidos como Ametista Brandberg ou Quartzo Brandberg. São uma mistura de ametista, quartzo claro e fumê juntos sendo que algumas peças podem trazer quartzo lodalita ou até o quartzo fantasma, e é uma excitante mistura de minerais. Mas nem todos os Brandbergs são peças roxas. Eles são vendidos como quartzo Brandenberg com a grafia errada.
É encontrada apenas na Namíbia, África, nas montanhas Goboboseb, área de Brandberg.

Ametista de ponta vermelha
Red Tip Amethyst
Ametista de ponta vermelha ou em inglês, Red Tip Amethyst, é um quartzo com ponta vermelha e consiste em um revestimento do mineral hematita. O revestimento de pedra é uma mistura de quartzo violeta e marrom escuro. É uma fusão com oscilações de ametista e quartzo fumê e o mineral hematita. Também muito confundido com a Auralita-23, porém auralita contém os 23 minerais e é muito rara, outras pedras também igualmente são confundidas com a auralita (inclusive a chevron) mas só contém no máximo 7 inclusões.

Ametista Elestial
ametista elestial
Ametista elestial é uma ametista de cor lilás mas que o que a define é a sua formação piramidal. Peças pequenas são conhecidas no Brasil como dente de ametista já as peças maiores são conhecidos como cetro de ametistas.

Ametista Rosa
A Ametista Rosa é uma variedade de cristal recém-descoberta na Mina Choique, Pehuenches-Neuquén na Patagônia, Argentina. Há alguma controvérsia sobre onde foi encontrado, mas é ametista, e os geólogos realizaram análises espectroscópicas para determinar sua composição.
Suas cores não são todas rosas, como lavanda, roxo, rosa pêssego claro, mas variam de tons claros e suaves a tons rosa pêssego profundos.

Chevron Ametista
Informações sobre Ametista chevron AQUI

Super Seven
Este cristal é uma base de ametista
Ela é chamada assim porque se trata de uma combinação de 7 minerais sendo eles: ametista, quartzo, rutilo, quartzo fumê, lepidocracita, goethita e cacoxenita.
O seu nome foi composto já pela influência dominante da língua inglesa, chamada assim devido a sua principal característica, a da união das 7 pedras.


Fontes:

LEGO® Minerais, a coleção

LEGO® MINERAIS é uma idéia de novo produto
LEGO® Minerais, a coleção de minerais da LEGO®
LEGO® Minerais, a coleção de minerais da LEGO®

Um conjunto LEGO® muito legal foi proposto no site ideas.lego.com e para aqueles que não sabem, este site permite que designers amadores de LEGO® criem seus próprios conjuntos propostos que são votados e qualquer um que receba pelo menos 10.000 votos são então considerados pela LEGO® para produção como conjuntos de 'Ideias' de tiragem limitada.
OFICINA70 foi o apoiador número: 9.945

LEGO® coleção de minerais

Poderá ver esta idéia acessando o link a seguir

Este conjunto chama-se 'Tesouros da Terra: Reflexões' e inclui excelentes réplicas de quatro soberbos espécimes minerais e uma água-marinha.
LEGO® Pirita cúbica
LEGO® Pirita cúbica

LEGO® Água-marinha
LEGO® Água-marinha

Turmalina rubelita logotipo do Mindat
LEGO® Turmalina Mindat
LEGO® Turmalina Mindat

O maior banco de dados de minerais do mundo, o Mindat,org também apoia esta idéia.
Outras imagens da coleção de minerais da LEGO® Minerals clica no link a seguir:

O que é LEGO® MINERAIS?
LEGO® Minerais combina a beleza excepcional dos minerais da natureza com as infinitas possibilidades de LEGO®.
Construa os cristais, admire-os, colete-os e aprenda como eles se formaram ao longo de centenas de séculos!

LEGO® Quartzo citrino
LEGO® Quartzo citrino

Os espécimes são construídos em escala 1:1 sendo os minerais iniciais desta coleção: Berilo Água-marinha, Geodo de Ametista, Pirita, Rodocrosita, Quartzo, Berilo Vermelho e 4 turmalinas diferentes.

Um conjunto oficial pode incluir de 3 a 5 cristais (sem necessidade de recoloração e entre 1100 a 1700 tijolos) com seus próprios suportes dedicados e etiqueta de nome relativa.
LEGO® Rodocrosita
LEGO® Rodocrosita

LEGO® Rodocrosita
LEGO® Rodocrosita com pedestal

No entanto, a coleção pode crescer ao longo dos anos com lançamentos periódicos pela LEGO® de novos espécimes, afinal, não é disso que tratam as coleções!

LEGO® Minerais é perfeito para exibição, mas também é uma construção interessante, pois muitas técnicas avançadas estão envolvidas. Os cristais são maravilhas geométricas naturais e é bastante complicado construir em diferentes planos e ângulos para representar do que a Natureza é capaz!
LEGO® geodo de Ametista
LEGO® geodo de Ametista

LEGO® Minerais também pode despertar a curiosidade em crianças e adultos e aproximá-los da geologia e mineralogia. Várias instituições e vozes respeitadas na comunidade estão apoiando o projeto e cuidariam das informações educacionais que poderiam complementar o manual de instruções.
LEGO® Turmalina negra
LEGO® Turmalina Schorl

GOSTOU DA IDÉIA?
 Então prepare-se para uma diversão séria!!!

LEGO® Turmalina rubelita
LEGO® Turmalina rubelita


Todas as imagens são fontes do autor da idéia via LEGO®

Fonte:

Quartzo Pink Fire, uma gema rara

Quartzo Pink Fire
Parece nome de perfume famoso, mas é um mineral super charmoso e raro.
pink fire quartz

O Quartzo Pink Fire, é um quartzo com inclusões de micro-cristais de Covelita, produzindo um brilho rosa.

covellite inclusion in rough quartz, from Bahia - BRAZIL
Inclusão de Covelita no Quartzo, Bahia - Brasil

Este raro quartzo contendo inclusões de covelita de Minas Gerais - Brasil, foi exibido pela primeira vez na Feira de Joalheria em Tucson 2005. Nesta altura nenhum material não polido/não cortado foi fornecido, portanto a origem deste material era considerada desconhecida.
No entanto John Koivula do GIA confirmou que as inclusões eram de fato Covelita.

Quartzo Pink Fire é um “nome comercial” não oficial usado pelos vendedores de minerais e gemas.
Quartzo Pink Fire não é um nome aceite pelo IMA - (International Mineralogical Association) como uma nomenclatura ou novo mineral, sendo esta a organização responsável por identificar e nomear os novos minerais que são descobertos.

schiller efect in pink fire quartz
 O efeito schiller rosa elétrico na gema.

Um belo efeito ocorre quando a luz reflete da superfície das inclusões e um brilho rosa vívido viaja através da superfície do mineral lapidado, como cabochão, em um efeito conhecido como schiller.
O efeito schiller rosa elétrico é melhor visto nas joias destas pedras raras e é o motivo pelo qual alguns entusiastas as chamam de 'Pink Fire Quartz' ou 'Tinkerbell Quartz'.
Dificilmente o efeito schiller será visto em pedras brutas a menos que esta esteja muito limpa naturalmente.

Quartzo Pink Fire uma gema rara:
O Quartzo Pink Fire é uma gema com inclusões realmente cobiçadas por designers de joias e por colecionadores de minerais.

É uma raridade que vem do Brasil, pois é um cristal deslumbrante e único.
É semelhante ao quartzo claro na aparência (quartzo hialino), mas com manchas de cor magenta em seu corpo.
A cor vem como um reflexo da covelita dentro do Pink Fire Quartz.
A gema é muito cobiçada o que muitas vezes está esgotada e é difícil de encontrar.

Sobre a inclusão e os preços:
A inclusão de Covelita neste tipo de quartzo pode estar agrupada ou estar muito dispersa ou ainda pode estar com outras inclusões minerais fazendo das peças, únicas.
Além do tamanho (carat), o agrupamento da covelita é o que vai ditar a diferença no preço, sendo que uma pedra que tem mais agrupamento vai ser mais valiosa ante uma em que a covelita esta mais dispersa no quartzo.

Sobre o Quartzo Pink Fire bruto:
rough quartz pink fire from Bahia, Brazil
Quartzo Pink Fire, Bahia - Brasil

Um quartzo raro com inclusões de Covelita, que é um raro sulfeto de cobre (CuS).
É o mais raro e o mais caro de todos os quartzos com inclusões.
O brilho rosa é visível apenas de um ângulo porque os cristais de covelita são iso-orientados em um crescimento epitático sobre uma face fantasma do cristal de quartzo.
É muito difícil ver esse efeito com uma foto nas pedras brutas existente, tornando este um dos materiais mais raros de pedras preciosas até hoje.
É muito difícil ver o efeito schiller em uma pedra bruta em uma foto e muito mais incrível pessoalmente com a iluminação correta.
rough quartz pink fire from Espírito Santo, Brazil
Quartzo Pink Fire bruto, Espírito Santo - Brasil

Embora esta pedra só se deu a conhecer ao mundo na Feira de Tucson em 2005, exemplares destas pedras foram obtidas na década de 1990 no estado do Espírito Santo no Brasil, muito antes de se saber que Covellite existia em quartzo como uma inclusão.

Imitações e/ou falsificações:
Recentemente foram encontradas algumas pedras sintéticas "Made in China".
(então todo cuidado é pouco se você quer adquirir uma destas gemas)
Também alguns sites estão a mostrar e vender Quartzo Aventurina Rosa como se tratase de Quartzo Pink Fire.  


Locais de ocorrências:
Brasil:
Minas Gerais e Espírito Santo.
(locais desconhecidos)
Mina de Caraíba, Vale do Curaçá, Bahia
(Mina de onde se extraem diversos minerais como Alexandrita, Apatita, Bornita, Covelita, etc, e que por raras vezes são encontrados quartzos com inclusão de covelita)

Portugal:
Vila Real - Peso da Régua, Poiares e Canelas
(mina de covelita com poucos raros quartzos com inclusão, por mindat.org)

Fontes: