oficina70.com

Associação do Gossan ao Ouro

Associação do Gossan ao Ouro
Gossan é também chamado de chapéu de ferro (Francês).
Os chapéus de ferro ou gossan são rochas formadas pela oxidação de sulfetos de ferro que podem formar depósitos minerais.
Gossan con cristales de calcita de la colección de Rob Lavinsky, de Mexico
Gossan com cristais de calcita da coleção de Rob Lavinsky, www.irocks.com
A formação dos chapéus de ferro depende de fatores como o clima, a composição inicial dos sulfetos, o nível freático ou o relevo. Sua presença pode fornecer informações sobre depósitos minerais que podem estar presentes em profundidade, ou constituir depósitos por si mesmos. Eles podem ser fontes de ouro, prata, estanho e outros minerais.
gossan, também chamado de chapéu de ferro
Em alguns casos são chamados de gossans os ironstones derivados do intemperismo sobre carbonatos ricos em ferro como a siderita. Normalmente é a parte superior e exposta de um jazigo ou veio mineral e tudo o que resta são óxidos de ferro e quartzo muitas vezes em blocos com cavidades revestidas de quartzo que mantêm a forma dos minerais já dissolvidos. Noutros casos restam óxidos de ferro e quartzo bem como limonite, goethite e jarosite como pseudomorfos substituindo a pirite e minerais originais. Poucas plantas ou árvores crescem nestes tipo de solo, sendo assim possível identificar a partir de imagens de satélites.
área com gossan
Normalmente o chapéu de ferro caracteriza-se como uma "nódoa" vermelha no solo que contrasta com a rocha e solo devido à abundância de quartzo e óxidos de ferro resistentes à erosão. Devido a essa resistência à erosão os chapéus de ferro apresentam-se como colinas.
Gossan, segundo a definição original é o produto do intemperismo sobre sulfetos maciços de minérios econômicos.
Quase todo o ouro recém-extraído vem da mineração natural de minérios de rocha dura, finos grãos de ouro ou até mesmo partículas microscópicas de gossans.

Os principais minerais de um gossan são a goethita e hematita. Outros hidróxidos de ferro comuns são geralmente agrupados como limonitas. Estes óxidos conferem à rocha a sua característica ferruginosa com cores fortes, ocre vermelho-amareladas. A rocha encontra-se na superfície podendo ou não estar em cima dos sulfetos originais. Gossans podem ser transportados. Neste caso os óxidos migraram e se precipitaram longe dos sulfetos de orígem.
Em geral um gossan é poroso e pulverulento.
gossan com ouro, prata, zinco
Seus minerais são formados pela decomposição dos sulfetos com formação de ácido sulfúrico. O ácido acelera sobremaneira a decomposição dos minerais, lixiviando parcial ou totalmente os elementos solúveis. A lixiviação pode ser tão intensa que os elementos solúveis como zinco ou até mesmo o cobre podem não mais estar presentes no gossan. Portanto a simples avaliação química de um deve levar em conta, também, aqueles elementos traços menos móveis que talvez estejam ainda presentes e que possam caracterizar a rocha como interessante. Esses estudos de fingerprinting são fundamentais quando o assunto é gossan.

No Brasil é clássico o gossan de Igarapé Bahia, que foi lavrado por anos a céu aberto como um minério de ouro apenas...até a descoberta de calcopirita (Depósito Alemão) associada a magnetita, em profundidades de 100m.
Gossan da Amazônia:
http://geologo.com.br/epithermal_tapajos.htm

A importância de um Gossan para um garimpeiro experiente
associação do Gossan e do Ouro
Como um garimpeiro de ouro, você deve notar imediatamente este tipo de depósitos, pois a falta de árvores crescendo nas rochas e solos amarelos, marrons, avermelhados, castanhos e de cor acastanhada, levam a que este tipo de solo sejam conhecidos como gossan. É óbvio que muitos desses gossanos foram extraídos no passado, mas no passado nem todos os gossan expostos foram bem extraídos. É provável que ainda existam vários depósitos de ouro, prata ou cobre ricos nesta áreas.
Antigamente os gossans eram guias importantes para depósitos de minério enterrados usados por garimpeiros em sua busca por minérios de metal.
gossan de ferro e outros minerais
Um explorador experiente poderia ler as pistas na estrutura dos gossans para determinar o tipo de mineralização que provavelmente se encontram abaixo do "chapéu de ferro".

Garimpeiros de ouro gostam de generalizar depósitos de ouro em dois grupos: o ouro de filão (ouro encontrado em afloramentos) e ouro placer (ouro detrítico erodido de um filão próximo e depositado em um córrego). Ambos os depósitos são importantes, mas para o garimpeiro, depósitos de ouro são mais importantes porque muitos podem ser trabalhados com menos recursos e com menor custo que a maioria dos depósitos de ouro. Mas ainda assim, você precisa considerar métodos de prospecção científica para garantir que você tenha um depósito de ouro comercial e que você não cometa erros como os muitos que já vimos no programa de TV Gold Rush.

Quão importantes são os gossans para encontrar ouro?
scheme of formation of auriferous gossan
Ao longo dos anos, várias centenas de anomalias de ouro e vários depósitos de ouro, foram associada a algum tipo de gossan. Então o gossan esta fortemente associado ao ouro, leve isto em consideração, embora o ouro no gossan esteja bem dissiminado devendo-se antes fazer uma análise da porcentagem por toneladas, então a recuperação do ouro do gossan poderá ser rentável se forem muitas toneladas deste material. Além disto os gossan estão associados a outros metais como a prata por exemplo.
scheme of formation of auriferous gossan
Os gossans, algo que todo explorador de ouro precisa saber, são frequentemente guias de ouro, mas eles são constantemente negligenciados por garimpeiros de ouro. Eles são guias para encontrar ouro simplesmente porque, se eles são de ouro, a erosão tenderá a liberar o ouro com o tempo e transportar o metal precioso para um córrego ou rio próximo. Em programas de TV como Gold Rush, um gossan nunca é mencionado por ninguém, nem é explorado.

Agora que aprendeu um pouco mais sobre os gossans, comece a procurar por eles, mas também procure por gossans em sites como o Google Earth eles são bem visíveis nas imagens do satélite e isto pode ser bem aproveitado pelos garimpeiros que fazem o uso das tecnologias.
As cores mais comuns de gossan são os vermelhos ou avermelhados, laranjas de oxidação de ferro, amarelos e até azuis escuros, cinzas ou pretos. Estas últimas três cores podem significar a presença de cobre, prata ou manganês.

Saiba mais em:
Que Tipos de Solo Contém Ouro
https://www.oficina70.com/2015/07/que-tipos-de-solo-contem-ouro.html

Fontes:

Acervos e Museus Minerais no Brasil

Para quem gosta de pedras preciosas, minerais ou fósseis
 estes são alguns dos locais que merecem nossas visitas.
Acervos e Museus Minerais no Brasil
Além de serem bons locais para se identificarem pedras e ter uma ajuda ou orientação na identificação de seus minerais e pedras preciosas.

Acervos Públicos:

Amazonas
Museu de Minerais e Rochas Carlos Isotta

Minas Gerais
Museu de Minerais & Pedras Preciosas - Gramado-RS
Entre os acervos públicos, sem dúvida merece figurar com muito destaque o Museu de Ciência e Técnica da Universidade Federal de Ouro Preto, com um acervo de minerais e rochas que compreende 23 mil peças, procedentes de todo o mundo. Anteriormente chamado de Museu de Mineralogia, ele ocupa hoje todo o prédio construído em 1741, onde funcionava a Escola de Minas, e a ele se somaram acervos de outros museus. Assim, o museu atual pode ser visto como diversos museus ou então, pelo menos, como um museu multitemático, onde há seções de mineralogia, topografia, mineração, metalurgia, física, astronomia, desenho e biblioteca de obras raras. Há ainda uma sala que reproduz o interior de uma mina de ouro.

Museu das Minas e do Metal,
Museu de Mineralogia Professor Djalma Guimarães

Museu de Minerais e Rochas

Pernambuco
Museu de Minerais e Rochas de Pernambuco
Museu de Minerais e Rochas

Rio de Janeiro
O Museu Nacional foi criado em 1818 e até 1824 chamou-se Museu Real. Nessa data, passou a ser Museu Imperial, até 1889, quando recebeu a atual denominação. Fica no Rio de Janeiro, na Quinta da Boa Vista, onde está desde 1892. Entre as várias coleções importantes que recebeu está a Coleção Werner, com a qual se iniciou o acervo, e a coleção de minerais de José Bonifácio. O Museu Nacional tem importante coleção de meteoritos, entre eles o Bendegó, o maior já encontrado no Brasil (5.360 kg).
NOTA: Devido ao incêndio o museu permanece inacessível ao público.

Outra coleção de minerais encontra-se no Museu da Geodiversidade, situado no Instituto de Geociências, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

O Museu de Ciências da Terra, também no Rio de Janeiro, antes pertencia ao Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM, passando a ser do Serviço Geológico do Brasil - CPRM em 2013. Ele possui dezenas de milhares de peças, algumas de valor histórico, e foi organizado em 1907 por Orville Derby. Ao contrário do Museu Nacional, tem seu acervo de minerais acessível ao público.
(Para mais informações, visite a página do museu: http://www.cprm.gov.br)

Rio Grande do Sul
Em Porto Alegre (RS), a CPRM mantém o Museu de Geologia. Embora não tenha um acervo grande, ele se destaca por conter rica coleção de gemas brutas (100 tipos) e lapidadas (62 tipos), além de outros minerais, inclusive a rara lulzaquita. Há também rochas e fósseis, com um mesossaurus tenuidens em excelente estado de conservação.
NOTA para colecionadores de minerais:
O museu desenvolve intensa atividade, principalmente junto a escolas, distribuindo gratuitamente grande quantidade de amostras de minerais e rochas a alunos, professores e colecionadores em geral.

Museu de História Natural da Ulbra - Universidade Luterana do Brasil, em Canoas (RS), tem um acervo que também não se destaca pelo tamanho, mas merece ser citado por conter uma valiosa coleção de minerais muito raros. São cerca de 200 peças, procedentes de aproximadamente 15 países, integrantes da Coleção Pércio de Moraes Branco, adquirida por aquele museu em 1996. Várias dessas espécies provavelmente não figuram em nenhum outro museu do país.

Museu de Minerais & Pedras Preciosas - Gramado-RS
Museu de Minerais & Pedras Preciosas (Gramado)

São Paulo
O Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo possui o Museu de Geociências, localizado na Cidade Universitária e aberto ao público. O acervo, um dos mais importantes do Brasil, inclui minerais, rochas, espeleotemas, meteoritos (entre eles o Itapuranga, o terceiro maior do Brasil) e muitos fósseis, distribuídos em 550 m². São quase 50 mil peças, das quais 10% estão em exposição permanente.

Museu Geológico Valdemar Lefebvre, também em São Paulo, com acervo de minerais, rochas e fósseis.

Museu de Mineralogia Aitiara (Botucatu)

Museu de Minerais e Rochas Heinz Ebert (Rio Claro)

Tocantins
Não é um Museu mas é um dos principais locais do Brasil e do mundo com uma diversificada floresta petrificada aberto ao público, vale a pena uma visita.
Monumento Natural das Árvores Fossilizadas do Tocantins


Acervos de colecionadores particulares no Brasil:
Apesar de muito rico em pedras preciosas e da imensa variedade que elas mostram no Brasil, nosso país tem bem poucos colecionadores de minerais, quando comparado com Estados Unidos e Itália, por exemplo. Nos últimos anos, a crescente busca de cristais para fins místicos e terapêuticos (cristaloterapia) aumentou o número dos que se dedicam a esse tipo de colecionismo, mas ainda é difícil encontrar quem faça isso de modo sistemático e permanente.

Entre as coleções particulares atuais que devem ser citadas estão as dos colecionadores abaixo, em ordem alfabética.

Álvaro Lúcio, engenheiro natural de Santa Catarina, diplomado em Ouro Preto (MG), é autor de diversos livros e artigos técnicos. Sua valiosa coleção de minerais tem peças representativas das jazidas mais interessantes entre as descobertas no Brasil nas últimas décadas.

O geólogo Andrea Bartorelli, criador do Museu de Minerais de Paraty, Rio de Janeiro, é autor de três livros e responsável por várias exposições de minerais. Sua coleção conta com cerca de mil peças, na sua grande maioria brasileiras.

Assad Marto é médico, nascido na Jordânia. Começou sua coleção aos 11 anos e é membro de várias associações mineralógicas. Associou-se a proprietários de lavras de gemas em Minas Gerais, o que ajudou a ampliar sua importante coleção, formada principalmente de peças de grades dimensões e diferentes das habitualmente vistas.

Carlos Jesus Cornejo Chacón nasceu em Santiago (Chile) e atua como jornalista, fotógrafo e editor, tendo realizado diversas exposições de minerais. Junto com Andrea Bartorelli é autor da excelente obra "Minerais e Pedras Preciosas do Brasil" (2010), principal fonte de informações sobre minerais brasileiros. Além de uma biblioteca especializada em mineralogia, possui uma coleção com mais de mil peças, muita delas coletadas pessoalmente nas muitas viagens que realizou.

Guido Borgomanero nasceu na Itália e começou a colecionar minerais muito jovem, mas mais intensamente a partir de 1959. Naquela época, com 38 anos, foi nomeado cônsul adjunto em São Paulo. Fez curso de gemologia e visitava garimpos e pedreiras. Aposentado, optou por permanecer no Brasil, onde faleceu em 2005. Sua esposa, Ragnhild Borgomanero, preserva a coleção que ele montou com tanto carinho.

Júlio Landmann, químico diplomado pela Universidade de São Paulo - USP, com MBA nos Estados Unidos, tem destacada atuação no meio cultural. E coleciona minerais desde criança. Sua coleção é, sem dúvida, uma das melhores do Brasil. São cerca de 800 peças de valor estético, 70% delas procedentes do Brasil.

Luiz Alberto Dias Menezes Filho, engenheiro de minas paulista, é colecionador de minerais há 50 anos. Importa e exporta minerais para coleção e participa das principais feiras internacionais do setor.

Paulo Roberto Amorim dos Santos Lima, geólogo diplomado pela UFRJ em 1972, é autor de dois livros de mineralogia: "Minerais em Grãos: Técnicas de Coleta, Preparação e Identificação" e "Guia de Mineralogia". Começou a colecionar minerais em 1969 e possui mais de três mil peças em seu acervo, representando cerca de 650 espécies.

Reinhard Wegner é mineralogista e vulcanólogo, com especialização em pegmatitos graníticos. Leciona diversas disciplinas na Universidade Federal da Paraíba e possui uma vasta coleção de minerais.

Rolando e Bruno Gioia possuem uma coleção sobre a qual não temos dados, mas que, a julgar pelas fotos que se vê na obra "Minerais e Pedras Preciosas do Brasil", deve ser importante.

Duas outras coleções menos importantes que as anteriores podem ser citadas. Uma é a de Daniel Berringer, gemólogo especializado em diamantes, que coleciona minerais e gemas lapidadas desde os oito anos de idade, dedicando-se também às chamadas pedras temáticas, curiosas por suas formas. A outra é de Pércio de Moraes Branco, que coleciona minerais há 43 anos. Das 1.500 peças da sua primeira coleção, 90% foram adquiridas em 1996 pelo Museu de Ciências Naturais da Universidade Luterana do Brasil. Sua coleção atual, objeto de reportagem na revista "Retrô – Antiguidades e Coleções", compreende cerca de mil peças, principalmente gemas brutas (60 tipos) e lapidadas (70 tipos).

Acervos particulares históricos:
Entre as coleções particulares de minerais brasileiros, a primeira de que se tem notícia é a do sertanista português João Coelho de Sousa, que reuniu um acervo de ouro, gemas e outros minerais na segunda metade do século XVI.

O mineralogista francês Jean Louis de Bournon (1751-1825) tinha uma coleção de 22.880 peças, entre as quais minerais do grupo da platina procedentes do Brasil e que lhe foram doados pelo seu amigo Domingos Antônio de Sousa Coutinho. Essa coleção está quase intacta, mas dividida: parte no Museu Nacional de História Natural e parte no Colégio da França, em Paris.

O inglês John Mawe (1766-1829) foi importante comerciante de minerais para coleção e a ele se deve um tratado sobre pedras preciosas que muito ajudou a tornar conhecidas e valorizadas na Europa as gemas brasileiras.

D. João VI, rei de Portugal que transferiu a corte portuguesa para o Brasil, tinha uma rica coleção de gemas, na qual se destacam muitos diamantes de grandes dimensões, em geral com peso acima de 17 quilates, pois diamantes desse porte eram os que a família real costumava escolher dentre todos os produzidos pelas minas do reino. 


Nota:
Caso conheça mais algum que não esteja nesta lista, por favor deixe nos comentários abaixo.

Fontes:

Segue oficina70.com