Diamante é um bom condutor

Existem dois tipos de condutividade nos Diamantes
Diamond Selector II, by Culty Japan
Diamond Selector II, by Culty Japan

A condutividade térmica é uma medida de quão bem um material conduz o calor.
A condutividade elétrica expressa o quão bem uma substância conduz eletricidade.

Um diamante tem os dois tipos de condutividade a térmica e a elétrica, e estas características é que podem ser usadas para ajudar a distingui-lo de outros materiais e identificar impurezas em um diamante genuíno.

O princípio dos Testadores de Diamantes, Diamond Selector é o de tirar proveito da capacidade térmica e elétrica do diamante para saber se o mesmo é de fato um diamante verdadeiro, seja ele um diamante bruto ou lapidado e cravado em uma jóia.
Diamond Selector III, by Culty Japan
Diamond Selector III, by Culty Japan

A alta condutividade térmica do diamante é usada por joalheiros e gemologistas que podem empregar uma sonda térmica eletrônica para distinguir os diamantes de suas imitações. Essas sondas consistem em um par de termistores alimentados por bateria montados em uma ponta de cobre fina.

Como funciona um testador de diamantes
diamond tester by presidium
Um termistor funciona como um dispositivo de aquecimento, enquanto o outro mede a temperatura da ponta de cobre: se uma pedra testada para um diamante, conseguir conduzir a energia térmica da ponta com rapidez suficiente para produzir uma queda mensurável de temperatura, ela será verdaeira.
Este teste leva cerca de 2 a 3 segundos.
No entanto, as sondas mais antigas serão enganadas pela moissanita, uma forma mineral cristalina de carboneto de silício introduzida em 1998 como uma alternativa aos diamantes, e  que tem uma condutividade térmica semelhante aos diamantes.

Diamantes, qualidades minerais únicas
A maioria dos diamantes são condutores térmicos extremamente eficientes, mas isolantes elétricos. O diamante conduz bem o calor como resultado das fortes ligações covalentes entre os átomos de carbono em um cristal de diamante. A condutividade térmica do diamante natural é de cerca de 22 W/(cm·K), o que torna o diamante cinco vezes melhor na condução de calor do que o cobre. A alta condutividade térmica pode ser usada para distinguir diamante de zircônia cúbica e vidro.
A Moissanite, que é uma forma cristalina de carboneto de silício que se assemelha ao diamante, tem uma condutividade térmica comparável. As sondas térmicas (diaomond tester) modernas podem diferenciar entre diamante e moissanita, à medida que a moissanita ganhou popularidade.

Condutividade elétrica dos diamantes
A resistividade elétrica da maioria dos diamantes é da ordem de 1011 a 1018 Ω·m.
A exceção é o diamante azul natural, que obtém sua cor a partir de impurezas de boro que também o tornam um semicondutor. Os diamantes sintéticos dopados com boro também são semicondutores do tipo p. O diamante dopado com boro pode se tornar um supercondutor quando resfriado abaixo de 4K. No entanto, certos diamantes azuis acinzentados naturais que contêm hidrogênio não são semicondutores.

Filmes de diamantes dopados com fósforo, produzidos por deposição química de vapor, são semicondutores do tipo n. As camadas alternadas dopadas com boro e com fósforo produzem junções p-n e podem ser usadas para produzir diodos emissores de luz ultravioleta (LEDs).
Junções de diodo pn e diodos emissores de luz UV (LEDs, em235 nm) foram capazes de deposição sequencial de camadas do tipo p (dopado com boro) e tipo n (dopado com fósforo). As propriedades eletrônicas do diamante também podem ser moduladas por engenharia deformação.

Condutividade térmica dos diamantes
Ao contrário da maioria dos isoladores elétricos, o diamante é um bom condutor de calor devido à forte ligação covalente e ao baixo espalhamento de fundos. A condutividade térmica do diamante natural foi medida em cerca de 2200 W/(m·K), que é cinco vezes mais do que a prata, o metal mais termicamente condutor.
Como o diamante tem uma condutância térmica elevada, ele já é usado na fabricação de semicondutores para evitar que o silício e outros materiais semicondutores sofram um superaquecimento.
Tecnologicamente, a alta condutividade térmica do diamante é usada para a remoção de calor eficiente em eletrônicos de alta potência. O diamante é especialmente atraente em situações onde a condutividade elétrica do material dissipador de calor não pode ser tolerada, por exemplo, para o gerenciamento térmico de micro-bobinas de radiofrequência (RF) de alta potência que são usadas para produzir campos de RF fortes e locais.

Diamond Selector III, by Culty Japan
Diamond Selector III, by Culty Japan.

Saiba mais sobre testadores de diamantes clicando no link a seguir:

Fonte:

Diamantes negros, carbonados

O que são diamantes negros e como eles se formam
Diamantes negros, carbonados
Carbonado, comumente conhecido como 'Black Diamond', é um diamante policristalino natural encontrado em depósitos aluviais na República Centro-Africana e no Brasil. O carbonado foi reconhecido pela primeira vez como uma forma de diamante policristalino já na década de 1840, quando foi descoberto e minerado no Brasil.

Desde então, foi encontrado em outros lugares, por exemplo, Venezuela, leste da Austrália e na região de Ubangui da República Centro-Africana, onde é conhecido como 'carbonos'.
Bornéu também o produz, mas em pequena quantidade.
Um material chamado yakutite, talvez relacionado, é encontrado na Rússia. Sua cor natural é preta ou cinza escuro e é mais porosa do que outros diamantes.
Diamantes negros, carbonados
Ao contrário de outros diamantes policristalinos naturais, o carbonado não tem inclusões derivadas do manto e seu valor de isótopo de carbono é muito baixo. Além disso, carbonado exibe forte luminescência (fotoluminescência e catodoluminescência) induzida por nitrogênio e por vacâncias existentes na rede cristalina. A análise da luminescência sugere que existiram inclusões radioativas no processo de formação do carbonado. Essas e outras características é que separam o carbonado de outros diamantes e têm levado a questionamentos quanto à origem do carbonado.

Geralmente é encontrado em massas escuras de forma poliédrica irregular, de cor preta, marrom ou cinza-escuro, com um brilho resinóide opaco; e quebrando com uma fratura granular, de cor mais pálida e, em alguns casos, muito parecida com a de aço de grão fino.

Por ser ligeiramente celular, sua gravidade específica é bem menor do que a do diamante cristalizado.

Diamante negro no Brasil
No Brasil é encontrado quase que exclusivamente no estado da Bahia, onde ocorre no cascalho ou cascalho diamantífero.
Garimpo de diamante negro (carbons) na Bahia em 1915
Garimpo de diamante negro (carbons) na Bahia em 1915.

Sérgio é o nome do maior diamante negro carbonado encontrado e o maior diamante bruto já encontrado. Foi descoberto por Sérgio Borges de Carvalho.
 Encontrado na Bahia em 1895, ele pesava 3.167 quilates.
Como outros carbonados, acredita-se que seja de origem meteorítica.
Sérgio, o maior diamante negro carbonado
Sérgio, o maior diamante negro carbonado.

O diamante Sérgio foi vendido primeiro por $ 16.000 e depois por $ 25.000 para Joalheria Kahn and Co. e enviado para G. Kahn em Paris, que o vendeu para I. K. Gulland de Londres em setembro de 1895 por £ 6.400. Lá, ele foi dividido em pequenos pedaços de 3–6 quilates (0,60–1,20 g; 0,021–0,042 onças) para brocas de diamante industriais.
O Sérgio foi quebrado em pequenos pedaços em Nova York e usado em brocas
na Cordilheira Mesabi, um vasto depósito de ferro em Minnesota, USA.

Usos e valor do diamante negro
brocas com pontas com diamantes de 2mm
Brocas com pontas com diamantes de 2mm.

Anteriormente de pouco ou nenhum valor, ele entrou em uso na introdução das brocas de diamante de Leschot e agora é extremamente valioso para montagem em coroas de aço usadas para mandrilamento de diamante. Não tendo clivagem, o carbono é menos sujeito a fratura na rotação da broca do que o diamante cristalizado.
anel de diamante negro
Anel com diamantes negros.

Não é para todos, e na joalheria ainda é pouco usado, mas nos últimos anos tem vindo a fincar mercado neste segmento sobretudo no mercado de jóias de alto luxo.

A origem do carbonado é polêmica.
Algumas hipóteses propostas são as seguintes:
  • Conversão direta de carbono orgânico sob condições de alta pressão no interior da Terra, a hipótese mais comum para a formação de diamante;

  • Metamorfismo de choque induzido por impacto meteorítico na superfície da Terra;

  • Formação de diamante induzida por radiação por fissão espontânea de urânio e tório;

  • Formação dentro de uma estrela gigante da geração anterior em nossa área, que há muito tempo explodiu em uma supernova;

  • Uma origem no espaço interestelar, devido ao impacto de um asteróide, em vez de ser lançado de dentro de uma estrela em explosão.

Origem extraterrestre
Apoiadores de uma origem extraterrestre de carbonados, como Stephen Haggerty, um geocientista da Florida International University, propõem que sua fonte material foi uma supernova que ocorreu pelo menos 3,8 bilhões de anos atrás.

Depois de coalescer e vagar pelo espaço sideral por cerca de um bilhão e meio de anos, uma grande massa caiu na Terra como um meteorito há aproximadamente 2,3 bilhões de anos, possivelmente se fragmentando durante a entrada na atmosfera terrestre e impactando em uma região que muito mais tarde se dividiria no Brasil e na República Centro-Africana, as únicas duas localizações conhecidas de depósitos de carbonado.

Propriedades incomuns
Os diamantes Carbonado são geralmente agregados porosos do tamanho de ervilhas ou maiores de muitos cristais pretos minúsculos. Os carbonados mais característicos foram encontrados apenas na República Centro-Africana e no Brasil, em nenhum dos lugares associados ao kimberlito, fonte das gemas de diamantes típicas. As análises de isótopos de chumbo foram interpretadas como documentando a cristalização de carbonados há cerca de 3 bilhões de anos. Os carbonados são encontrados em rochas sedimentares mais jovens.

Os grãos minerais incluídos nos diamantes foram estudados extensivamente em busca de pistas sobre a origem do diamante. Alguns diamantes típicos contêm inclusões de minerais comuns do manto, como piropo e forsterita, mas tais minerais do manto não foram observados no carbonado.

Em contraste, alguns carbonados contêm inclusões de minerais característicos da crosta terrestre: essas inclusões não estabelecem necessariamente a formação dos diamantes na crosta, porque embora essas inclusões crustais óbvias ocorram nos poros que são comuns nos carbonados, elas podem foram introduzidos após a formação do carbonado.

Inclusões de outros minerais, raros ou quase ausentes na crosta terrestre, são encontradas pelo menos parcialmente incorporadas no diamante, não apenas nos poros: entre esses outros minerais estão aqueles com composições de Si, SiC e Fe-Ni. Nenhum mineral distinto de alta pressão, incluindo o polimorfo hexagonal de carbono, lonsdaleita, foi encontrado como inclusões em carbonados, embora tais inclusões possam ser esperadas se carbonados forem formados pelo impacto de meteorito.

Os diamantes negros são diferentes de outras rochas coloridas porque não obtêm sua sombra de impurezas químicas, como nitrogênio, hidrogênio ou boro. Em vez disso, os diamantes negros devem sua cor a numerosas inclusões escuras (principalmente grafite), e sua opacidade é causada por uma estrutura “policristalina” que inibe a reflexão da luz.

Identificação de diamante negro carbonado
Diamantes negros, carbonados
Cor: normalmente preta, pode ser cinza, vários tons de verde e marrom às vezes mosqueado.
Hábito: cristalino policristalino
Fratura: Superfícies rasgadas irregulares
Dureza: 10 na escala de Mohs
Lustre: Adamantino
Raia (traço): branco
Gravidade específica: 3,52 ± 0,01
Densidade: 3,5-3,53 g/cm3


Fontes:

Ouro, um silêncio necessário

Silêncio que vale ouro
Fique quieto sobre suas descobertas de ouro, ou você provavelmente irá se arrepender.
Um silêncio que vale ouro e é precioso
Não conte a ninguém sobre suas descobertas de ouro até terminar de prospectar o local!

Vamos lembrar de algumas histórias diferentes sobre alguns garimpeiros que se arrependeram de compartilhar suas descobertas.
Falar na mesa de bar ou compartilhar demais na Internet custou a eles um bom lugar para continuarem a achar mais e mais ouro sozinhos, e eles perderam muito ouro por causa disso.

Ouro faz coisas estranhas para as pessoas
Portanto, provavelmente não é nenhuma surpresa para você que o ouro pode valer algum dinheiro.
E o dinheiro faz coisas engraçadas com as pessoas.
OURO, um silêncio necessário
O dinheiro pode trazer à tona o que há de pior em algumas pessoas, mas há algo sobre o ouro em particular que as pessoas fazem algo às pessoas ...
Acho que grande parte disso é ciúme e ganância.

Encontrar ouro é um trabalho árduo, e geralmente as pessoas que trabalham mais duro na prospecção encontrarão mais ouro. É muito raro alguém encontrar uma pepita de ouro por "sorte". Sim, suponho que qualquer um pode ter sorte e encontrar uma pepita, mas para encontrar ouro de forma consistente leva anos de conhecimento e habilidade suada.

No entanto, com certeza como é que algumas pessoas reagem ao ver o sucesso de outras?
Ciúme, ganância ou outra coisa.

Tentando descobrir os segredos de outros de garimpeiros
Eu posso te garantir uma coisa... se você postar uma grande quantidade de ouro ou pedras que são preciosas em um dos muitos grupos de ouro na Internet, haverá pessoas lá que vão tentar descobrir onde você está garimpando.
E pode apostar, eles irão fazer de quase tudo para descobrir onde você está garimpando e vão tentar roubar seu local e subsequente, seu ouro.

Agora, talvez isso não seja uma preocupação para todos. Se você está garimpando uma área conhecida e “martelada” que todos já conhecem, talvez não seja uma grande preocupação para você. No entanto, se você encontrou um local de pepitas desconhecido e está encontrando muito ouro, eu realmente o encorajo a não contar a ninguém até que você tenha trabalhado completamente a área.

Como compartilhar descobertas nos grupos do Facebook
Agora não me entenda mal. Eu gosto dos fóruns de ouro e grupo de minerais e ouro no Facebook, e os frequento regularmente.
Aliás, OFICINA70 tem um grupo sobre isto.
Eu faço alguns posts e até compartilho algumas fotos de vez em quando, assim como algumas pessoas no grupo. Não me importo em fazer isso e gosto de deixar que outras pessoas compartilhem.
Há muitas pessoas legais nos grupos e eu gosto de ver achados de outras pessoas também. Ver novas descobertas de ouro e pedras preciosas é divertido e dá a todos um pouco de motivação para sair e ir caçar.

Acho que a maioria das pessoas são respeitosas o suficiente para não tentar rastreá-lo e descobrir onde você está caçando, mas é um mundo grande e cheio de todos os tipos de pessoas e é algo de que não duvido.
Tenho certeza de que pelo menos algumas pessoas adorariam descobrir para onde você está indo, esgueirar-se para a área durante a cobertura da escuridão e começar a prospectar seu local.

Silêncio que vale ouro
ouro, um silêncio que vale ouro e é precioso
Posso pensar em alguém que realmente se arrepende de compartilhar suas descobertas e um bom exemplo foi o Garimpo de Pontes e Lacerda no Mato Grosso, em que o início se deu pelo proprietário da fazenda, em que está localizada. Para começar a extração do metal, o fazendeiro precisou contratar garimpeiros, daí a notícia se espalhou pela região e foi no que deu, e a notícia se espalhou não só na região mas pelo Brasil inteiro e o local virou uma Nova Serra Pelada.

Veja este exemplo:
Um garimpeiro que estava detectando num local e encontrando pepitas de ouro incríveis.
O local em que estava trabalhando claramente nunca havia sido explorado nos tempos modernos, pois havia grandes pepitas de ouro muito perto da superfície. Provavelmente qualquer pessoa com um detector de metais poderia tê-los encontrado.
Ele postava pepitas periodicamente à medida que as encontrava. A cada dois dias, ele exibia um punhado de pepitas recém-escavadas.
Outras pessoas nos fóruns já o tinham visto em campo antes. Eles sabiam que tipo de veículo ele dirigia. Ele era um membro conhecido de detectoristas local.
Um dia, alguns outros garimpeiros cruzaram com seu veículo estacionado no campo. Eles descobriram exatamente onde ele estava caçando.
Nas semanas seguintes, essas pessoas viriam a caçar no mesmo local durante os dias de semana, quando o detectorista localizador original não estava lá. Eles varreram a área com seus detectores e encontraram muito ouro.
Na verdade, eles encontraram quase meio kilo de pepitas de ouro em questão de semanas usando seus detectores de metais.
Se o descobridor original não tivesse compartilhado suas descobertas em um grupo público, ninguém saberia que ele estava encontrando tanto ouro, e ele o teria todo para si.

Em vez disso, ele basicamente “dividiu” seu lugar com outra pessoa e perdeu MUITO ouro por causa disso.

O Bom, o Mau e o Vilão
Nem sempre conseguimos distinguir o bom, o mal ou o vilão.
(a menos que tenha assistido umas duas vezes o filme)
O Bom, o Mau e o Vilão
Eu pessoalmente não faria o que essas pessoas fizeram (no exemplo acima, por ética), mas legalmente eles tinham todo o direito de fazer. Esses pedaços de pepitas estavam em terras públicas não reclamadas, e o ouro ali estava livre para ser levado.

Suponho que, em retrospectiva, o descobridor original poderia ter reivindicado a área, mas não se sabe se isso impediria ou não um detectorista novato de caçar na área. Na verdade, fazer isso pode chamar a atenção para uma área. A maioria dos detectores de ouro nunca fazem reivindicações de mineração e simplesmente caçam seus pontos em silêncio e recolhem suas pepitas.

Eu estaria disposto a apostar que existem pessoas sem escrúpulos que podem até esperar do lado de fora da casa de um bom detectorista e segui-los. Caramba, nestes dias de tecnologia, não seria muito difícil colocar um rastreador GPS portátil no veículo de alguém e descobrir onde eles estão prospectando ou detectando.
É estranho pensar sobre isto, mas existem personagens por aí que eu não duvidaria que fizessem isto.

Conselho de OURO:
fique quieto sobre suas descobertas de ouro ou pedras preciosas.


Sobre a Febre do Ouro no Brasil:

Fonte:

Teste da Lonsdaleita vs bola de alumina

Teste de Lonsdaleíta
(lonsdaleite test)
Teste da Lonsdaleita vs bola de alumina
Amostra analisada pelo Laboratório GIG em junho de 2020 e vendida como Lonsdaleite Diamond

Testar Lonsdaleíta
O Laboratório GIG-Gulf Institute of Gemology, recebeu de um cliente uma esfera quase redonda polida, branca e opaca, pesando cerca de 100 ct, para análise.
Mantendo a ética, o laboratório e a equipe nada perguntaram sobre o histórico da amostra antes do término dos testes realizados para identificar o material.
A equipe do laboratório realizou várias análises na amostra, desde as observações padrão, que podem ser observados na tabela 1 abaixo, até aplicações de mais alta tecnologia.
testar Lonsdaleita e bola de alta alumina

Particularmente, através do microscópio óptico, foi observado um conglomerado de estrutura de grãos muito pequenos.
Além disso, o cordão apresentou fluorescência incomum no teste da lâmpada de madeira (wood lamp, também é conhecido como teste de luz negra ou teste de luz ultravioleta): amarelo irregular com intensidade média nas ondas longas (365 nm) e azul farináceo médio nas ondas curtas (254 nm).
O teste da gravidade específica resultou em 3,53.
A composição química foi avaliada pelo ED-XRF e a distribuição relativa dos elementos é relatada na tabela 2 abaixo.
A alta concentração de Alumínio deve ser observada.
teste de Lonsdaleita e bola de alta alumina

As informações químicas foram integradas por análise micro-Raman. Esta técnica revela-se particularmente útil para identificar fases minerais, sem qualquer preparação de amostra. Graças ao microscópio óptico acoplado ao espectrofotômetro Raman, a fonte do instrumento foi focada em diferentes pontos da superfície da amostra e um espectro como o relatado na figura abaixo foi realizado.
teste de espectrofotômetro Raman
As bandas em 418 e 380 cm sem qualquer preparação de amostra.
Espectro Raman adquirido pelo espectrofotômetro Renishaw InVia, focando a fonte do laser do instrumento (514,5 nm) na superfície da amostra, na faixa entre 150 e 1800 cm-1.
espectrofotômetro Renishaw InVia
Espectrofotômetro Renishaw InVia

As bandas em 418 e 380 cm-1 observadas no espectro Raman são consistentes com aquelas relatadas para a fase mineral Coríndon.

Resultado final e conclusivo do laboratório gemológico:
Cruzando todos os dados adquiridos pelo laboratório, o diagnóstico final para a amostra resultou consistente com composto cerâmico de alumina.

Contacto com o cliente:
“Bola de alumina” ou “diamante Lonsdaleíta”?
teste de Lonsdaleita e bola de alta alumina
Para um laboratório gemológico, um dos momentos mais tristes é quando um material falsificado deve ser revelado ao cliente, principalmente se o laboratório for consultado para o serviço de laudo após a conclusão das transações e a compra do objeto.
A amostra do caso apresentada acima foi comprada como “diamante Lonsdaleita”.
Após esta descoberta, a equipe GIG (Gulf Institute of Gemology), decidiu examinar mais profundamente sobre a presença de Lonsdaleita no comércio de joias na região do Golfo. Pelo que sabemos, o número de amostras de lonsdaleíta, ou presumivelmente, não é muito alto, mas todas têm o mesmo aspecto: esfera branca redonda e quase redonda.
O que é particularmente interessante é a difusão online de vídeos que descrevem essas esferas como “diamantes lonsdaleíta”, “diamantes estrelas” ou “diamantes hexagonais”, suas características fascinantes e, em alguns casos, como distinguir entre “bolas de lonsdaleíta” e “bolas de alumina ”, usando sistemas do
 faça-você-mesmo (DIY).
Na verdade, a lonsdaleíta é uma fase extremamente rara, enquanto “bolas de alumina” são materiais muito comuns e relativamente baratos, sintetizados para fins industriais.

Portanto, a questão conseqüente é: pode a Lonsdaleita aparecer como uma esfera branca? Até onde sabemos, nenhuma referência científica de revisão por pares relata uma descrição de lonsdaleita consistente com uma esfera branca!

Esperamos ter o ajudado e esclarecido este assunto tão mau difundido na WEB.

Saiba mais sobre a Lonsdaleíta:

Esferas de alta alumina:

Lonsdaleita, saiba o porque de toda esta confusão:


Fontes: