Mostrar mensagens com a etiqueta Gemstones. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Gemstones. Mostrar todas as mensagens

Gemstones found in UK

Gemstones in the UK
The United Kingdom is a densely populated country that encompasses a small area of approximately 243,000 square kilometers. The UK includes England, Scotland, Northern Ireland and Wales.
Gemstones found in UK
The most of the gemstone materials of the UK have been found in Scotland. In fact, even a diamond was found in Northern Scotland in the 1870s by Scottish mineralogist, Professor M F Heddle. Other gemstone materials that have been discovered in Scotland include sapphire that was found on the Isle of Harris, but a protection order prohibits its removal. Small amounts of ruby and beryl (including aquamarine) have also been found in Scotland. There is a place in Fife known as "Ruby Bay", but it is garnet, rather than ruby that is found here. Larger amounts of "blue hole agate", amethyst and smoky quartz were also found in Scotland, and some red and yellow jasper. Zircon has also been found in Scotland.

Before the Scottish diamond was found, in 1816 1813, a diamond was discovered in the Colebrooke River of County Fermanagh, Northern Ireland. Many years later, in 1996, a Canadian company investigated areas of County Tyrone and County Fermanagh. Their exploration suggested that there may be untapped potential. Gemstone quality ruby, sapphire, aquamarine, opal, hematite, calcite and quartz have also been discovered in Northern Ireland. County Tyrone in Northern Ireland is also home to one of the UK's last remaining gold mines.

Wales has also been known as an important source of gold, rather than gemstones in the UK, especially in Roman Britain. Dolaucothi is the first such Roman gold mine that is now a museum. Welsh gold is highly sought after and is the material of choice for gold wedding bands worn by the British Royal Family. With regard to gemstones, quartz, but not many other well-known gemstone materials have been found in areas of Wales.

With regard to England, several gemstone materials have been found. In the North of England, on the Isle of Man and also on the north-eastern coast of England, agate has been found. Also found on the east coast, especially in Whitby, Yorkshire, is jet, which was popular in the 19th century when mourning jewelry was fashionable. Jet is made of fossilized wood and is no longer popular since other black gems have superior gem qualities such as durability. Further down the east coast of England and in the Isle of Wight in the south, amber has been found. Some of this has a rich color that was caused by forest fires in the Cretaceous period, it is sometimes known as "Hastings firestorm amber".

The middle of England is most famous for fluorite. The best-known source for fluorite is Derbyshire, the source of highly regarded "blue John" fluorite, which occurs in purple to blue and yellow to white bands. This is also known as "Derbyshire Spar" or "Derbyshire Blue John". This fluorite was popular during the 1800s when it was sent all over the world.

The two south-western counties known as Devon and Cornwall have seen some interesting gemstone discoveries, such as topaz, tourmaline, beryl, fluorite and amethyst. Cassiterite, which is tin ore, was also mined from this area and is said to have been mined since the Bronze Age. Other metals such as silver and copper were mined here too.

Although the UK is a small place, some unique and interesting materials have been unearthed from its mountains, valleys and shores. Perhaps there are more hidden treasures in the UK, just waiting to be discovered.

Gemstones found in UK:

Agate
Gemstones found in UK
Although found all over the world and in many different types, agate is also easily found in the UK, particularly off the coast of Cornwall and northern Scotland.
Reminiscent of Scottish wild lakes and the high rugged mountains of Scotland. Much of Scottish agate was formed by volcanic eruptions, with the yolk forming within the silica-rich gas bubbles of the cooling lava.
The most well-known places to find authentic Scottish Agate is the Blue Hole in the Usan and Lunan Bay.

Amber
Gemstones found in UK
One of the most revered gemstones, Amber, specifically Baltic Amber can be found on the “Amber Coast” of Norfolk and Suffolk, between Felixstowe and Southwold. Little globules of orange, Baltic Amber is sought after for both its rarity and its healing properties. 
Amber is actually fossilised tree sap, which would have been trapped within the ancient Baltic forest (now all underwater in the Baltic sea). Melting glaciers from the last ice age bring these little gems to the surface, which is why they make their way to our shores. 
What is incredibly fascinating is that Amber can even have fossilised critters inside, which is very illuminating as to what kind of species lived millions of years ago. 
Baltic Amber
They say that the best time to go searching for Amber is after a storm, as rough seas shake up the seabed and mover the amber towards the shore. However, the bright and fiery glow that we associate with Amber is actually when the stone is polished. Rough amber is actually a dark rusty brown colour, which is why it can be easily overlooked.

Blue John Fluorite
Gemstones found in UK
Another popular gemstone found in the uk, Blue John Fluorite is native to the Blue John Cavern in Derbyshire. So much so that it is also known as Derbyshire Spar! This type of mineral is distinguishable by its bands of blue and yellow, and it is one of the few gemstones that can ONLY be found in the UK! 
It remains one of the few gemstones found in the UK, and it is still mined on a small scale today.

Cairngorm Quartz
Gemstones found in UK
Another native Scottish gemstone, Cairngorm Quartz is a variety of smokey Quartz exclusively found in the Cairngorm mountains of Scotland. A very desirable variety of Quartz, Cairngorm Quartz is actually considered to be Scotland’s national gem.
This type of Quartz gem is noticeable for its signature slightly yellow colour, due to a small mount of ferric oxide within its structure. ‘Invercauld cairngorm’, is a variety crystal of smoky quartz. Cairngorm Quartz was widely used in Scottish and English jewellery, embellishing weapons, kilt pins, necklaces, earrings and brooches. For some time, Cairngorm Quartz was known as the Scottish Topaz, a testament to its rarity and signature nature.
These miners of Cairngorm would sometimes discover other precious gemstones such as beryl and topaz.
The largest known cairngorm crystal is a 23.6 kg (52 lb) specimen kept at Braemar Castle.

About The Cairngorms
The Cairngorms are the most extensive area of high mountain terrain in Britain. The area has given its name to gem quality smoky quartz, and has also produced spectacular specimens of beryl and topaz.
The Cairngorm Granite lies at the heart of our story. This tough igneous rock is highly resistant to erosion and forms the dissected highland plateau which is the Cairngorms. The distinctive shape of the mountains owes its appearance to the properties and distribution of this rock, and the minerals which occur in it are directly related to its geological origin and history. Within the granite occur cavities, and veins or pockets of pegmatite which contain the gem minerals. These are yellow, smoky or dark cairngorm quartz; yellow-green or blue beryl; and colourless to pale blue topaz.

Jet
Whitby Jet
Jet was one of the most sought after materials in the 19th century for Victorian mourning jewellery. Specifically, Whitby Jet. Similarly to Amber, Jet is actually fossilised tree wood that is washed up on the shores of Whitby in England.
Formed into a coal-like structure from millions of years of pressure, Jet’s inherently dark colour has etymologically earned itself the originating influence behind “jet black”. The Jet found in Whitby formed over 181 million years ago during the Early Jurassic period. Whilst it's still incredibly rare to find today, W.Hammond, a jeweller in Whitby, is completely devoted to creating true Whitby Jet jewellery today. Whitby beach in Yorkshire is world famous for its jet which was popular in Queen Victoria’s reign. True Victorian Whitby Jet is even rarer to come by, and it is very expensive.

Bristol Diamonds
Bristol Diamonds
Whilst there are a few regional varieties of gemstones, have you ever heard of Bristol Diamonds? Not to be confused with the glittering highly prized precious gemstone, “Bristol Diamonds” are actually a type of Quartz that is found in the Avon Gorge caves. These Quartz gems were sought after as a novelty gemstone in the 18th and 19th century, as many persons visited the Hotwells spa (marketed to have rivalled the towns of Bath and Cheltenham). 

The “Bristol Diamonds” as they were colloqually known in the 18th and 19th century were actually called Diamonds in the 1586 Topographical survey by William Camden. In fact, he described them as the following: “for in bright and transparent colour, they match the Indian Diaments, if they passe them not; in hardness onely they are inferior to them.”

But what about real diamonds, have they ever been found in England?

Diamond
Yes that’s right even diamond has been found in the United Kingdom, admittedly only a very very small amount. In 1813 ‘The Brookeborough’ diamond was discovered in a stream in Co Fermanagh.
In the 1870s teacher M. F. Heddle of St Andrews University discovered a small diamond 5km north of Ben Hope in Scotland.

Recently, some mining companies are carrying out studies and prospecting of samples to see if it is feasible to extract diamonds in England.
See who these companies are in the links at the end of this article.

Other minerals found in England
There include rare and common minerals such as chalcocite, arsenopyrite, calcite, apatite, liroconite, wavellite, botallackite, cerussite, hematite, barite, boracite, pyromorphite, pyrrhotite, scheelite, linarite, mimetite, turquoise, copper, witherite, chalcocite, galena, and others.
See more Mineral and gemstones in UK:


Welsh Gold
Although not officially a gemstone, we couldn’t NOT include Welsh Gold in this list of gemstones found in the UK. Welsh Gold is one of the rarest and most sought after types of Gold in the world. Not to mention, it is a type of Gold that many of the Royal Families engagement and wedding rings have been crafted from, including Queen Elizabeth II, Princess Diana, Kate Middleton and Meghan Markle.
Welsh Gold is the first known mined Gold in the UK, dating back to the Bronze Age in Dolau Cothin Wales. Welsh Gold was in regular use until 1938, today only surviving in small increments with a small yield. For instance, in the late 1990s it would cost over £1000 an ounce to extract, and the value of Welsh Gold today is estimated to be up to 30,000 times more than standard Gold. You can still pan for gold in the nearby river Cothi.

Where to find and mine for gold in England:


Free E-BOOK about England's minerals
For more information about minerals from England, you can read the free e-book covering the Lindsay Greenbank Collection of Classic Minerals of Northern England.

The Lindsay Greenbank Collection Book CoverWhile many Americans are unfamiliar with these British mineral localities, the Lindsay Greenbank Collection contains many of the world's finest mineral specimens from Northern England. These mineral localities remained somewhat mysterious to collectors until this Mineralogical Record supplement was published after a year and a half of work. In addition to 40 locality photos, maps, crystal drawings, and old historic specimen labels, over 100 superb mineral specimens are printed in full color. Lindsay Greenbank's Mineralogical Record biography is available HERE.

England's minerals for sale by ArkenStone:


Sources:


Diamond in UK:

Vietnam, Gold and Gemstones

Đá quý và vàng ở Việt Nam
Vietnam, Gold and Gemstones
Aquamarine thô từ mỏ Thạch Khoán.
Aquamarine thô từ mỏ Thạch Khoán.

Khai thác đá quý ở Việt Nam đã có sự tăng trưởng ấn tượng trong những năm gần đây. Tuy nhiên, đá quý được phát hiện ở đây vào năm 1987, thuộc vùng Lục Yên, tỉnh Yên Bái. So với nhiều liên doanh khai thác trên thế giới, việc phát hiện ra những viên đá quý giá trị ở Việt Nam còn chậm hơn nhiều thế kỷ. Hiện nay có rất nhiều loại trang sức có sẵn trong nước.

Ruby, sapphire và spinel là những loại có giá trị nhất. Người ta cũng thường tìm thấy đồ trang sức tại các chợ mở ở thành phố trong khu vực và các vùng khác của Việt Nam.

Nếu bạn muốn tìm hiểu thêm về việc khai thác đá quý ở Việt Nam, chúng tôi có thông tin chi tiết đáng kinh ngạc dưới đây.

Việc khai thác đá quý ở Việt Nam được thực hiện tại thành phố Lục Yên, phía đông bắc của đất nước. Thành phố tương đối nông thôn và hầu hết được bao phủ bởi rừng rậm và thung lũng. Những khám phá đầu tiên về đá quý có giá trị cao được thực hiện vào năm 1987.
Tourmaline thô từ trầm tích Lục Yên.
Tourmaline thô từ trầm tích Lục Yên.

Một năm sau, hoạt động khai thác đá quý bắt đầu sôi động với việc thành lập Công ty Đá quý Việt Nam, một cơ quan chính phủ chịu trách nhiệm phát triển ngành công nghiệp đá quý địa phương.

Trong một năm thăm dò, hơn 500 pound hồng ngọc chất lượng đá quý đã được khai thác từ khu vực này. Hầu hết các loại đá quý chủ yếu được bán ở nước láng giềng Thái Lan.

Mặc dù có nguồn đá quý phong phú nhưng nhiều chuyên gia cho rằng ngành khai thác đá quý Việt Nam vẫn chưa phát huy hết tiềm năng. Đơn giản là có quá nhiều thách thức.

Ví dụ, hầu hết việc khai thác ngày nay được thực hiện bởi các nhóm nhỏ nông dân địa phương sử dụng các công cụ rất thô sơ. Do đó, họ rất khó tham gia vào các hoạt động khai thác thương mại quy mô lớn vốn thường dẫn đến lợi nhuận lớn.

Một điều đáng lưu ý nữa là Lục Yên tuy có nhiều đá quý nhưng vẫn là một thị trấn thuần nông. Vì lý do này, hầu hết đất đai ở đó, một số được bao phủ bởi đá quý, được sử dụng để trồng lúa và các loại hoa màu khác.
Đá ruby thô từ mỏ Quỳ Châu.
Đá ruby thô từ mỏ Quỳ Châu.

Chúng ta cũng biết rằng hầu hết các thiết bị được sử dụng trong khai thác đá quý cũng được sử dụng trong sản xuất nông nghiệp. Điều này có nghĩa là trong các chu kỳ nông nghiệp điển hình, có thể không có đủ dụng cụ để loại bỏ chồi khỏi mặt đất.

Về bản chất, khai thác đá quý ở đây ít nhiều là một hoạt động kinh tế mà bạn nghĩ đến và như vậy không quan trọng bằng nông nghiệp.

Đá quý việt nam
Việt Nam có khoảng 186 loại khoáng sản được xếp vào danh mục, bao gồm khoáng sản, đá quý và kim loại quý hiếm như vàng. Trong danh sách dưới đây là những cái chính.
Map of Vietnam showing the location of gemstone occurrences
Bản đồ Việt Nam hiển thị vị trí xuất hiện đá quý.

Nghiên cứu địa chất Việt Nam đã chỉ ra tiềm năng cao về đá quý ở Việt Nam và trong thập kỷ qua đã tìm thấy một số mỏ đá quý, đặc biệt là ruby ​​và sapphire. Ở miền Bắc Việt Nam, đá quý corundum được tìm thấy ở các khu vực Lục Yên, Yên Bái và Quỳ Châu, trong các mỏ nguyên sinh chứa các đá biến chất và trong các chất tạo thạch. Trong trầm tích thứ cấp, ruby ​​và sapphire được kết hợp với đá quý, spinel và ngọc hồng lựu. Ở miền nam Việt Nam, ngọc bích có liên quan đến đá bazan kiềm, ngọc bích màu xanh lam có giá trị kinh tế. Ngọc bích được phục hồi bằng zircons và đá quý peridot trong miếng đệm lót. Aquamarine, beryl, topaz, tinh thể thạch anh (thạch anh tím, citrine, morion), tektite, fluorit, opal, chalcedony, jadeite, nephrite và amazonit là những loại đá quý khác được khai thác ở Việt Nam. Hồng ngọc, ngọc bích và ngọc trai cung cấp thương mại quan trọng cho thị trường đá quý ở Việt Nam và các nước khác.

Đá quý khác
Thạch anh là một trong những loại khoáng vật phong phú và phân bố rộng rãi ở Việt Nam. Các loại bao gồm tinh thể đá, thạch anh tím và thạch anh hồng. Tinh thể đá và thạch anh ám khói được tìm thấy trong pegmatit ở Xuân Lễ (Thanh Hóa), ​​Kỳ Sơn (Nghệ An), Thạch Khoán (Vĩnh Phú). Thạch anh tím với màu tím hấp dẫn, độ trong suốt cao được tìm thấy nhiều ở Đơn Dương (tỉnh Lạng Sơn) và Chư Bộc (tỉnh Gia Lai). Thạch anh hồng được tìm thấy ở Đà Nẵng, morion ở Lộc Tấn (Lâm Đồng).

Jadeite và nephrite được tìm thấy ở Cổ Phương (tỉnh Sơn La). Nó có màu xanh lục và chỉ được sử dụng để chạm khắc các sản phẩm mỹ nghệ. Mã não được tìm thấy ở Lộc Ninh (tỉnh Tây Ninh) và được dùng làm dây chuyền. Fluorit phân bố nhiều ở Đông Pao (tỉnh Lai Châu) và Xuân Lãnh (tỉnh Phú Yên). Amazonit màu xanh lục được tìm thấy trong pegmatit syenit ở An Phú (huyện Lục Yên) và ở Thạch Khoán (tỉnh Vĩnh Phú). Tuy nhiên, amazonit chỉ xuất hiện ở dạng tinh thể mờ đục chỉ được sử dụng để chạm khắc.

Vàng việt nam
Đối với Vàng ở Việt Nam, nó chủ yếu gắn liền với thạch anh như bạn có thể thấy trong các bức ảnh dưới đây.
Vàng việt nam

Bac Kan Province
Kon Tum Province

Lâm Đồng Province
Đức Trọng District

Lạng Sơn Province
Binh Gia District

Lào Cai Province
Bat Xat District

Nghệ An Province
Tương Dương District
Vàng việt nam
Quảng Nam Province
Phú Ninh District
Phước Sơn District

Thái Nguyên Province
Dong Hy District

Tuyên Quang Province
Lang Vai mining district


Nguồn nghiên cứu:

Topázio, informações e curiosidades

Como o Topázio é formado
topaz colours by geologyin
Cores de topázios, por GeologyIn.

O topázio é formado por processos pneumatolíticos; ou seja, aqueles em que a ação dos gases quentes desempenha um papel importante. Normalmente, é encontrado como um constituinte de diques pegmatitos, onde, como indicado pelas descrições dadas anteriormente, os cristais freqüentemente atingem grandes dimensões. Também ocorre em cavidades em rochas altamente ácidas, como o riolito, e em gnaisses e xistos. Por causa de sua dureza e durabilidade relativa, é um constituinte comum em cascalhos de gemas.

O topázio é um dos materiais formados posteriormente no resfriamento de uma massa ígnea rica em sílica. Os constituintes mais voláteis deixados e concentrados pela deposição dos materiais que cristalizam cedo podem atuar nos materiais já cristalizados ou na rocha circundante. Produtos de ação pneumatolítica, além do topázio, incluem cassiterita (óxido de estanho), turmalina e apatita. Um dos constituintes importantes do topázio é o flúor, que é parcialmente substituído em alguns casos pelo íon hidroxila (OH). Tanto o flúor quanto o OH estão entre os materiais voláteis concentrados pela cristalização de outros componentes de um magma rico em sílica. É provável que o teor de flúor do topázio seja responsável por seu índice de refração (R.I.) bastante baixo em relação à sua gravidade específica (S.G). A maioria dos minerais de flúor tem índice de refração relativamente baixo.
amazing topaz for colector
Peça de Topázio na matriz, ideal para colecionadores.
Então, resumindo, quando a lava derretida ou magma esfria e se solidifica, torna-se rocha ígnea. Dentro desta substância sólida, que com o tempo evoluiu para granito, pegmatito, basalto e muitos outros tipos de rocha, encontram-se cavidades e fissuras. É nessas fissuras que a atividade térmica forma cristais, acrescente os minerais fluorita, cassiterita e alguns milhões de anos e você tem o topázio.

Fontes de Topázio
Embora o topázio esteja longe de ser comum em tamanhos adequados para o uso de gemas, é um mineral de ampla ocorrência. Pode ser encontrada em outras qualidades que não a de gema em muitos países e em muitos tipos de depósitos. Na maioria das áreas nas quais o topázio é extraído como gema, ele é um subproduto da mineração de outras gemas ou, pelo menos, não é o único material procurado na operação de mineração. É um dos muitos minerais de qualidade encontrados nos cascalhos de pedras preciosas do Ceilão e na área de Mogok, na Birmânia. Nessas duas áreas ricas em gemas, é extraído como subproduto em busca de rubi e safira.
brazilian imperial topaz
Já nas ricas fontes de gemas que são os diques pegmatitos do Brasil, o topázio também é extraído; aqui, porém, é um dos alvos da exploração dos garimpeiros das minas junto com o berilo. Esses mesmos pegmatitos são freqüentemente explorados em busca de riquezas minerais como tungstênio, columbium e tântalo. Berílio e lítio são outros metais que podem ser procurados pelos mineiros. Em depósitos em que o topázio se dissemina em cavidades de uma rocha como o riolito, ele é minerado explodindo a rocha e procurando as cavidades nos pedaços quebrados pela explosão. Há momentos em que isso tende a fraturar ou clivar o topázio, mas normalmente são obtidas peças livres de clivagem suficientes para fazer esse processo valer a pena, se manuseadas com cuidado.

A fonte de topázio mais importante do dique pegmatito é em Minas Gerais no Brasil.
O Brasil produz pedras de topázio de qualidade gemológica que vão do amarelo ao xerez escuro, passando pelo rosa, azul, verde claro e incolor. O Topázio Imperial, um topázio de um amarelo intenso é a variedade mais preciosa e apreciada.
O topázio azul, verde e incolor vem do Ceilão. Em geral, o material do Ceilão não é uma cor muito profunda. Azul fino, foram encontradas nos montes Urais da Rússia, mas, é claro, esta não é uma fonte com qualquer significado comercial hoje.

Cores dos Topázio
rough blue topaz
A cor natural mais comum para o topázio é o amarelo pálido ou marrom; na verdade, tradicionalmente quase todas as gemas amareladas eram conhecidas como topázio, mas ocasionalmente eram encontrados cristais rosa, laranja, vermelho, roxo ou azul.

As cores mais raras e, portanto, mais caras do topázio variam do amarelo dourado ao rosa-laranja e são conhecidas como Topázio Imperial ou às vezes Topázio Precioso.
O termo “topázio precioso” refere-se a pedras com uma cor laranja intensa de amarelo a médio, pêssego.

O topázio de cor azul natural é extremamente raro na natureza, quase todo o topázio azul vendido no mundo é o resultado de irradiação e depois tratamento térmico, veja abaixo.

O topázio é alocromático, o que significa que sua cor é causada por impurezas ou defeitos em sua estrutura cristalina, e não por um elemento de um elemento como ferro ou cromo.

Países produtores de topázio e cores específicas de acordo com os locais conhecidos por sua origem.
topázio incolor de Mozambique
Topázio amarelo: Brasil, Alemanha e Sri Lanka
Topázio azul: Brasil, Rússia, Austrália e U.S.A.
Topázio rosa: Rússia, Paquistão e Mianmar
Sherry topázio: México, Rússia e U.S.A.
Topázio incolor: Brasil, Austrália, Moçambique, México e U.S.A.

Topázio sintéticos e termos enganosos
As variedades de topázio sintéticos ou alterados por meio de radiação e aquecimento geralmente se referem apenas à sua cor e é um nome comercial inventado por comerciantes de joias, sendo os mais comuns Azul Suíço e Azul Londres. Menos conhecidos são o Topázio Sherry que, como o nome sugere, vem em cores marrons mel, Topázio Azótico e Topázio Místico (CVD) com seus efeitos de arco-íris revestidos (topázio fancy) produzidos artificialmente e Topázio Prateado e Topázio Branco, ambas formas incolores.
Os Topázio místico (arco-íris) e prateados recebem um tratamento de revestimento e esse revestimento pode ser riscado. O revestimento encontra-se na parte de trás da pedra lapidada (denominada pavilhão), por isso sugerimos uma configuração de pavilhão fechado para proteger esta área do desgaste diário ou riscos.
Ao longo dos anos, alguns negociantes astutos usaram termos enganosos para tipos de topázio que são cristais totalmente diferentes, Topázio Bahia, Topázio Ouro, Topázio Madeira são todos tipos de gemas citrinas e quartzos fumê, enquanto Topázio Indiano e Topázio Rei são safiras de qualidade inferior.

O valioso Topázio Imperial geralmente não é tratado, embora algumas pedras com um tom rosa possam ser aquecidas para realçar a vivacidade do rosa.

Propriedades do Topázio e testes
A composição química do tapázio é um fluossilicato de alumínio, expresso pela fórmula Al2 (F, OH) 2SiO4.
O hábito é prismático, e freqüentemente com terminações piramidais.
Topázio tem uma dureza de 8 na Escala Mohs, logo abaixo das safiras e rubis, porém uma queda em uma superfície dura, ou mesmo golpes leves, podem danificar gravemente uma pedra.

Gravidade específica:
Existe uma correlação aproximada entre a cor e a densidade, sendo rosa: 3,50-3,53; amarelo: 3,51-3,54; incolor: 3,56-3,57; azul: 3,56-3,57.

A raia (traço) é branca.
As inclusões em topázios incluem normalmente planos de dois ou mais líquidos não miscíveis, cada um contendo uma bolha de gás. Inclusões de duas e três fases também foram observadas.

O índice de refração na pedra incolor, azul e verde é 1,609 a 1,617; já na amarela, marrom e vermelho é 1,629 a1,637.

Birrefringência: varia de acordo com a cor, 0,008 a 0,011.
Geralmente são transpartentes com um lustre vítreo.

Cores dos Topázio:
topazio
Azul: incolor e azul claro.
Amarelo: amarelo acastanhado, amarelo e amarelo alaranjado (imperial).
Castanho: castanho-amarelado e castanho.
Vermelho e rosa: vermelho claro e vermelho amarelado a amarelo.
Verde: verde azulado e verde claro.

Topázio na fluorescência UV (ultravioleta)
Incolor: nenhum a amarelo claro.
Vermelho: amarelo acastanhado fraco.
Amarelo: amarelo alaranjado fraco.
Azul: nenhum ou marrom.

Os efeitos causados por calor:
Embora o topázio seja infusível sob a tocha ou zarabatana do joalheiro, ele pode perder ou mudar totalmente de cor. O aquecimento ou resfriamento muito rápido causará rachaduras internas ou possivelmente clivagem.

Topázio quando esfregado ou aquecido, torna-se altamente elétrico.

Os efeitos causados pelos ácidos:
Ácidos afetam muito ligeiramente um topázio.
Lave suas pedras de topázio, sejam brutas ou lapidadas com água morna, detergente neutro e escava macia, depois as limpe com um pano macio. E como acontece com a maioria das pedras preciosas, limpadores ultrassônicos e vaporizadores não são recomendados.
Tanto as vibrações quanto o calor podem fazer com que essas gemas se partam.

Para a maioria das pedras de topázio, o desbotamento da cor não é comum. No entanto, o topázio em tons de amarelo a marrom pode ser mais suscetível. É melhor evitar que essas pedras fiquem no sol por muito tempo.

Teste e Identificação de Topázio
(clica AQUI ou no link a seguir)

Cristais muito grandes de Topázio
Como vimos acima, na natureza, os cristais de topázio podem aparecer em enormes tamanhos ininterruptos, alguns bem grandes e pesados.
largest imperial topaz from Brazil
Um enorme Topázio Imperial de Minas Gerais, Brasil

O "El-Dorado Topaz" é a maior pedra preciosa facetada do mundo e pesa incríveis 31.000 quilates. É uma gema de topázio amarelo lapidado em esmeralda que foi minerada no Brasil e pesava 37 kg antes do corte.
O Topázio de Marbella tem 8.225 quilates e habilmente cortado em forma oval, surpreendentemente puro e transparente, pode ser apreciado de perto em um museu em Madrid.

Fontes:

Pedras preciosas na Bíblia Sagrada

Gemas e minerais na Bíblia
Rochas, minerais, metais e gemas sempre desempenharam um papel importante na vida dos humanos.
Mesmo antes do início da história registrada, eles eram usados ​​como ferramentas e propósitos decorativos. Eles também desempenharam um papel importante na vida dos Filhos de Israel e nas lições ensinadas por escritores do Antigo e do Novo Testamento.
A seguir estão os destaques dessas referências bíblicas.

As 12 pedras preciosas na Bíblia
12 gemstones of the holy bible
Os hebreus obtiveram gemas do Oriente Médio, Índia e Egito. Na época do Êxodo, a Bíblia afirma que os israelitas levaram pedras preciosas com eles (Livro do Êxodo, 3: 22; 10: 35-36). Quando se estabeleceram na Terra de Israel, eles obtiveram pedras preciosas das caravanas mercantes que viajavam da Babilônia ou da Pérsia ao Egito, e das de Saba e Raamah a Tiro (Livro de Ezequiel, 27: 22). O rei Salomão até equipou uma frota que voltou de Ofir carregada de pedras preciosas (Livros dos Reis, 10: 11).

As gemas são mencionadas em conexão com a couraça do Sumo Sacerdote de Israel (Livro do Êxodo, 28: 17-20; 39: 10-13), o tesouro do Rei de Tiro (Livro de Ezequiel, 28: 13), e as fundações da Nova Jerusalém (Livro de Tobias, 13: 16-17, no texto grego, e mais completamente, Livro do Apocalipse, 21: 18-21).

As jóias da Nova Jerusalém
Apocalipse 21:18-21
  • vs18: E a construção do seu muro era de jaspe, e a cidade de ouro puro, semelhante a vidro puro.
  • vs19: E os fundamentos do muro da cidade estavam adornados de toda a pedra preciosa. O primeiro fundamento era jaspe; o segundo, safira; o terceiro, calcedônia; o quarto, esmeralda;
  • vs20: O quinto, sardônica; o sexto, sárdio; o sétimo, crisólito; o oitavo, berilo; o nono, topázio; o décimo, crisóprasio; o undécimo, jacinto; o duodécimo, ametista.
  • vs21: E as doze portas eram doze pérolas; cada uma das portas era uma pérola; e a praça da cidade de ouro puro, como vidro transparente.
As pedras das Doze Tribos de Israel
As doze pedras do peitoral e as duas pedras dos ornamentos dos ombros foram consideradas pelos judeus como as mais preciosas. Tanto o Livro de Ezequiel, 28: 13, e o Livro do Apocalipse, 21: 18-21, são padronizados segundo o modelo do racional e ainda aludem às Doze Tribos de Israel.
as 12 pedras preciosas na Bíblia Sagrada
as 12 pedras preciosas na Bíblia Sagrada

Na época da tradução da Septuaginta, as pedras às quais os nomes hebraicos se aplicam não podiam mais ser identificadas, e os tradutores usaram várias palavras gregas. Josefo afirmou que tinha visto as pedras reais. Os antigos não classificavam suas gemas analisando sua composição e formas cristalinas: os nomes eram dados de acordo com sua cor, uso ou país de origem. Portanto, pedras da mesma ou quase da mesma cor, mas de composição ou forma cristalina diferentes, têm nomes idênticos. Outro problema é a nomenclatura; nomes tendo mudado ao longo do tempo: assim, a antiga crisólita é topázio, safira é lazuli, etc. No entanto, sabemos que a maioria das pedras eram preciosas no Egito, Assíria e Babilônia.

Lista de pedras preciosas descritas na Bíblia
Uma série de pedras preciosas são mencionadas na Bíblia, particularmente no Antigo Testamento e no Livro do Apocalipse. Muito tem sido escrito sobre a identificação precisa dessas pedras, embora em grande parte especulativo.
Sept.=Septuaginta, e Vulg.=Vulgata

Ágata
Ágata, Heb. shbw; Sept. achates; Vulg. achates (Ex., xxviii, 19; xxxix, 12, em Heb. e Vulg.; também Ezech., xxviii, 13, en Sept.).
Esta é a segunda pedra da terceira linha do racional, onde provavelmente representava a tribo de Asher. A derivação etimológica da palavra hebraica não é clara, mas geralmente se reconhece que a pedra é a ágata. A derivação hebraica deriva shbw de shbb "à chama"; também pode estar relacionado a Saba (shba). As caravanas trouxeram a pedra para a Palestina. Os nomes gregos e latinos são retirados do rio Achates (o moderno Dirillo), na Sicília, onde esta pedra foi encontrada pela primeira vez (Teofrasto , " De lapid .", 38; Plínio , "Hist. Nat.", XXXVII, liv).

Ametista
Ametista, Heb. ahlmh; Sept. amethystos, também Apoc., Xxi, 20.
Esta é a décima segunda e última pedra da fundação da Nova Jerusalém. É a terceira pedra na terceira linha do racional, representando a tribo de Issacar (Ex., Xxviii, 19; xxxix, 12); a Septuaginta enumera-o entre as riquezas do Rei de Tiro (Ezech., xxviii, 13). O nome grego alude à crença popular de que a ametista evitava a intoxicação; como tal, os recipientes para bebidas eram feitos de ametista para as festividades, e os carroceiros usavam amuletos feitos com ela para neutralizar a ação do vinho. Abenesra e Kimchi explicam o hebraico ahlmh de maneira análoga, derivando de hlm, para sonhar; hlm em seu primeiro significado significa "ser duro". Existe um consenso quanto à exatidão da tradução entre as várias versões; Josefo (Ant. Jud., III, vii, 6) também tem "ametista"; o Targum de Onkelos e a Versão Siríaca possuem "olho de bezerro", indicando a cor.

Berilo
Berilo, Heb. yhlm; Sept. beryllos; Vulg.
Berilo ocupava o terceiro lugar da segunda linha e no peitoral, e era entendido como representando Nephtali (Ex., xxviii, 19; xxxix, 13). De acordo com a Septuaginta, era a segunda da quarta fileira e a terceira da quarta de acordo com a Vulgata. Ezech., Xxviii, 13, menciona-o em terceiro lugar, e também é citado no texto grego de Tobias., Xiii, 17; no entanto, ele está faltando na Vulgata. Apoc., Xxi, 20, dá-o como a oitava pedra da fundação da Nova Jerusalém.

Carbúnculo
Carbúnculo, hebr., Nopek; Sept. antraz (Ex., Xxviii, 18; xxxix, 11; Ezech., Xxviii, 13; omitido em Ezech., Xxvii, 16); Vulg. carbúnculo (Ex., Xxviii, 18; xxxix, 11; Ezech., Xxviii, 13), gema (Ezech., Xxvii, 16).
O carbúnculo era a primeira pedra da segunda linha do racional e representava Juda, sendo também a oitava pedra mencionada das riquezas do Rei de Tiro (Ezech., Xxviii, 13). Um objeto importado, não um produto nativo, (Ezech., Xxvii, 16); é talvez a terceira pedra da fundação da cidade celestial (Apoc., xxi, 19).
(um carbúnculo é qualquer pedra preciosa vermelha, na maioria das vezes uma granada vermelha).
Várias passagens da Bíblia referem-se a essas pedras preciosas:
  • Êxodo 28:18 e 39:11 referem-se ao uso do carbúnculo (hebraico bíblico: נֹ֥פֶךְ, romanizado: nōp̄eḵ) como a terceira pedra no peitoral do Hoshen. [8] [9]
  • Ezequiel 28:13 é uma lamentação sobre o rei de Tiro: "... toda pedra preciosa era a tua cobertura, a cornalina, o topázio e a esmeralda, ..., o carbúnculo [נֹ֥פֶךְ, nōp̄eḵ], e a smaragd, e ouro ".
  • Isaías 54:12 usa 'carbúnculo' (hebraico: אֶקְדָּ֑ח, romanizado: 'eqdāḥ) para transmitir o valor da bênção do Senhor [e promessa] à Sua serva estéril: (Isaías 54: 1) "Cante, ó estéril, tu que não deu à luz, irrompeu em cânticos e gritou, tu que não tiveste dores; [... v.5] Porque o teu Criador é o teu marido; [... v.12] E farei os teus pináculos de rubis, e teus portões de carbúnculos, e toda tua orla de pedras preciosas. "
Cornalina
Cornalina, Heb. braço, para ser vermelho, especialmente "sangue vermelho"; Set. E Apoc. sardão; Vulg. sardius; a primeira pedra do peitoral (Ex., xxviii, 17; xxxix, 10) representando Ruben; também o primeiro entre as pedras do Rei de Tiro (Ezech., xxviii, 13).
Cornalina é a sexta pedra fundamental da cidade celestial (Apoc., xxi, 19). Também é encontrado na história de Noé o não provado que a pomba que Noé mandou ao solo era na verdade uma granada usada para iluminar o solo.

A palavra sardão às vezes é chamada de sardônia. Isso é um erro, pois a mesma palavra é equivalente a cornalina em Teofrasto (De lap., 55) e Plínio (Hist. Nat., XXXVII, xxxi), que derivam o nome daquele da cidade de Sardes onde, eles afirmam , foi encontrado pela primeira vez.

Calcedônia
Calcedônia, Apoc., Xxi, 19, giz; Vulg. calcedônio.
 Calcedônia é a terceira pedra fundamental da Jerusalém celestial. A ideia de que escrever a giz é um erro e que deveria ser grafado (o carbúnculo) tem alguma razão. No entanto, as outras onze pedras correspondem a uma pedra no racional e esta é a única exceção. Os antigos muitas vezes confundiam os nomes dessas duas pedras. A calcedônia é uma pedra siliciosa. Seu nome supostamente deriva de Calcedônia, na Bitínia, de onde os antigos obtinham a pedra. É uma espécie de ágata e recebe vários nomes de acordo com a sua cor. A calcedônia é geralmente composta de círculos concêntricos de várias cores.

Chodchod
Chodchod, kdkd (Is., Liv, 12; Ezech., Xxvii, 16); Sept.iaspis (Is., Liv, 12), chorchor (Ezech., Xxvii, 16); Vulg.jaspis (Is., Liv, 12), chodchod (Ezech., Xvii, 16).
Esta palavra é usada apenas duas vezes na Bíblia. Chodchod é geralmente identificado com o rubi oriental. A tradução da palavra em Is. tanto pela Septuaginta quanto pela Vulgata é jaspe; em Ezech. a palavra é apenas transliterada; o chorchor grego é explicado considerando como é fácil confundir um resh com um daleth.

"O que Chodchod significa", diz São Jerônimo, "Eu não fui capaz de encontrar até agora" (Comentário. Em Ezech., Xxvii, 16, em P. L., XXV, 255). Em Is. ele segue a Septuaginta e traduz chodchod por jaspis. A palavra provavelmente é derivada de phyr, "lançar fogo"; a pedra era, portanto, brilhante e muito provavelmente vermelha. Essa suposição é reforçada pelo fato de que a palavra árabe kadzkadzat, evidentemente derivada do mesmo radical que chodchod, designa um vermelho brilhante. Era, portanto, uma espécie de rubi, provavelmente o rubi oriental, talvez também o carbúnculo.

Crisólito (peridoto)
Crisólita , Heb. trshysh (Ex., xxviii, 20; xxxix, 13; Ezech., i, 16; x, 9; xxviii, 13; Cant., v, 14; Dan., x, 6); Set., Crisólito (Ex., Xxviii, 20; xxxix, 13; Ezech., Xxviii, 13); tharsis (Cant., v, 14; Dan., x, 6); tharseis (Ezech., 1, 16; x, 9); Vulg. crisólito (Ex., xxviii, 20; xxxix, 13; Ezech., x, 9; xxviii, 13; Dan., x, 6), jacinto (Cant., v, 14); quasi visio maris (Ezequiel, 1,16); Apoc., Xxi, 20, chrysolithos; Vulg. crisólito.
olivina, crisólito, peridoto
Esta é a décima pedra do racional, representando a tribo de Zebulom; fica em quarto lugar na enumeração de Ezech., xxviii, 13, e é dado como a sétima pedra fundamental da cidade celestial em Apoc., xxi, 20.

Nenhum dos textos hebraicos dá qualquer sugestão quanto à natureza desta pedra. No entanto, uma vez que a Septuaginta traduz repetidamente a palavra hebraica por chrysolithos, exceto onde ela meramente a translitera, e em Ezech., X, 9, uma vez que, além disso, a Vulgata segue esta tradução com muito poucas exceções, e Aquila, Josephus e St. Epifânio concorda em sua tradução, pode-se presumir que a crisólita dos antigos equivale ao nosso topázio.

Crisoprásio
Crisoprase, crisoprasos grego, a décima pedra fundamental da Jerusalém celestial (Apoc., Xxi, 20).
Esta é talvez a ágata de Ex., Xxviii, 20, e xxxix, 13, uma vez que o crisopraso não era muito conhecido entre os antigos. É um tipo de ágata verde, composta principalmente por sílica e uma pequena porcentagem de níquel.

Coral
Coral, Heb. ramwt (Job, xxviii, 18; Prov., xxiv, 7; Ezech., xxvii, 16); Sept. meteora, ramoth; Vulg. excelsa, sericum.
A palavra hebraica parece derivar de tas , "ser alto", provavelmente pertencente a uma árvore. Outra possibilidade é que o nome tenha origem em um país estranho, assim como o próprio coral. É evidente que as versões antigas estavam sujeitas a interpretações errôneas. Em um caso, eles chegaram ao ponto de simplesmente transliterar a palavra hebraica.
Em Ezech., Xxvii, 16, coral é mencionado como um dos artigos trazidos pelos sírios para Tiro.
Gesenius (Thesaurus, p. 1113) traduz phnynys (Job, xxviii, 18; Prov., Iii, 15; viii, 11; xx, 15; xxxi, 10; Lam., Iv, 7) como "coral vermelho". No entanto, pérola também foi interpretada como o significado dessas passagens. O coral referido na Bíblia é o coral precioso (corallium rubrum), cuja formação é bem conhecida, porém coral é uma pedra orgânica assim como a pérola. É uma secreção calcária de certos pólipos resultando em uma formação semelhante a uma árvore.

Cristal
Cristal, Heb. ghbsh (Job, xxviii, 18), qrh (Ezech, i, 22): ambas as palavras significam uma substância vítrea; Sept. gabis; Vulg. eminentia (Job, xxviii, 18); krystallos, crystallus (Ezech., i, 22).
O cristal é um mineral transparente que lembra o vidro, provavelmente uma variedade de quartzo. Job o coloca na mesma categoria com ouro, ônix, safira, vidro, coral, topázio, etc. O Targum renderiza o qrt de Ezech. como "gelo"; as outras versões traduzem como "cristal". Cristal é novamente mencionado em Apoc., Iv, 6; xxi, 11; xxii, 1. Em Ps. cxlvii, 17, e Ecclus., xliii, 22, não pode haver dúvida de que o gelo é indicado. A palavra zkwkyh, Job, xxviii, 17, que pode ser traduzido como cristal, significa vidro.

Diamante
Diamante, Heb. shmyr; Sept. adamantinos; Vulg. adamas, adamantinus (Ezech., iii, 9; Zach., vii, 12; Jer, xvii 1).
Se esta pedra é realmente diamante ou não, não pode ser estabelecido. Muitas passagens nas Sagradas Escrituras apontam para as qualidades do diamante, em particular para sua dureza (Ezech., Iii, 9; Zach., Vii, 12; Jer., Xvii, 1). Na última citação, Jeremias nos informa sobre um uso de diamante que é muito parecido com o de hoje: "O pecado de Judá está escrito com uma caneta de ferro, com a ponta de um diamante". No entanto, embora o diamante seja usado para gravar substâncias duras, outras pedras podem servir para o mesmo propósito.

A Septuaginta omite as passagens de Ezech. e Zach., enquanto os primeiros cinco versos de Jer., xvii, estão faltando no Cod. Vaticanus e Alexandrinus, mas são encontrados na edição Complutensian e nas Versões Siríaca e Árabe. Apesar das qualidades mencionadas na Bíblia, a pedra referida pode ser o límpido corindon , que exibe as mesmas qualidades.
Diamante não era muito conhecido entre os antigos; e se adicionarmos a isso a semelhança etimológica entre as palavras smiris, o egípcio asmir, "esmeril", uma espécie de corindon usada para polir pedras preciosas, e shmyr, a palavra hebraica que supostamente significa diamante; a conclusão a ser tirada é que se pretendia corindon límpido.

Aben-Esra e Abarbanel traduzem yhlm como "diamante"; mas foi demonstrado acima que yhlm é berilo.

Esmeralda
Esmeralda, Heb. brqm; Sept. smaragdos; Vulg. smaragdus.
 Esmeralda é a terceira pedra do racional (Ex., xxviii, 17; xxxix, 10), representando a tribo de Levi; é a nona pedra em Ezech., xxviii, 13, e a quarta pedra da fundação da Jerusalém celestial (Apoc., xxi, 19). A mesma pedra também é mencionada em Tobias., Xiii, 16 (Vulg. 21); Jud., X, 21 (Vulg. 19); e no texto grego de Ecclus., xxxii, 8, mas não há nenhuma indicação disso no Manuscrito B. do texto hebraico, encontrado no Genizah do Cairo em 1896.

Praticamente todas as versões, incluindo Josephus (Ant. Jud., III, vii, 5; Bell. Jud., V, v, 7) traduzem brhm como "esmeralda". A raiz hebraica brq (brilhar "), da qual provavelmente deriva, é aceita por consenso escolástico. A palavra também pode derivar do sânscrito marakata, que certamente é esmeralda, nem a forma grega smaragdos é tão diferente. Em Jó, xiii, 21; Jud., x, 19; Ecclus., xxxii, 8; e Apoc., xxi, 19, a esmeralda é certamente a pedra referida. A palavra bphr às vezes também foi traduzida por smaragdus, mas isso é um erro como bphr significa carbúnculo.

Jacinto
Jacinto, grego hyakinthos; Vulg. hyacinthus (Apoc., xxi, 20).
pedra zircão, jacinto
Jacinto é a décima primeira pedra da fundação da cidade celestial. É provavelmente equiparado com Heb., O ligurius de Ex., Xxviii, 19; xxxix, 12 (St. Epiphan., " De duodecim gemmis " em PG, XLIII, 300). A pedra referida no Cant., V, 14, e chamada de hyacinthus na Vulgata é o hebraico shoham, que foi mostrado acima para ser crisólita. A natureza exata do jacinto não pode ser determinada, pois o nome foi aplicado a várias pedras de cores semelhantes e, muito provavelmente, pedras designadas que lembram a flor do jacinto. Jacinto é um zircão de uma cor carmesim, vermelho ou laranja. É mais duro que o quartzo e sua clivagem é ondulada e às vezes lamelada. Sua forma é a de um prisma quadrangular oblongo terminado em ambas as extremidades por uma pirâmide quadrangular.

Jaspe
Jasper Heb. יָשְׁפֵ֑ה yashpeh; Sept. iaspis; Vulg. jaspis.
pedra jaspe bruta
Jaspe é a décima segunda pedra do peitoral (Ex., xxviii, 18; xxxix, 11), representando Benjamin. Nos textos gregos e latinos, vem em sexto, e assim também em Ezech., Xxviii, 13; no Apocalipse é o primeiro (xxi, 19). Apesar dessa diferença de posição, jaspis é, sem dúvida, o yshphh do texto hebraico. A gema é um quartzo anidrato composto de sílica, alumina e ferro e há jaspers de quase todas as cores. É uma pedra totalmente opaca de uma clivagem concoidal. Parece ter sido obtido pelos judeus da Índia e do Egito.

Ligurus
Ligurus, Heb. lshs ; Sept. ligyrion; Vulg. ligurius.
Lingurus é a primeira pedra da terceira linha do racional (Ex., xxviii, 19; xxxix, 12), representando Gad. Está faltando no hebraico de Ezech., Xxviii, 13, mas presente no grego. Esta pedra é provavelmente a mesma que um jacinto (St. Epiphan., Loc. Cit.). Esta identificação tradicional, é baseada na observação de que as doze pedras fundamentais da cidade celestial em Apoc., Xxi, 19-20, correspondem às doze pedras do racional. Isso por si só é suficiente para equiparar ligurus a jacinto, embora tenha sido identificado com turmalina; embora a última visão seja rejeitada pela maioria dos estudiosos.

Ônix
Ônix, Lat; Sept. onychion; Vulg. lapis onychinus.
Ônix é a décima primeira pedra do peitoral no hebraico e na Vulgata (Ex., xxviii, 20; xxxix, 13), representando a tribo de Joseph. No Septuaginta é a décima segunda pedra e a quinta em Ezech., Xxviii, 13, no hebraico., Mas a décima segunda no grego; é chamado de sardônia e vem em quinto lugar no Apoc., xxi, 20.

A natureza exata desta pedra é contestada porque a palavra grega beryllos ocorre em vez da hebraica indicando assim berilo. No entanto, não é assim (ver Beryl acima). A Vulgata iguala o ônix ao hebraico, e embora isso por si só fosse um argumento muito fraco; há outros testemunhos mais fortes do fato de que a palavra hebraica ocorre com frequência nas Sagradas Escrituras: (Gênesis, ii, 12; Ex., xxv, 7; xxv, 9, 27; I Par., xxxix, 2; etc.) e em cada ocasião, exceto Job, xxviii, 16, a gema é traduzida na Vulgata por lapis onychinus (lapis sardonychus em Job, xxviii, 16).

O grego é muito inconsistente em sua tradução, traduzindo shhs de maneira diferente em vários textos; portanto, em Gen., ii, 12, é lithos prasinos, sardios no Ex. xxv, 7; xxxv, 9; smaragdos em Ex., xxviii, 9; xxxv, 27; xxxix, 6; soam uma mera transcrição da palavra hebraica em I Par., xxix, 2; e ônix em Jó, xxviii, 16.

Outros tradutores de grego são mais consistentes: Áquila tem sardônia e Símaco e Teodoção têm ônix. A paráfrase de Onkelos tinha burla, a berula siríaca, ambas evidentemente o berilo grego; "berilo". Visto que as traduções não observam a mesma ordem do hebraico ao enumerar as pedras do racional (ver Berilo acima), não é obrigatório aceitar o grego berilo como a tradução de shhm. Portanto, com base no testemunho das várias versões, pode-se seguramente presumir que o ônix é a pedra representada por shhm.

Pérola
Embora não seja uma pedra preciosa no sentido mais estrito, podemos aplicar a palavra "pedra" em um contexto mais amplo, em que semelhante ao do coral também são consideradas pedras orgânicas. É relativamente certo que a pérola (margarita grega, Vulg. Margarita) era conhecida entre os judeus, pelo menos depois da época de Salomão, como era entre os fenícios. A etimologia exata é incerta, mas o seguinte foi sugerido: ghbysh , que significa "cristal"; phnynym, que Gesenius traduz como "coral vermelho"; dr , Esth., i, 6, que é traduzido no Vulg. por lapis parius, " mármore "; o dar árabe também significa "pérola" e, portanto, Furst também traduz a palavra hebraica.

No Novo Testamento, encontramos a pérola mencionada em Matt., Xiii, 45, 46; I Tim., Ii, 9.

Rubi
pedra rubi bruto
Essa pedra pode ter sido o carbúnculo ou o chodchod (veja acima). Há, entretanto, uma escolha entre o rubi oriental e o rubi espinélio; mas as palavras podem ter sido usadas alternadamente para ambos. O primeiro é extremamente duro, quase tão duro quanto o diamante, e é obtido no Ceilão, Índia e China. É considerada uma das gemas mais preciosas.

Safira
Safira, sapphire, Heb. mghry Septuag. sappheiron; Vulg. safírus.
pedra de safira bruta
Safira é a quinta pedra do racional (Ex., Xxviii, 19; xxxix, 13), e representava a tribo de Issacar. É a sétima pedra em Ezech., Xxviii, 14 (no texto hebraico, pois ocorre em quinto lugar no texto grego); é também a segunda pedra fundamental da Jerusalém celestial (Apoc., xxi, 19).
Os antigos também se referiam ao lápis-lazúli como safira, que também é uma pedra azul.
O debate ainda continua sobre qual pedra é precisamente mencionada na Bíblia. Ambos podem ser significados, mas lápis-lazúli parece mais provável, pois suas qualidades são mais adequadas para fins de gravação (Lam., Iv, 7; Ex., Xxviii, 17; xxxix, 13).

Sardo
Sardo e sardônia são freqüentemente confundidos por intérpretes. Sardo é cornalina, enquanto sardônia é uma espécie de ônix.

Sardônica
Sardônica tem uma estrutura semelhante ao ônix, mas geralmente é composta por camadas alternadas de calcedônia branca e cornalina, embora cornalina possa estar associada a camadas de calcedônia branca, marrom e preta.
Os antigos obtinham o ônix da Arábia, Egito e Índia.

Topázio
Topázio, Heb. ghtrh; Set. Topazion; Vulg. topazius.
Topázio é a segunda pedra do racional (Ex., xxviii, 17; xxxix, 19), representando Simeão; também a segunda pedra em Ezech., xxviii, 13; a nona pedra fundamental da Jerusalém celestial (Apoc., xxi, 20) e também mencionada em Jó, xxviii, 19.

Em geral, acredita-se que esse topázio tenha sido crisólita, e não o topázio mais conhecido.

O topázio oriental é composto de alumina quase pura, sílica e ácido fluorico; sua forma é um prisma ortorrômbico com uma clivagem transversal ao seu longo eixo. É extremamente duro e tem uma refração dupla. Quando esfregado ou aquecido, torna-se altamente elétrico.

Varia de cor de acordo com o país de origem. O topázio australiano é verde ou amarelo; o da Tasmânia claro, brilhante e transparente; o violeta pálido da Saxônia; o verde mar da Boêmia e o vermelho do Brasil, que variam do vermelho pálido ao carmim profundo.
Os antigos muito provavelmente o obtiveram do Oriente.


Parte da descrição de Jó sobre sabedoria e compreensão:
Jó 28: 1-19
  • v1: "Certamente há uma mina de prata e um lugar onde o ouro é refinado.
  • v2: " O ferro é tirado da terra e o cobre é fundido do minério.
  • v3: "O homem acaba com as trevas e busca cada recanto em busca de minério na escuridão e na sombra da morte.
  • v4: " Ele quebra uma flecha longe das pessoas; em lugares esquecidos pelos pés, eles ficam longe dos homens; eles balançam para frente e para trás.
  • v5: "Quanto à terra, dela procede o pão, mas por baixo é revolvida como pelo fogo;
  • v6: " Suas pedras são a fonte das safiras, e contém ouro em pó.
  • v7: "Esse caminho nenhum pássaro conhece, nem os olhos do falcão o viram.
  • v8: " Os orgulhosos leões não o pisaram, nem o leão feroz passou por ele.
  • v9: "Ele põe sua mão na pederneira ; ele vira as montanhas pela raiz.
  • v10: " Ele abre canais nas rochas , e seus olhos vêem todas as coisas preciosas.
  • v11: "Ele represa riachos de gotejamento; o que está oculto ele traz à luz.
  • v12: " Mas onde a sabedoria pode ser encontrada? E onde está o lugar do entendimento?
  • v13: "O homem não conhece o seu valor nem se encontra na terra dos viventes.
  • v14:“O abismo diz 'Não está em mim' e o mar diz: 'Não está em mim.'
  • v15: "Não pode ser comprado com ouro, nem prata pode ser pesada por seu preço.
  • v16: "Não pode ser avaliada no ouro de Ofir, no precioso ônix ou safira.
  • v17: " Nem ouro nem cristal pode ser igualado, nem pode ser trocado por joias de ouro fino.
  • v18: "Nenhuma menção deve ser feita ao coral ou quartzo , pois o preço da sabedoria está acima dos rubis.
  • v19:"O topázio da Etiópia não pode ser igualado, nem pode ser avaliado em ouro puro ..."
 
Parte da lamenação de Ezequiel sobre o rei de Tiro:
Ezequiel 28:13
  • v13: "Você estava no Éden, jardim de Deus; cada pedra preciosa era a sua cobertura: o sárdio (rubi), o topázio, e o diamante, berilo, ônix (ágata) e jaspe, turquesa e esmeralda com ouro . a fabricação de seus tamboretes e tubos foi preparada para você no dia em que foram criados."

Fontes:

Ouro, um silêncio necessário

Silêncio que vale ouro
Fique quieto sobre suas descobertas de ouro, ou você provavelmente irá se arrepender.
Um silêncio que vale ouro e é precioso
Não conte a ninguém sobre suas descobertas de ouro até terminar de prospectar o local!

Vamos lembrar de algumas histórias diferentes sobre alguns garimpeiros que se arrependeram de compartilhar suas descobertas.
Falar na mesa de bar ou compartilhar demais na Internet custou a eles um bom lugar para continuarem a achar mais e mais ouro sozinhos, e eles perderam muito ouro por causa disso.

Ouro faz coisas estranhas para as pessoas
Portanto, provavelmente não é nenhuma surpresa para você que o ouro pode valer algum dinheiro.
E o dinheiro faz coisas engraçadas com as pessoas.
OURO, um silêncio necessário
O dinheiro pode trazer à tona o que há de pior em algumas pessoas, mas há algo sobre o ouro em particular que as pessoas fazem algo às pessoas ...
Acho que grande parte disso é ciúme e ganância.

Encontrar ouro é um trabalho árduo, e geralmente as pessoas que trabalham mais duro na prospecção encontrarão mais ouro. É muito raro alguém encontrar uma pepita de ouro por "sorte". Sim, suponho que qualquer um pode ter sorte e encontrar uma pepita, mas para encontrar ouro de forma consistente leva anos de conhecimento e habilidade suada.

No entanto, com certeza como é que algumas pessoas reagem ao ver o sucesso de outras?
Ciúme, ganância ou outra coisa.

Tentando descobrir os segredos de outros de garimpeiros
Eu posso te garantir uma coisa... se você postar uma grande quantidade de ouro ou pedras que são preciosas em um dos muitos grupos de ouro na Internet, haverá pessoas lá que vão tentar descobrir onde você está garimpando.
E pode apostar, eles irão fazer de quase tudo para descobrir onde você está garimpando e vão tentar roubar seu local e subsequente, seu ouro.

Agora, talvez isso não seja uma preocupação para todos. Se você está garimpando uma área conhecida e “martelada” que todos já conhecem, talvez não seja uma grande preocupação para você. No entanto, se você encontrou um local de pepitas desconhecido e está encontrando muito ouro, eu realmente o encorajo a não contar a ninguém até que você tenha trabalhado completamente a área.

Como compartilhar descobertas nos grupos do Facebook
Agora não me entenda mal. Eu gosto dos fóruns de ouro e grupo de minerais e ouro no Facebook, e os frequento regularmente.
Aliás, OFICINA70 tem um grupo sobre isto.
Eu faço alguns posts e até compartilho algumas fotos de vez em quando, assim como algumas pessoas no grupo. Não me importo em fazer isso e gosto de deixar que outras pessoas compartilhem.
Há muitas pessoas legais nos grupos e eu gosto de ver achados de outras pessoas também. Ver novas descobertas de ouro e pedras preciosas é divertido e dá a todos um pouco de motivação para sair e ir caçar.

Acho que a maioria das pessoas são respeitosas o suficiente para não tentar rastreá-lo e descobrir onde você está caçando, mas é um mundo grande e cheio de todos os tipos de pessoas e é algo de que não duvido.
Tenho certeza de que pelo menos algumas pessoas adorariam descobrir para onde você está indo, esgueirar-se para a área durante a cobertura da escuridão e começar a prospectar seu local.

Silêncio que vale ouro
ouro, um silêncio que vale ouro e é precioso
Posso pensar em alguém que realmente se arrepende de compartilhar suas descobertas e um bom exemplo foi o Garimpo de Pontes e Lacerda no Mato Grosso, em que o início se deu pelo proprietário da fazenda, em que está localizada. Para começar a extração do metal, o fazendeiro precisou contratar garimpeiros, daí a notícia se espalhou pela região e foi no que deu, e a notícia se espalhou não só na região mas pelo Brasil inteiro e o local virou uma Nova Serra Pelada.

Veja este exemplo:
Um garimpeiro que estava detectando num local e encontrando pepitas de ouro incríveis.
O local em que estava trabalhando claramente nunca havia sido explorado nos tempos modernos, pois havia grandes pepitas de ouro muito perto da superfície. Provavelmente qualquer pessoa com um detector de metais poderia tê-los encontrado.
Ele postava pepitas periodicamente à medida que as encontrava. A cada dois dias, ele exibia um punhado de pepitas recém-escavadas.
Outras pessoas nos fóruns já o tinham visto em campo antes. Eles sabiam que tipo de veículo ele dirigia. Ele era um membro conhecido de detectoristas local.
Um dia, alguns outros garimpeiros cruzaram com seu veículo estacionado no campo. Eles descobriram exatamente onde ele estava caçando.
Nas semanas seguintes, essas pessoas viriam a caçar no mesmo local durante os dias de semana, quando o detectorista localizador original não estava lá. Eles varreram a área com seus detectores e encontraram muito ouro.
Na verdade, eles encontraram quase meio kilo de pepitas de ouro em questão de semanas usando seus detectores de metais.
Se o descobridor original não tivesse compartilhado suas descobertas em um grupo público, ninguém saberia que ele estava encontrando tanto ouro, e ele o teria todo para si.

Em vez disso, ele basicamente “dividiu” seu lugar com outra pessoa e perdeu MUITO ouro por causa disso.

O Bom, o Mau e o Vilão
Nem sempre conseguimos distinguir o bom, o mal ou o vilão.
(a menos que tenha assistido umas duas vezes o filme)
O Bom, o Mau e o Vilão
Eu pessoalmente não faria o que essas pessoas fizeram (no exemplo acima, por ética), mas legalmente eles tinham todo o direito de fazer. Esses pedaços de pepitas estavam em terras públicas não reclamadas, e o ouro ali estava livre para ser levado.

Suponho que, em retrospectiva, o descobridor original poderia ter reivindicado a área, mas não se sabe se isso impediria ou não um detectorista novato de caçar na área. Na verdade, fazer isso pode chamar a atenção para uma área. A maioria dos detectores de ouro nunca fazem reivindicações de mineração e simplesmente caçam seus pontos em silêncio e recolhem suas pepitas.

Eu estaria disposto a apostar que existem pessoas sem escrúpulos que podem até esperar do lado de fora da casa de um bom detectorista e segui-los. Caramba, nestes dias de tecnologia, não seria muito difícil colocar um rastreador GPS portátil no veículo de alguém e descobrir onde eles estão prospectando ou detectando.
É estranho pensar sobre isto, mas existem personagens por aí que eu não duvidaria que fizessem isto.

Conselho de OURO:
fique quieto sobre suas descobertas de ouro ou pedras preciosas.


Sobre a Febre do Ouro no Brasil:

Fonte:

Afghanistan's Mineral Resources and Gemstones

Afghanistan Mineral Resources
Lapis-lazuli in Afghanistan. Image by USGS
Lapis-lazuli in Afghanistan. Image by USGS

Gemstones and Gold (precious metals)
Afghanistan has a complex geology, the oldest rocks are Archean, succeeded by rocks from the Proterozoic and every Phanerozoic system up to the present day.

The country also has a long and complicated tectonic history, partly related to its position at the western end of the Himalaya.

Historical mining concentrated mostly on precious stone production, with some of the oldest known mines in the world believed to have been established in Afghanistan to produce lapis lazuli for the Egyptian Pharaohs. Perhaps the stone that is most associated with the country is the Lapis-lazuli, becoming almost a national symbol.
Tutankamon, gold and lapis lazuli
Tutankamon, Gold and Lapis lazuli.

The history of Lapis Lazuli in the Afghanistan dates back to 6.000 years. It's been cherished by ancient civilizations, including Persia, Mesopotamia, Greece and Rome, all of them considered it precious, spiritual and powerful . But it was Egyptians who chose as their favourite stone, creating with it amazing jewels for their nobility and kings. One of its most fascinating examples is the tomb of Tutankhamen, created with gold and richly inlaid with lapislazuli proceeding from Afghanistan.

Any mineral collector knows that Afghanistan produces some of the finest gemstones to collect.

Exploration in the 1960s and 70s resulted in the discovery of metallic mineral resources, including copper, iron and gold, and non-metallic minerals, including halite, talc, and mica.

USGS Releases Results of Afghan Mineral Studies
The research by the U.S. Geological Survey, the Afghan Geological Survey, and the Department of Defense has yielded volumes of information about areas of high mineral potential in Afghanistan, including rare earth elements, gold, iron, and copper. This research will be used by the Afghan Government as they consider developing these minerals resources.
There are cataloged about 194 valid minerals between metallic and non-metallic minerals.

For a complete list of Afghanistan's mineral resources, gemstones and metallic minerals, click HERE.

Precious Stones in Afghanistan
Afghanistan's main gemstones.
Afghanistan's main gemstones

Afghanistan has been blessed with a great variety of precious and semi-precious stones with 73 records of mines, deposits, occurrences and showings. In fact, some of the earliest records of mining anywhere in the world are from Afghanistan, dating back over 6000 years. Most operations today are small-scale, but the potential undoubtedly exists for the development of a significant precious stone mining industry in Afghanistan.
In addition to the most beautiful precious stones such as Lapis-Lazuli, Emerald, Ruby, Kunzite-tourmaline, but Afghanistan also has occurrences of other stones such as aquamarine, amethyst, topaz and Afghanite.
Afghanite, by Rob Lavinsky - iRocks
Afghanite was discovered in 1968 in the Lapis-lazuli Mine, Sar-e-Sang, Badakhshan Province, Afghanistan and takes its name from that country. It has also been described from localities in Germany, Italy, the Pamir Mountains of Tajikistan, near Lake Baikal in Siberia, New York and Newfoundland. It occurs as veinlets in lazurite crystals in the Afghan location and in altered limestone xenoliths within pumice in Pitigliano, Tuscany, Italy.

Gold in Afghanistan click HERE
or click on the image to access the document.


Sources: