Pegmatito, a rocha portadora de gemas

Quer encontrar pedras preciosas?
Então procure antes por rochas de Pegmatito.
Pegmatitos são uma rocha portadora de gemas.
Poucos sabem disto e vamos explicar quais e o porque.
GRANADAS NA MATRIZ DE PEGMATITO
Granada na matriz de pegmatito, Austrália.

Os pegmatitos portadores de gemas são rochas ígneas cristalinas que podem abrigar uma grande variedade de gemas, incluindo: morganita, turmalina verde, turmalina rosa, água-marinha, kunzita, turmalina bicolor, granada spessartina, topázio azul, etc.
Algumas pedras preciosas, como a esmeralda, são encontradas quase que exclusivamente em pegmatitos. E se você nunca reparou, a maioria dos minerais de coleção estão em matriz de pegmatito.

Muitos dos maiores cristais do mundo são encontrados em pegmatitos um exemplo são os fantásticos cristais de água-marinha encontrados no Afeganistão.
Além de conter pedras preciosas, os pegmatitos são importantes porque muitas vezes contêm minerais como minerais de estanho, minerais de terras raras, tungstênio, tântalo, nióbio etc. Os pegmatitos também são a fonte primária de lítio como espodumênio, litiofilita ou geralmente a partir de lepidolita. A fonte primária de césio é polucita , um mineral de um pegmatito zonado. A maior parte do berílio do mundo é proveniente de berilo mas sem qualidade de gema dentro de pegmatito.
esmeralda em matriz de pegmatito
Esmeralda na matriz de pegmatito, China.

Os pegmatitos geralmente se formam quando o magma é forçado a fraturas abaixo da superfície da Terra. À medida que o magma esfria, minerais como quartzo, feldspato e mica, que são os elementos mais comuns, começam a cristalizar primeiro. As “sobras de magma” ou elementos mais raros se concentram e bolsões contendo minerais de gemas podem se formar. Essas sobras evoluem à medida que mais minerais se cristalizam, levando a uma incrível diversidade mineral dentro do mesmo pegmatito. Os pegmatitos normalmente contêm grandes cristais e minerais incomuns.

O que são Pegmatitos?
Estritamente falando, os pegmatitos não são realmente um tipo de rocha, mas sim a descrição de uma textura. Esta textura é uma rocha com tamanhos de cristal variáveis, incluindo alguns cristais muito grandes. Geralmente essas rochas são de origem ígnea e são mais comumente graníticas na composição.
A origem do pegmatito e a explicação de como os cristais crescem tanto são controversas. No entanto, a origem mais aceita é que os cristais crescem a partir de derretimentos ricos em água, que também são ricos em elementos fundentes (elementos que diminuem a temperatura de fusão dos minerais de silicato), como boro, flúor e fósforo. As altas concentrações desses elementos fundentes também aumentam as difusividades na fusão, permitindo que os cátions se movam mais rapidamente para os locais de crescimento dos cristais, e isso resulta no crescimento de cristais muito grandes.
A questão de por que alguns pegmatitos contêm gemas enquanto outros não, são também objeto de debate.
Parte da explicação é que as gemas esmeralda, água-marinha e alexandrita são minerais de berílio, a turmalina é um mineral de boro e a turmalina de qualidade de gema também contém lítio e o topázio um mineral de flúor. Esses elementos não substituem facilmente os principais minerais formadores de rochas (quartzo, feldspato, biotita etc.), portanto, os fundidos graníticos que sofreram extensa cristalização terão altas concentrações dos elementos gemológicos lítio, berílio, boro e flúor, bem como como metais raros' que também não substituem facilmente em cristais, por exemplo, tântalo, nióbio e estanho.
É importante notar que nem todos os elementos se concentram na fusão à medida que os minerais se cristalizam.
Muitos elementos, como o cromo, substituem prontamente certos minerais e, portanto, a cristalização resultará no empobrecimento desses elementos. O Cr é de fato muito importante para a formação de muitos depósitos de gemas, de modo que a cristalização extensiva por si só não resultará na formação de um pegmatito de gema.

Pegmatitos no Brasil
O Brasil possui uma das maiores mineralizações em rochas pegmatíticas de todo o mundo.
pegmatito Fazenda Bonfim, RN
Corpo pegmatito da Fazenda Bonfim, RN

As Províncias Pegmatíticas do Brasil foram divididas de acordo com o posicionamento geográfico, em três Províncias principais: Nordeste (Rio Grande do Norte, Paraíba e Ceará), Oriental (Minas Gerais e parte da Bahia e do ES) e Meridional (São Paulo).
esmeraldas em pegmatito recristalizado
Esmeralda em pegmatito recristalizado, Fazenda Bonfim, RN

As formações pegmatíticas destas províncias foram constituídas, em sua maior parte, no final do Proterozóico como consequência de processos orogênicos e geossinclinais, tendo como produto final a consolidação da plataforma da América do Sul.
Outros pegmatitos menos expressivos ocorrem em alguns outros estados como GO, TO.
O Brasil possui uma das maiores mineralizações em rochas pegmatíticas de todo o mundo. As Províncias Pegmatíticas do Brasil foram divididas de acordo com o posicionamento geográfico, em três Províncias principais: Nordeste (Rio Grande do Norte, Paraíba e Ceará), Oriental (Minas Gerais e parte da Bahia e do ES) e Meridional (São Paulo). As formações pegmatíticas destas províncias foram constituídas, em sua maior parte, no final do Proterozóico como consequência de processos orogênicos e geossinclinais, tendo como produto final a consolidação da plataforma da América do Sul. Outros pegmatitos menos expressivos ocorrem em alguns outros estados como GO, TO[6].  Do ponto de vista econômico, as Províncias Pegmatíticas do Nordeste e Oriental são as mais importantes e foram ativamente mineradas, durante a Segunda Guerra Mundial.  A Província Pegmatítica Oriental é a mais extensa e a que apresenta maior potencialidade econômica dentre as brasileiras. Os corpos pegmatíticos são encontrados ao longo de uma faixa com aproximadamente 800 Km de comprimento e cerca de 150 Km de largura. Esta província metalogenética tem sido fonte de matérias primas necessárias não só ao desenvolvimento industrial do Brasil, mas também destinadas à exportação. Quantidades muito grandes de feldspato, quartzo, mica, turmalinas pretas e coradas, minérios de lítio e berílio, columbita, tantalita e cassiterita têm sido lavradas nos milhares de corpos pegmatíticos da região.
Pegmatito alkalino com Corindon azul encontrado em Canaã, Rio de Janeiro

Do ponto de vista econômico, as Províncias Pegmatíticas do Nordeste e Oriental são as mais importantes e foram ativamente mineradas, durante a Segunda Guerra Mundial.

A Província Pegmatítica Oriental é a mais extensa e a que apresenta maior potencialidade econômica dentre as brasileiras. Os corpos pegmatíticos são encontrados ao longo de uma faixa com aproximadamente 800 Km de comprimento e cerca de 150 Km de largura. Esta província metalogenética tem sido fonte de matérias primas necessárias não só ao desenvolvimento industrial do Brasil, mas também destinadas à exportação. Quantidades muito grandes de feldspato, quartzo, mica, turmalinas pretas e coradas, minérios de lítio e berílio, columbita, tantalita e cassiterita têm sido lavradas nos milhares de corpos pegmatíticos da região.

Pegmatitos e as Gemas brasileiras
O Brasil produz a maior variedade de gemas e pedras semipreciosas do mundo, incluindo diamantes, esmeraldas e ametistas. A mineração faz parte da cultura brasileira e a prospecção é um modo de vida para muitas pessoas.

Algumas das pedras preciosas mais espetaculares vêm da região próxima à cidade de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Esta área produz esmeralda, água-marinha, rubelita (turmalina rosa), turmalina verde, topázio imperial, alexandrita e amazonita.
Essas gemas são comumente associadas a pegmatitos.
Este artigo fornecerá primeiro alguns antecedentes sobre a origem dos pegmatitos, depois examinará alguns depósitos específicos e como eles passaram a conter gemas.

Depósitos de gemas em Pegmatito em Minas Gerais
A geologia de Minas Gerais resumidamente pode ser simplificada a um núcleo de embasamento pré-cambriano (cráton de São Francisco) cercado por cinturões de montanhas neoproterozóicas (orogenia brasiliana).
A maioria dos pegmatitos está associada ao evento Brasiliano, de 700 a 450 milhões de anos atrás. O Brasil também experimentou uma grande elevação durante a abertura do Atlântico Sul durante o Cretáceo, 124-89 milhões de anos atrás, depois extensão durante o Terciário. O famoso topázio imperial de Ouro Preto provavelmente está relacionado a esse soerguimento e extensão.
As localizações de alguns dos depósitos de pedras preciosas em Minas Gerais são mostradas na imagem a seguir:
gemstone deposits in Minas Gerais
Gemstone deposits in Minas Gerais, BRAZIL

Depósitos de esmeralda de Capoeirana e a sua hitória
A descoberta do garimpo da Capoeirana é um caso clássico de um sortudo que estava no lugar certo na hora certa.
Essa pessoa estava observando dois touros brigando entre si na fazenda Capoeirana.
Um dos touros errou o outro e esfaqueou o chão com seu chifre, expondo um cristal verde no solo vermelho e que depois vieram a saber que se tratava de uma esmeralda.
As esmeraldas em Capoeirana e na vizinha mina Belmont são encontradas em xistos de biotita ultramáfica. As esmeraldas encontram-se em veios de quartzo cortando os xistos, ou nos xistos adjacentes aos veios. O hospedeiro ultramáfico é importante porque essas rochas possuem altos teores de Cr que são necessários para formar a esmeralda. A fonte de Be não é bem compreendida, mas potencialmente foi derivada de fluidos que emanaram de pegmatitos na área.

Depósitos de Alexandrita
A Alexandrita é extraída em aluvião na jazida de Itaitinga.
A alexandrita é recuperada de um horizonte de cascalho que também contém esmeralda, água-marinha, crisoberilo. Isso sugere uma fonte de pegmatito para a alexandrita. A exploração na área também descobriu cristais de alexandrita associados a xistos de biotita ultramáfica que são cortados por diques de pegmatita. Assim, a origem dos depósitos de alexandrita envolve a interação de uma fonte de berílio, pegmatitos, com rochas ricas em cromo, biotita xistos ultramáficas, semelhantes aos depósitos de esmeralda.

Água-marinha e Turmalina
O pegmatito da Grota da Generosa é um importante depósito de água-marinha, e também produtor de feldspato para a indústria cerâmica e de berilo industrial para berílio.
Como a cor da água-marinha é derivada do ferro, a origem dessa gema pegmatita não envolve rochas ultramáficas, ao contrário da esmeralda e da alexandrita.
Este pegmatito de berilo no contato entre a zona de contato rica em mica e a zona de quartzo-feldspato.
O pegmatito de Jonas não está mais em produção, mas foi talvez o mais importante produtor de turmalina-gema (rubelita) do mundo. De nota, quatro grandes cristais foram encontrados em bolsos do pegmatito Jonas. Esses cristais foram nomeados: Joaninha, Roguete, Tarugo e Flor-de-Liz e pesavam 325, 135, 80 e 32 kg, respectivamente.

Pegmatito em Portugal
Amostra de pegmatito de Campo do Gerês, Terras de Bouro, Braga

Localizações de pegmatitos em Portugal:
Braga
Vieira do Minho;
Anjos e Vilar do Chão.

Faro
Monchique.

Guarda
Guarda;
Gonçalo.

Portalegre
Campo Maior.

Viana do Castelo
Ponte da Barca, Vila Chã (São João Baptista e Santiago);
Viana do Castelo, Montaria.

Vila Real
Barroso.

Viseu
Mangualde
Mangualde (Mesquitela e Cunha Alta);
Sátão, Decermilo e Vila Longa;
Vila Nova de Paiva.


Fontes:

2 comentários:

  1. Sempre aprendendo... Obrigado por compartilhar conhecimento.....Grato

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado eu. Partilhe conhecimentos com seus amigos e dê a oportunidade deles também aprenderem. Fica bem e boa sorte

      Eliminar