Variedades de Berilo, pedras preciosas

As diferentes variedades de Berilo
beryl varieties
Heliodoro, esmeralda, água-marinha, bixbite e morganita.
O berilo é um mineral único e com 6 variedades que são distinguidas pela sua cor. As variedades mais conhecidas e valiosas de berilo são a esmeralda e a água-marinha.

Os cristais hexagonais do berilo podem ser de tamanho muito pequeno ou atingir dimensões de alguns metros. Os cristais terminados são relativamente raros. O berilo exibe fratura concoidal, tem uma dureza de 7,5-8, um peso específico de 2,63 a 2,80. Possui brilho vítreo e pode ser transparente ou translúcido. Clivagem basal fraca, com hábito bipiramidal dihexagonal. O berilo puro é incolor, mas é matizado frequentemente por impurezas o que dá a cor distinguindo-se por variedades, sendo que as cores possíveis são verde, azul, amarelo, vermelho, rosa e branco.

Existem seis tipos bem conhecidos de berilo. Cada tipo é conhecido devido à sua cor distinta.
Os seis tipos diferentes de berilo são: água-marinha, bixbite, esmeralda, goshenita, heliodoro e morganita.
De todas as variedades, esmeralda e água-marinha são as mais procuradas por sua grande beleza como pedras preciosas.

Algumas variedades de berilo são consideradas pedras preciosas ou semi-preciosas desde épocas pré-históricas. O berilo verde (devido à presença do elemento Cr³+ como impureza em sua estrutura cristalina) é chamado esmeralda, o raro berilo vermelho é chamado esmeralda vermelha, esmeralda escarlate ou bixbite. O berilo azul (devido ao crómio e vanádio) é chamado de água-marinha,o berilo rosa (devido ao manganês e ferro) é a morganita, um berilo amarelo brilhante e límpido é chamado berilo dourado, um berilo incolor é chamado gochenita e o amarelo-esverdeado (devido a manganês, ferro e titânio), heliodoro.

Tratamento de berilos
Algumas pedras de berilo podem sofrer tratamentos por irradiação dando mais cor a uma pedra ou alterando a sua cor por meio de processos químicos e tratamentos térmicos.

Lista de locais onde encontrar algumas da variedades do berilo no Brasil (cidades) se encontra no final deste artigo.

Variedades de berilo encontrados no Brasil
Água-marinha, EsmeraldaGoshenita, HeliodoroMorganita
ou seja, só a variedade vermelha do berilo (bixbite) é que não foi encontrada no Brasil.
Destas variedades ainda existem 2 sub-variedades o chamado
berilo azul (Maxixe) e a variedade alcalina do berilo (alkali-beryl).

Breve explanação das sub-variedades:
Berilo azul (Maxixe e tipo-maxixe)
Berilo azul Maxixe
Berilos de intensas cores azuis ou azuis-esverdeadas não são águas-marinhas, embora muitas vezes confundidos. Estas cores ocorrem na natureza, mas podem ser igualmente obtidas por irradiação e ambas são instáveis.
O berilo azul foi encontrado na segunda década do século passado na Mina do Maxixe, ao sul de Araçuaí (MG), daí a designação "berilo Maxixe". No início da década de 70, material similar, provavelmente oriundo de Barra de Salinas, município de Rubelita (MG), reapareceu no mercado internacional de gemas, sendo então designado "berilo tipo-Maxixe".
Atualmente, atribui-se o azul intenso destes materiais a um centro de cor produzido por irradiação (natural no berilo Maxixe e induzida no berilo tipo-Maxixe) em espécimes originalmente incolores, rosas pálidos ou amarelos pálidos, de determinadas localidades no Brasil e de outros países, desde que possuam certos precursores (NO3- no berilo Maxixe e CO3-2 no berilo tipo-Maxixe).
Os berilos Maxixe e tipo-Maxixe podem, geralmente, ser identificados através de ensaios gemológicos convencionais, como a espectroscopia de absorção na região da luz visível (apresentam linhas intensas na região do vermelho e débeis próximas da região do amarelo, todas ausentes no espectro da água-marinha); a averiguação do pleocroísmo (exibem dicroísmo anômalo, pois, ao contrário da água-marinha, a cor mais intensa corresponde ao raio ordinário); e o exame das inclusões por microscopia (podem apresentar películas fluidas com aspecto listrado característico).
Além disso, usualmente os berilos Maxixe e tipo-Maxixe possuem densidade e índices de refração superiores aos da água-marinha e o berilo tipo-Maxixe pode apresentar fluorescência azul-esverdeada sob luz ultravioleta de ondas curtas, embora estas características não sejam diagnósticas e, portanto, devam ser interpretadas com muita cautela.
Pode-se identificar materiais suspeitos submetendo-os também a um eventual teste direto de descoloração, mediante exposição à luz do sol, durante uma ou mais semanas; por meio de tratamento térmico a aproximadamente 200oC; ou através da imersão em água, em ebulição, ambos durante cerca de 30 minutos.
Caso os ensaios acima referidos não sejam suficientes para identificar a amostra, faz-se necessário recorrer às técnicas analíticas avançadas e não estritamente gemológicas.

Berilo alcalino (alkali-beryl)
 Trata-se de uma variedade muito rara de berilo rico em álcalis, que causou uma deformação na estrutura do cristal e uma aparência estranha em comparação com outras águas-marinhas.
 Inicialmente pensava-se que eram rosteritas ou vorobievitas, mas uma análise mais aprofundada do Dr. Federico Pezzotta confirmou que são berilos ricos em álcalis.

Berilo no Brasil, variedade e locais:
O berilo é principalmente encontrado no Brasil nos seguintes estados:
Minas Gerais, Bahia e Espírito Santo.

Água-marinha
berilo - água-marinha
Alagoas; Bahia: Brumado nas Serra das Éguas e em Guaratinga; Ceará: Coité, Quixadá, Solonópole e Tauá; Espírito Santo: Fundão, Itaguaçú, Mimoso do Sul, Muqui, Ibiraçu (Pau Grande) e Rio Novo do Sul; Minas Gerais: Águas Vermelhas, Antônio Dias (Hematita), Araçuaí, Atalaia, Ataléia, Boqueirão, Brejo, Capelinha, Caraí, Carangola, Conceição do Mato Dentro, Conselheiro Pena, Coronel Murta, Espera Feliz, Ferros, Galiléia, Governador Valadares, Itabira, Itambacuri, Jequitinhonha, Juerama, Malacacheta, Medina, Mendes Pimentel, Minas Nova, Catuji, Pavão, Teófilo Otoni, Nova Era, Padre Paraíso, Resplendor, Sabinópolis, Santa Maria de Itabira, Santa Maria do Suaçui e Virgem da Lapa; Paraíba: Junco do Seridó, Pedra Lavrada, Picuí e Vierópolis; Rio Grande do Norte: Acari, Alexandria, Caicó, Equador, Lajes Pintadas, Parelhas, Pau dos Ferros, São Tomé, Tenente Ananias, Caraúbas e Martins; Tocantins: Jaú do Tocantins.

Esmeralda
beryl - Emerald
Bahia: Anagé, Brumado, Ituaçu, Campo Formoso, Pilão Arcado e Pindabaçu; Ceará: Tauá; Goiás: Pirenópolis, Porangatu, Santa Terezinha de Goiás e Campos verdes; Minas Gerais: Antônio Dias, Araçuaí, Conceição do Mato Dentro, Conselheiro Pena, Ferros, Grão Mogol, Guanhães, Itabira, João Pinheiro, Juerama, Nova Era, Porteirinha e Sabinópolis; Rio Grande do Norte: Caiçara do Rio do Vento, Lajes, São Tomé e Tenente Ananias; Tocantins: Monte Santo do Tocantins.

Goshenita
berilo - Goshenita
Minas Gerais: Araçuaí, Conselheiro Pena e Resplendor; Paraíba: Província mineral de Borborema e Picuí.

Heliodoro
berilo - heliodoro
Espírito Santo: Mimoso do Sul e Mata Azul; Minas Gerais: Araçuaí, Caraí, Marambaia, Dois de Abril, Galiléia, Sapucaia do Norte, Gunhães, Joaíma, Minas Novas, Novo Cruzeiro, Bom Jesus do Lufa, Padre Paraíso, Catugi, Córrego Vermelho, Duas Barras, distrito pegmatito de Pedra Azul, Sabinópolis, Serro (Serro Frio; Cerrado Frio) e Virgem da Lapa; Rio de Janeiro: Bom Jesus do Itabapoana; Rio Grande do Norte: Província mineral de Borborema e Equador; Tocantins: Jaú do Tocantis e São Júlio.

Morganita
berilo - morganita
Minas Gerais: Araçuaí, Caiana, Conselheiro Pena, Coronel Murta, Barra do Salinas, Divino das Laranjeiras, Linópolis, Galiléia, Sapucaia do Norte, Governador Valadares, Grão Mogol, Itinga, Taquaral, Jequitinhonha, Minas Novas, São José da Safira e Virgem da Lapa; Paraíba: Província mineral de Borborema e Picuí; Rio Grande do Norte: Província mineral de Borborema, Equador e Parrelhas.

NOTA:
TODAS AS LOCALIDADES descritas acima ESTÃO CATALOGADAS EM BANCOS DE DADOS DE MINERAIS DO MINDAT.ORG

Fontes:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Segue oficina70.com