Pedras parideiras um raro fenômeno geológico

Alguma vez você já ouviu falar que uma pedra pare, sim, que uma rocha tem filhos, ou seja pedrinhas?
Pedras parideiras um raro fenômeno geológico
Pois bem, isto existe,este é um fenômeno muito raro, sendo que só acontece em dois locais no planeta e em poucas matrizes de rocha.
Os dois únicos locais no mundo agraciados com estes fenômenos estão situadas na Serra da Freita em Portugal e na Rússia, perto de S. Petersburgo.

A afirmação da existência de Pedras Parideiras noutras latitudes até agora não são comprovadas.

Pedras parideiras, a pedra que pare pedras.
Pedras parideiras um raro fenômeno geológico
Pedras Parideiras é um fenómeno geológico raro, sendo elas um tipo de pedras que brotam de uma rocha-mãe, um bloco nodular de origem granítica, daí serem chamadas Parideiras. Os nódulos de 1 a 12 cm de diâmetro com formas discóides e biconvexas são compostos pelos mesmos elementos mineralógica do granito, a camada externa é composta por biotite e a interna possui um núcleo de quartzo e feldspato potássico. Estes nódulos ao se desincrustarem dos núcleos da rocha-mãe por termoclastia/crioclastia deixam uma camada externa em baixo relevo nos núcleos da rocha-mãe e espalham-se à volta desta.
amuleto da fertilidade
As Pedras Parideiras simbolizam a fertilidade na tradição ancestral da região, esta tradição está ainda presente nas populações locais. Acredita-se que dormir com uma pedra parideira debaixo da almofada aumenta a fertilidade.
mother nodule stone, a rare geological phenomenon
São um fenómeno raro no Planeta Terra, este sendo o motivo para que se pede aos visitantes destes locais que não recolham pedras para uso como amuleto pessoal ou para coleção de minerais. Por estes motivos o local é vedado e as visitas são acompanhadas.
mother nodule stone, a rare geological phenomenon

Pedras parideiras um raro fenômeno geológico
Este fenômeno raro ocorre no meio dos xistos metamórficos num pequeno afloramento de granito (alguns autores consideram como sendo um quartzodiorito) constituído por oligoclase, quartzo, moscovite, biotite e um pouco de albite.
queda de água do rio Caima, Frecha da Mizela, Arouca, Portugal
A queda Frecha da Mizarela, com cerca de 75 metros de altura situa-se no contacto desta rocha com os xistos metamórficos (com grandes cristais de estaurolite).
location of a rare phenomenum
O geossítio, “Pedras Parideiras”,  corresponde a um pequeno corpo granítico, com a área aproximada de 1 km2, com idade estimada de 313-320 Ma e contemporâneo do Granito da Serra da Freita, sendo geologicamente conhecido por Granito nodular da Castanheira, nome que lhe advém da sua proximidade à aldeia da Castanheira e à sua textura nodular. Este corpo granítico é diferenciável dos restantes pela presença de nódulos, que lhe conferem características únicas em Portugal e no mundo. Os nódulos possuem uma dimensão variável entre 1 e 12 cm e são constituídos externamente por uma capa de biotite e internamente por um núcleo quarzto-feldspático, apresentando-se fortemente achatados, com uma distribuição diferenciada e orientação bem determinada no seio do corpo granítico.
mother nodule stone, a rare geological phenomenon
O granito (quartzodiorito) apresenta uma particularidade notável e única em granitóides portugueses, ou seja abundantes nódulos de biotite que lembram medalhões. Esses nódulos destacam-se facilmente da rocha deixando nela o seu molde côncavo forrado pela biotite. Em geral, os nódulos apresentam contorno equatorial circular a secção biconvexa. As suas dimensões são variáveis. Aparecem ora separadas uns dos outros ora bastante concentradas na rocha. De um modo geral constam de um núcleo quartzo-feldspático de albite-oligoclase, sendo o quartzo em geral, mais abundante que o feldspato. Este núcleo é envolvido por capas concêntricas.

Como acontece a libertação dos nódulos da rocha mãe?
A explicação para este fenômeno segundo José  Lobo e Bruno Novo, do Visionarium, a termoclastia constitui um tipo de agente de meteorização, provocada pela variabilidade da temperatura na superfície dos materiais rochosos, provocando uma variação no volume.
explicação do fenômeno de parir pedras
Os encraves dilatam-se, como reacção a temperaturas elevadas, e contraem-se por reacção ao arrefecimento. Como as rochas são em geral agregados poliminerálicos, e devido ao facto de cada mineral apresentar diferentes valores de coeficiente de dilatação, surgem diferentes velocidades de expansão e contracção. As partes mais externas das rochas, sujeitas a fortes amplitudes térmicas diurnas vão-se fracturando.

A desagregação pela gelivação é das mais eficazes em termos de fracturação, embora seja um mecanismo de carácter sazonal e que ocorre, predominantemente, em zonas de alta montanha. Este agente, contribui activamente para o “parir” do nódulo de biotite. A água contida nas fracturas, quando a temperatura é menor que 0ºC, começa a gelar na parte mais superficial. À medida que a temperatura exterior baixa, as cunhas de gelo vão crescendo no interior das fracturas. A água ao congelar, aumenta de volume (cerca de 10%), exercendo consequentemente, uma grande pressão, no interior dessas fracturas, provocando o seu alargamento e prolongamento. Logo, promove a desagregação das rochas, e o consequente “parir” do encrave biotítico.
mother nodule stone, a rare geological phenomenon

As Pedras Parideiras, paulatinamente afloram à superfície da rocha, desprendem-se e vão-se acumulando no solo. Por isso, os camponeses da região chamam à rocha “a pedra que pare pedra”, isto é, a rocha que produz uma outra rocha.

Fontes e fotos:
http://geomuseu.ist.utl.pt

Marcação de visitas ao Centro de Interpretação Casa das Pedras Parideiras:
http://aroucageopark.pt

Sem comentários :

Enviar um comentário

Segue oficina70.com