Quanto ouro há no Oceano

Quanto ouro tem no oceano?
As águas do oceano contêm ouro, mas é difícil dizer exatamente quanto.
Se você espera fazer fortuna minerando o mar, considere o seguinte:
O ouro no oceano é tão diluído que sua concentração é muito pequena. Um estudo descobriu que existe apenas cerca de um grama de ouro para cada 100 milhões de toneladas métricas de água do oceano no Atlântico e no Pacífico Norte.

Também existe ouro (não dissolvido) no fundo do mar. O oceano, no entanto, é profundo, o que significa que os depósitos de ouro estão a uma ou duas milhas debaixo d'água. E quando chegar ao fundo do oceano, você descobrirá que os depósitos de ouro também estão encerrados em rochas que devem ser mineradas.
Então, sabendo destas dificuldades, atualmente, não existe uma maneira econômica de minerar ou extrair ouro do oceano para obter lucro. Quem sabe no futuro.
Planta autônoma de extração de ouro da água do mar
Planta autônoma de extração de ouro da água do mar

Em 1872, o químico britânico Edward Sonstadt publicou um relatório declarando a existência de ouro na água do mar. Desde então, a descoberta de Sonstadt inspirou muitos cientistas bem-intencionados a burlões e vigaristas, a encontrar uma maneira de extraí-lo.

Quantificando as riquezas do oceano
Vários pesquisadores procuraram quantificar a quantidade de ouro no oceano.
A quantidade exata é difícil de determinar porque o ouro existe na água do mar em concentrações muito diluídas (estimadas em partes por trilhão, ou uma parte de ouro por trilhão de partes de água).

Um estudo publicado na Applied Geochemistry mediu a concentração de ouro em amostras retiradas do Oceano Pacífico e descobriu que eram cerca de 0,03 partes por trilhão. Estudos mais antigos relataram uma concentração de cerca de 1 parte por trilhão de água do mar, cerca de 100 vezes mais do que outros relatórios mais recentes.

Algumas dessas discrepâncias podem ser atribuídas à presença de contaminação nas amostras coletadas, bem como às limitações da tecnologia, que em estudos anteriores pode não ter sido sensível o suficiente para detectar com precisão a quantidade de ouro.

Calculando a quantidade de ouro
De acordo com o Serviço Oceânico Nacional, existem cerca de 333 milhões de milhas cúbicas de água no oceano. Uma milha cúbica é equivalente a 4.17 * 109 metros cúbicos. Usando essa conversão, podemos determinar que existem cerca de 1.39 * 1018 metros cúbicos de água do oceano. A densidade da água é de 1000 quilogramas por metro cúbico, portanto, existem 1.39 * 1021 quilogramas de água no oceano.

Se assumirmos que 1- a concentração de ouro no oceano é de 1 parte por trilhão, 2- essa concentração de ouro vale para toda a água do oceano e 3- partes por trilhão correspondem à massa, então podemos calcular uma quantidade aproximada de ouro no oceano usando o seguinte método:
Uma parte por trilhão corresponde a um trilionésimo do todo, ou 1/1012.

Assim, para descobrir quanto ouro existe no oceano, devemos dividir a quantidade de água no oceano, 1.39 * 1021 quilogramas, conforme calculado acima, por 1012.

Este cálculo resulta em 1.39 * 109 kg de ouro no oceano.

Usando a conversão de 1 quilograma = 0,0011 toneladas, chegamos à conclusão de que há cerca de 1,5 milhão de toneladas de ouro no oceano (assumindo uma concentração de 1 parte por trilhão).

Se aplicarmos o mesmo cálculo à concentração de ouro encontrada no estudo mais recente, 0,03 partes por trilhão, chegamos à conclusão de que há 45 mil toneladas de ouro no oceano.

Segundo contas da Revista Forbes, os Oceanos contêm cerca de US$ 771 trilhões em ouro.

Medindo a quantidade de ouro na água do mar
Como o ouro está presente em quantidades tão baixas e está incluído com muitos outros componentes do ambiente circundante, as amostras retiradas do oceano devem ser processadas antes que possam ser analisadas adequadamente.

A pré-concentração descreve o processo de concentração de traços de ouro em uma amostra, de modo que a concentração resultante fique na faixa ideal para a maioria dos métodos analíticos. Mesmo com as técnicas mais sensíveis, no entanto, a pré-concentração ainda pode produzir resultados mais precisos.

Esses métodos incluem:
  • Remover a água por evaporação, ou congelando a água e então sublimando o gelo resultante. A remoção da água do mar, entretanto, deixa grandes quantidades de sais como sódio e cloro, que devem ser separados do concentrado antes de análises adicionais.
  • Extração por solvente, uma técnica em que vários componentes em uma amostra são separados com base em quão solúveis eles são em diferentes solventes, como água versus um solvente orgânico. Para isso, o ouro pode ser convertido em uma forma mais solúvel em um dos solventes.
  • Adsorção, uma técnica na qual os produtos químicos aderem a uma superfície como o carvão ativado. Para este processo, a superfície pode ser modificada quimicamente para que o ouro possa aderir seletivamente a ela.
  • Precipitando o ouro da solução, reagindo-o com outros compostos. Isso pode exigir etapas de processamento adicionais que removem outros elementos do sólido que contém ouro.
gold dust from ocean waters
O ouro também pode ser separado de outros elementos ou materiais que podem estar presentes nas amostras. Alguns métodos para obter a separação são a filtração e a centrifugação. Após as etapas de pré-concentração e separação, a quantidade de ouro pode ser medida usando técnicas que são projetadas para medir concentrações muito baixas, que incluem:
  • Espectroscopia de absorção atômica, que mede a quantidade de energia que uma amostra absorve em comprimentos de onda específicos. Cada átomo, incluindo ouro, absorve energia em um conjunto muito específico de comprimentos de onda. A energia medida pode então ser correlacionada à concentração, comparando os resultados com uma amostra conhecida ou referência.
  • Espectrometria de massa com plasma indutivamente acoplado, uma técnica na qual os átomos são primeiro convertidos em íons e, em seguida, classificados de acordo com sua massa. Os sinais correspondentes a esses íons diferentes podem ser correlacionados à concentração, correlacionando-os a uma referência conhecida.
Principais vantagens
O ouro existe na água do mar, mas em concentrações muito diluídas - estimadas, em tempos mais recentes, na ordem de partes por trilhão. Como essa concentração é tão baixa, é difícil determinar exatamente quanto ouro existe nos oceanos.

Mesmo se houver ouro em abundância no oceano, o custo para extrair o ouro do mar provavelmente superaria o valor do ouro coletado.

Os pesquisadores mediram essas pequenas concentrações de ouro com técnicas capazes de medir concentrações muito baixas.

As medições geralmente requerem que o ouro seja pré-concentrado de alguma forma e separado de outros componentes em uma amostra de água do mar, para minimizar os efeitos da contaminação da amostra e permitir medições mais precisas.

Método de separação do ouro da água do mar
segundo Henry Clay Bull:

Gerador que emprega o efeito Coriolis
coriolis generator
Gerador de Efeito Coriolis, é um gerador elétrico que usa a rotação da terra para produzir energia renovável e dessalinizadora de água salobra.

Patente dos Estados Unidos sob nº US 6.532.740
Esta patente possui 36 reivindicações distintas sobre esta tecnologia inovadora que pode ser usada para produzir energia elétrica de forma barata e em grandes quantidades em ambientes em todo o planeta. Este gerador revolucionário marca a primeira vez na história da humanidade que a energia pode ser capturada a partir da rotação constante da Terra. Explicado de forma simples, esta invenção cria eletricidade a partir de água salgada, salobra ou água residual industrial. Os subprodutos do processo de dessalinização incluem água limpa e valiosa e precipitados minerais valiosos, como ouro e manganês.

Fontes:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...