Províncias diamantíferas em Minas Gerais

O estado de Minas Gerais é particularmente rico em diamantes
Diamond provinces in Brazil, Minas Gerais

Em Minas Gerais, no Brasil, existem algumas áreas conhecidas por sua produção de diamantes.
Embora a mineração de diamantes em Minas Gerais não seja tão proeminente como em outros estados brasileiros, como Mato Grosso e Goiás, ainda há algumas regiões onde ocorre a extração de diamantes.
conglomerados diamantíferos
Conglomerado diamantífero de Minas Gerais

Curiosidades de algumas províncias diamantíferas em Minas Gerais
Região do Alto Jequitinhonha:
Essa região abrange municípios como Diamantina, Minas Novas e Couto de Magalhães de Minas.
Foi na cidade de Diamantina que ocorreu o primeiro grande ciclo de exploração diamantífera no Brasil, durante o século XVIII.

Região do Médio Jequitinhonha:
Compreende municípios como Serro, Santo Antônio do Itambé e Datas.
A presença de diamantes nessa região foi descoberta no século XVIII e estimulou a colonização e a atividade mineradora na área.

Região do Alto São Francisco:
Inclui cidades como Presidente Kubitschek, Buenópolis e Corinto.
Nessa região, os diamantes foram descobertos no final do século XVIII.

Região do Alto Paranaíba:
Compreende municípios como Patos de Minas, Presidente Olegário e Lagoa Formosa.
Embora a mineração de diamantes não seja tão intensa nessa região, já foram encontrados diamantes de boa qualidade.

Os depósitos desse bem mineral são conhecidos em todas as regiões do estado, mas as principais agrupam-se em quatro maiores que são designadas como “províncias diamantíferas”, sendo elas:
Serra do Espinhaço,
Oeste São Francisco,
Alto Paranaíba e
Serra da Canastra.

Entretanto, além dessas grandes regiões, existem ainda diversas ocorrências pontuais espalhadas por todo o estado.

Lista das províncias diamantíferas de Minas Gerais:
Províncias diamantíferas em Minas Gerais
Mapa das Províncias diamantíferas em Minas Gerais

1- Padre Carvalho;
2- Botumirim;
3- Grão Mogol;
4- Jequitaí;
5- Bocaiúva;
6- Itacambira;
7- Minas Novas;
8- Serra do Cabral;
9- Curimataí;
10- Carbonita;
11- Corinto;
12- Diamantina;
13- Rio Vermelho;
14- Presidente Kubitschek;

15- Serro;
16- Baldim;
17- Conceição do Mato Dentro;
18- Santa Fé de Minas;
19- Canabrava;
20- Serra do Jatobá;
21- João Pinheiro;
22- Rio do Sono;
23- Chapadão dos Gerais;
24- Presidente Olegário;
25- Serra das Almas;
26- Três Marias;
27- Carmo do Paranaíba;
28- Serra Selada;
29- São Gotardo;
30- Dores do Indaiá;
31- Luz;

32- Guarda Mor;
33- Catalão;
34- Coromandel;
35- Lagamar;
36- Estrela do Sul;
37- Monte Carmelo;
38- Patos de Minas;
39- Nova Ponte;
40- Perdizes;
41- Ibiá;
42- Uberaba;
43- Sacramento;
44- Desemboque;
45- Delfinópolis;
46- Vargem Bonita e
47- Franca.


Os diamantes em Minas Gerais na maior parte são lavrados a partir de depósitos secundários.
Algumas centenas de kimberlitos ou rochas parentais, de idade cretácica, são conhecidos principalmente nas províncias Alto Paranaíba e Serra da Canastra, embora os reais potenciais diamantíferos de tais rochas ainda sejam objeto de controvérsias.

O maior diamante brasileiro, designado “Presidente Vargas” com 726 ct, foi extraído em 1938 do rio Santo Antônio do Bonito, em Coromandel, Província Alto Paranaíba.

Os dados sobre os depósitos de diamantes de Minas Gerais foram tabulados, agrupados especificamente de acordo com suas respectivas províncias diamantíferas, ou como ocorrências isoladas.


NOTAS:
Vale ressaltar que a atividade diamantífera em Minas Gerais tem uma história marcada por períodos de intensa exploração e momentos de declínio.

A mineração LEGAL de diamantes requer uma licença e regulamentação adequadas por parte das autoridades competentes.
A extração ilegal de diamantes é uma prática proibida e prejudicial, pois pode causar danos ambientais e sociais. Portanto, é fundamental seguir as leis e regulamentos estabelecidos para a atividade de mineração.



Informações e testeas caseiros para diamantes:

As 2 principais fontes de diamantes:
Kimberlito e Lamproito

Conglomerados diamantíferos no Brasil


Principais Gemas de Minas Gerais:

O Ouro em Minas Gerais:




Fontes:

Prospecção Geobotânica e indicadores minerais

O que é a Prospecção Geobotânica e os indicadores minerais
Geobotanical prospecting

A prospecção geobotânica refere-se à prospecção baseada em plantas indicadoras como metalófitas e na análise da vegetação onde são encontrados certos tipos de minerais.

O método botânico de prospecção envolvem o uso da vegetação na busca de depósitos de minério.
A técnica tem sido usada na China desde o século V aC. As pessoas da região perceberam uma conexão entre a vegetação e os minerais localizados no subsolo. Havia plantas específicas que prosperavam e indicavam áreas ricas em cobre, níquel, zinco e supostamente ouro, embora o último não tenha sido confirmado. A conexão surgiu de um interesse agrícola em relação às composições do solo. Embora o processo fosse conhecido na região chinesa desde a antiguidade, não foi escrito e estudado no Ocidente até o século 18 na Itália quando os romanos voltaram a empregar estes métodos para encontrar água e vários minerais incluindo o ouro.

Prospecção Geobotânica
Indicadores geobotânicos

 Embora esses métodos tenham sido usados ​​por vários séculos, há muita confusão sobre a terminologia porque existem dois métodos distintos de prospecção botânica.
Os métodos geobotânicos, que são visuais e dependem principalmente de uma interpretação da cobertura vegetal para detectar mudanças morfológicas ou associações de plantas típicas de certos tipos de ambientes geológicos ou de depósitos de minério dentro desses ambientes.
E os métodos biogeoquímicos (pesquise Biogeoquímica), que têm sido usados ​​apenas desde a década de 1940, e envolvem a análise química da cobertura vegetal para detectar a mineralização.

Os métodos geobotânicos ressurgiram na época romana, quando a vegetação era empregada na busca de água subterrânea. Algo com que você deve estar familiarizado como aquelas forquilhas de galho de pessegueiro ou de marmeleiro que são usados para achar água no subsolo, método ao qual se chama Hidroestesia, mas este é para outro artigo.

Mais tarde, o botânico russo Karpinsky (1841) tornou-se o primeiro homem a estudar minuciosamente a relação entre comunidades de plantas e seu substrato geológico.

A geobotânica têm sido usado ​​na localização e mapeamento de águas subterrâneas, depósitos salinos, hidrocarbonetos e tipos de rochas, bem como minérios.

Exemplos mais clássicos de Geobotânica
Alpine Catchfly (Viscaria alpina)
Imagem de Ryan Hodnett, por https://commons.wikimedia.org/

Por exemplo, a Mina Viscaria na Suécia recebeu o nome da planta Silene suecica (Viscaria alpina) que foi usada por garimpeiros para descobrir depósitos de minério.
Em geral, a Viscaria alpina (red Alpine catchfly) prospera onde outras plantas que são menos tolerantes a altas concentrações de cobre e metais pesados ​​no solo não crescem.
Tudo devido à sua capacidade de crescer em solos com grandes quantidades de cobre, assim, Silene suecica é usado como um indicador de teor de cobre na prospecção geobotânica .

Outra planta indicadora "mais fiel" é Ocimum centraliafricanum, a "planta de cobre" ou "flor de cobre" anteriormente conhecida como Becium homblei, encontrada apenas em solos contendo cobre (e níquel) no centro e sul da África.

Em 2015, Stephen E. Haggerty identificou o Pandanus candelabrum como um indicador botânico para tubos de kimberlito, a principal fonte de diamantes no mundo tornando-se um indicador potencialmente útil para a prospecção de diamantes..
Ela também é conhecida como árvore do candelabro, que é uma espécie de palmeira encontrada na África tropical, principalmente na Libéria.

Veja mais exemplos de plantas indicadoras de minerais no final deste artigo.

Pesquisa de minerais baseado nas plantas aliando a Geologia e a Botânica
A prospecção geobotânica, também conhecida como prospecção botânica ou prospecção fitogeológica, é um método de exploração mineral que envolve o uso de plantas como indicadores para localizar potenciais depósitos minerais.
Esta abordagem baseia-se no conceito de que certas espécies de plantas têm a capacidade de absorver ou acumular elementos específicos do solo, o que pode ser indicativo de mineralização subjacente.

O processo de prospecção geobotânica normalmente envolve as seguintes etapas:

Seleção da área alvo
A prospecção geobotânica começa com a identificação e seleção de uma área com potencial para jazidas minerais. Isso pode ser baseado no conhecimento geológico existente, resultados de exploração anteriores ou dados de sensoriamento remoto.

Amostragem de plantas
Botânicos ou geólogos coletam amostras de plantas da área selecionada. Essas amostras são normalmente retiradas de espécies de plantas específicas conhecidas por terem uma alta afinidade por determinados elementos de interesse, como ouro, cobre ou zinco.

Análise laboratorial
As amostras de plantas coletadas são analisadas em laboratório para determinar sua composição elementar. Essa análise pode envolver técnicas como espectroscopia de absorção atômica, espectrometria de massa de plasma acoplado indutivamente ou espectroscopia de fluorescência de raios-X (FRX).

Interpretação dos dados
Os resultados das análises laboratoriais são interpretados para identificar padrões ou anomalias na distribuição de elementos específicos. Altas concentrações de certos elementos nas plantas podem indicar a presença de depósitos minerais nas proximidades.

Exploração de acompanhamento
Se a prospecção geobotânica indicar a presença de mineralização potencial, outras atividades de exploração, como amostragem de solo, levantamentos geofísicos ou perfuração, podem ser realizadas para confirmar e avaliar as descobertas.


Prospecção Geobotônica
A prospecção geobotânica é particularmente útil em áreas com densa cobertura vegetal ou terreno desafiador, onde o mapeamento geológico tradicional e os métodos de amostragem geoquímica podem ser limitados. Ele pode fornecer informações valiosas e orientar os esforços de exploração subsequentes, potencialmente levando à descoberta de novos depósitos minerais. No entanto, é importante observar que a prospecção geobotânica é apenas uma ferramenta no amplo espectro de técnicas de exploração mineral e é frequentemente usada em combinação com outros métodos para obter resultados mais precisos.
indicadores geobotânicos
Indicadores geobotânicos

Geobotânica então é um método de prospecção suplementar e não primário.
Isto porque, tradicionalmente o uso de espécies ou conjuntos de plantas indicadoras para detectar a possível presença de depósitos ricos em metais baseia-se no princípio dos limites de tolerância, ou seja, assume que apenas espécies especializadas podem suportar solos contaminados por metais. Na prática, a resposta da planta pode ser confusamente mais complexa (por exemplo, as plantas podem responder à baixa disponibilidade de nutrientes essenciais em vez de uma alta concentração de minerais tóxicos), o que torna esses indicadores não confiáveis.
No uso moderno, o conceito inclui a coleta e análise química de materiais vegetais ou camadas do solo, especialmente húmus, nos quais os íons metálicos podem se acumular. 
Sendo assim, a Geobotânica é apenas um guia usado em combinação com outros métodos, ou seja, é uma ajuda a mais.

Plantas indicadoras mais conhecidas da geobotânica
Na prospecção geobotânica, várias espécies de plantas são comumente usadas como indicadores de minerais ou elementos específicos. Observe na lista abaixo que a maioria destas plantas indicadoras estão associadas a minerais metálicos, por vezes não o mineral puro mas o minério nativo.

Aqui está uma lista de algumas plantas bem conhecidas usadas na prospecção geobotânica e os elementos aos quais estão associadas:

Plantas indicadoras de ouro
planta indicadora de ouro
Eriogonum inflatum (trombeta do deserto)
Esta planta (Desert trumpet) ajuda os garimpeiros norte americanos e encontrar ouro.

Eucalyptus spp. (espécie de eucalipto)
Essas árvores são conhecidas por acumular ouro em suas folhas e têm sido usadas como indicadores de mineralização de ouro.


Planta indicadora de cobre
Acalypha indica (folha de cobre indiana)
Esta espécie de planta tem alta afinidade pelo cobre e é frequentemente usada como indicadora da mineralização do cobre em áreas com densa cobertura vegetal nativa.

Planta indicadora de níquel
Geijera parviflora (salgueiro australiano)
Esta espécie de árvore acumula níquel em suas folhas e é usada como indicadora de depósitos de níquel.

Planta indicadora de zinco
Thlaspi caerulescens (alpine pennycress)
Esta planta é conhecida por acumular altas concentrações de zinco em seus tecidos e é comumente usada como um indicador de mineralização de zinco.

Planta indicadora de urânio
Agrostis stolonifera (creeping bentgrass)
Esta espécie de grama acumula urânio em seus tecidos e é usada como indicadora de depósitos de urânio.

Planta indicadora de chumbo
Robinia pseudoacacia (gafanhoto preto)
Esta espécie de árvore tem alta afinidade por chumbo e é frequentemente usada como indicadora de mineralização de chumbo.

Planta indicadora de prata
Astragalus bisulcatus (ervilhaca de dois sulcos)
Esta espécie de planta é conhecida por acumular prata em seus tecidos e pode ser usada como indicadora de mineralização de prata.

Planta indicadora de cromo
Brachypodium sylvaticum (falso bromo)
Esta espécie de grama acumula cromo e pode ser usada como indicadora de depósitos de cromo.


NOTA:
É importante observar que o uso de plantas indicadoras específicas pode variar dependendo do contexto geológico e do mineral alvo de interesse. Além disso, a seleção e utilização de plantas indicadoras devem ser feitas em conjunto com outros métodos de exploração para aumentar a precisão e confiabilidade dos resultados.

Além de que a prospecção geobotânica baseada em plantas do tipo indicadoras é válida, porém as plantas específicas estão microclimáticamente localizadas.
Em outras palavras, como exemplo; uma planta específica no leste da China é encontrada apenas naquele local e em nenhum outro lugar. É específico para um microclima local.
No entanto, como outro exemplo; uma planta de uma latitude específica (tanto ao norte quanto ao sul do equador) pode, na maioria dos casos, ser transplantada para todos os continentes na mesma latitude.
Então subentende-se que, tais indicativos só ocorrem quando as plantas são nativas do local.


Aprenda mais sobre isto nos links a seguir:
Plantas indicadoras de diamantes no Brasil

A planta pode ajudar a encontrar diamantes


Insectos que podem ajudar a achar Ouro:


Fontes:
https://www.treasurenet.com/threads/geobotanical-prospecting.284009/