oficina70.com: Ouro nativo, principais variedades

Ouro nativo, principais variedades

Antes de falarmos das variedades do ouro nativo, vamos falar de como o ouro pode ser encontrado na natureza.
Ouro nativo, principais variedades

Como o ouro pode se encontrar na natureza:
Pepita,
grãos (areia),
flocos,
dendrítico (em forma de folha ou árvore).


Uma pepita de ouro é uma peça natural de ouro nativo.

Os cursos de água concentram frequentemente pepitas e ouro mais fino em placers. As pepitas são recuperadas pela mineração de placer, mas também são encontradas em depósitos residuais onde as veias ou os lodos portadores de ouro são desgastados. Pepitas também são encontrados nas pilhas de rejeitos de operações de mineração anteriores, especialmente aquelas deixadas por dragas de mineração de ouro.

Breve e simples explicação de onde vem o ouro:
ouro nativo na matriz de quartzo
Na verdade todo tipo e formas de ouro parte de filões que explicando melhor partiu há milhões de anos das profundezas da terra tipo como uma lava subindo junto com outros minerais, sobretudo com o quartzo, derretidos para o sub solo e consequentemente ia resfriando até se solidificar juntamente com a rocha e minerais, e com o tempo o passar dos tempo a rocha envolto ao ouro começou a sofrer um desgaste, seja pela ação do vento da chuva, derrocadas ou terremotos. Parte deste ouro ao longo do caminho que percorrem sofrem danos assim podem se desfazer fazendo com que o ouro se desfaça em partículas menores ou não. Geralmente uma pepita pequena já fez parte de uma maior.
https://www.oficina70.com/2015/12/como-se-forma-o-ouro.html

Característica e formação do ouro nativo:
É principalmente ouro puro acima de 99% - comumente com impurezas de prata, cobre, ferro e mercúrio, mais raramente com muitos outros elementos, que cristalizam no sistema cristalino cúbico ou isométrico.

Forma duas séries de solução sólida, uma em que a substituição gradual de ouro, prata totalmente miscível com tamanho semelhante e cristalizar tanto no sistema isométrica, irá dar origem a intermediários minerais com diferentes proporções: quando ambos os elementos são entre 20 % a 80% é referido este mineral crisoargirita ou electro, se o ouro é mais de 80% é chamado de ouro prata e se o ouro é inferior a 20% é chamado de prata-da aura. Uma segunda série está a formar com o palio ouro substituição, o que tipicamente leva impurezas de platina.
ouro em flocos do Alaska,USA
É amplamente espalhados por todo o mundo em quantidades muito pequenas em rochas de vários tipos, bem como na água do mar. Ela aparece em veias para fumarolas epitermais tipicamente veios de quartzo com pirita e outros sulfetos e teluretos minerais; Também em rochas e depósitos pegmatite vulcânica em contato com rochas metamórficas, às vezes em rios Pleasures em forma de pepita de ouro.
https://www.oficina70.com/2018/02/geologia-do-ouro-e-indicadores-naturais.html

Minerais associados ao ouro nativo:
Geralmente o ouro é encontrado associado com outros minerais, como pirita, calcopirita, arsenopirita, pirrotita, silvanita, krennerite, calaverita, altaite, tetradymite, scheelita, ankerita, turmalina ou quartzo.
https://www.oficina70.com/2017/07/quais-minerais-estao-associados-ao-ouro.html

Formação:
Pepitas são fragmentos de ouro retirados de um filão original. Eles geralmente mostram sinais de polimento abrasivo por ação de fluxo e, às vezes, ainda contêm inclusões de quartzo ou outro material de matriz de lodo. Um estudo de 2007 sobre pepitas australianas descartou teorias especulativas de formação de supergenes via precipitação in situ, soldagem a frio de partículas menores ou concentração bacteriana, uma vez que as estruturas cristalinas de todas as pepitas examinadas provaram que elas foram originalmente formadas em alta temperatura no subsolo (eles eram de origem hipogênica).
ouro dendritico em matriz de quartzo
Ouro dendrítico em matriz de quartzo encontrado na Inglaterra
Outros metais preciosos, como a platina, formam pepitas da mesma maneira. Um estudo posterior de ouro nativo do Arizona, EUA, baseado em isótopos de chumbo, indica que uma parte significativa da massa em pepitas de ouro de aluvião nesta área se formou dentro do ambiente do placer.

Composição:
As pepitas geralmente têm pureza de 20,5 a 22K (83% a 92% em massa). Pepitas de ouro na Austrália geralmente são de 23K ou ligeiramente mais altas, enquanto as pepitas do Alasca geralmente estão no limite inferior do espectro. A pureza pode ser avaliada grosseiramente pela cor da pepita, quanto mais rico e mais profundo o laranja-amarelo, maior o teor de ouro. A pepita também é referida por sua delicadeza, por exemplo, "865 fine" significa que a pepita é 865 partes por mil em ouro em massa. As impurezas mais comuns em uma pepita nativa são prata e cobre.

Ouro e Prata:
pepita electro de ouro
Ouro e a prata têm a mesma estrutura cristalina e tamanho atômico similar, então eles são completamente miscíveis e há uma solução sólida completa entre ouro e prata. Quando o ouro predomina (Au, Ag) a espécie mineral é chamada ouro (ouro nativo) e quando a prata predomina (Ag, Au) é denominada prata (prata nativa). A variedade electrum é utilizada para composições entre cerca de 20 a 80% de ouro ou 20 a 80% de átomos de prata. Ouro altamente puro é raramente encontrado, quase sempre contém alguma prata ou outro metal precioso.

Variedades de Ouro nativo:
Electro (geralmente com> 20% em peso de prata)
Argentífero (1/5 de prata para ouro)
Paladinado (com alto teor de paládio)
Porpezita (com 5-10% de paládio)
Pirrocrisite (com prata)
Rodita (com ródio)
Ouro-bismuto (com 13% de bismuto)
Chumbo de ouro (com chumbo)
Ouro-irídio (com irídio)

Sendo que as principais variedades são o electro, a porpezita, o paladinado e a rodita.

Falaremos das principais variedades em outros artigos onde vamos mostrar onde se encontram estas variedades de ouro no Brasil, em Portugal, na Espanha e na França.

Fontes:

Sem comentários :

Segue oficina70.com