oficina70.com: Minerais
Mostrar mensagens com a etiqueta Minerais. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Minerais. Mostrar todas as mensagens

Mica, pirita vs ouro

Conheça as diferenças da Mica, da Pirita e do Ouro
diferenças da Mica, da Pirita e do Ouro

Mica
Quase todos de nós sabemos de alguma história sobre pessoas que foram enganadas ao pensar que mica era ouro, ou então que uma pedra de pirita se tratava de uma pepita de ouro.
Normalmente, elas olhavam para a bateia de ouro no rio e viam as areias brilhando ao sol parecendo muito com o que de fato foram à procura, ou seja, ouro.
É divertido ver uma bateia de ouro e tentar manter a mica enquanto lava os materiais leves. É tão leve e abundante que as pessoas que nadam em um lago podem sair com sua pele e cabelos salpicados de milhares de minúsculos flocos dourados brilhantes de mica.
Mica pode ser muito prevalente onde as rochas circundantes são de granito, porque o granito pode conter mica. Onde o leito rochoso é exposto, você pode encontrar mica em todos os riachos e rios que encontrar.
Mica há em muitas variedade de cores, incluindo preto, branco, marrom, amarelo, verde e vermelho. A cor da mica é, em parte, resultado do seu teor de ferro.
O magma rico em ferro e a rocha vulcânica influenciam a formação de micas de coloração escura que vão do marrom-amarronzado a uma variedade marrom-escura profunda conhecida como mica muscovita.
Enquanto pedaços maiores de mica mostram uma cor distinta, quando ela (facilmente) é moída em minúsculos pedaços, a maior parte da cor é perdida e tudo tende a adotar uma cor marrom-amarelada.
Geralmente próximos de antigas minas de mica,n os rejeitos podem conter blocos de mica e quartzo do tamanho de um punho a peças enormes que uma pessoa teria dificuldade em pegar.
Mica é formada em camadas muito mais finas do que uma folha de papel e estas são empilhadas uma em cima da outra, se comparando como um "livro" de folhas finas. Nos últimos anos, grandes livros de mica foram cuidadosamente descolados em camadas finas com cerca de 6 mm de espessura e usadas como janelas à prova de fogo em fogões a lenha e isoladores elétricos. Hoje em dia, a mica é usada às vezes em fios de aquecimento ou em torradeiras.
Embora você possa dobrar folhas finas de mica, quando submetido aos efeitos de moagem do cascalho do rio, os "livros" são gastos nas bordas produzindo pequenos flocos muito finos.
A ação capilar vai puxar água para os espaços microscópicos entre as folhas, e isso aumenta a refletividade da mica e muitas vezes cria uma tonalidade amarela iridescente perolada.

Mica é milhares de vezes mais abundante que ouro.
Se você suspeitar que a maioria das coisas amarelas em sua bateia é mica, você pode estar correto.
Porém, Mica é 5 vezes mais leve que o ouro. É muito fácil de mexer na areia e no cascalho. Será um dos primeiros e mais fáceis materiais a serem retirados quando saõ garimpados em uma bateia.
No entanto, alguns pequenos flocos provavelmente ficarão para trás, alguns flocos podem permanecer na bateia levando-o a iludir que se trata de ouro.
A mica é flexível, mas também tem uma natureza um tanto frágil. Portanto, um teste é cutucá-lo com um alfinete. Se for mica ele se partirá em flocos ainda menores, mas se for ouro vai se amassar ou se espalhar como um chumbo macio.
A mica mudará de cor quando você inclinar a bateia. Segure a bateia de um jeito, a mica poderá ter uma maravilhosa cor dourada, mas quando você inclinar a bateia para outro lado a maior parte da "cor dourada" desaparece.
A mica reúne a cor da luz refletida muito mais dramaticamente que o ouro, mas perderá sua cor quando os flocos forem inclinados em outra direção.
Flocos de ouro parecem "brilhar" e manterão esse brilho, não importando o quanto a bateia esteja inclinada. Se a cor dourada desaparecer quando você inclina a bateia, ela provavelmente não é ouro.

Cuidado ao pensar que é mica na superfície da água, mas algumas pessoas dizem que a flor de ouro flutua na superfície, use uma gota de sabão de lavar louça líquido, para quebrar a tensão superficial geralmente dura água.

A confusão com a mica e o ouro é devido ao fato de que, quando se raspa o topo de uma linha de mica, você obterá um pouco de ouro, mas isso se deve à forma dos flocos que criam um efeito de riffle e prendem o ouro quando ele desce o rio.

Mica na areia do mar
 Se você olhar de perto ao longo da costa, poderá ver flocos de mica em uma fina linha amarela na areia, bem dentro da borda da linha de água. Eles tenderão a vagar de um lado para o outro sempre tão ligeiramente coincidente com as ondulações que chegam à costa. Ouro, claro, não vai fazer isso.

Pirita o ouro de tolo
O ouro de tolo é uma mistura de ferro e enxofre conhecida como pirita de ferro ou, simplesmente, pirita.

A pirita pode fazer seu coração pular de alegria enquanto você garimpa uma bateia e pega aqueles 8 ou 10 "pedaços de pepita", mas depois quando você for mostrar para alguém que realmente conhece ouro nativo, ou então você vai fazer o teste ou for vender o seu coração vai reiniciar em modo normal ou então vai quase parar com o desgosto em ter encontrado um mineral que não o tão sonhado ouro.

Se você adicionar um pouco de arsênico, o resultado é arsenopirita.
Se riscado, cheira a alho.
Adicionar cobre em vez de arsênico, e se torna pirita de cobre conhecida como calcopirita.
chalcopyrite
Calcopirita

Acredita-se que a pirita é produzida pela ação da água vulcânica rica em enxofre em contato com rochas vulcânicas ricas em ferro. Sob condições ideais, a pirita de ferro formará cubos, às vezes com cantos achatados e faces brilhantes como espelhos. O minério de ouro pode ser associado à arsenopirita, mas nem sempre. Arsenopirita no filão, forma-se em lâminas achatadas levemente sulcadas que têm uma aparência cromada.

A pirite é muito comum, geralmente na forma "não-cristalina" massiva, à medida que veios e cordões são entrelaçados na rocha. Os cubos são mais raros, e os maiores são geralmente menores que 1/4 "de diâmetro.
Exposta ao meio ambiente, a pirita começa a oxidar, formando uma mancha que começa como um amarelo pálido variável, progride para um amarelo profundo e finalmente amadurece em uma cor marrom profunda.
Grandes veios de pirita de ferro "maciça" (não cristalina) são igualmente suscetíveis ao desenvolvimento de uma camada de óxido que imita o ouro.

A arsenopirita parece muito mais resistente ao embaciamento e, mesmo quando moída em pedacinhos no cascalho, tende a manter sua cor prata-cromo brilhante.
Calcopirita tende a manchar com um tom esverdeado, às vezes um vermelho-marrom sem brilho.

Como saber a diferença entre mica, pirita e ouro
native gold nuggets
Foto do site geology.com
1) Pirita de ferro oxidada a uma rica cor amarela tem sido confundida com ouro por milhares de anos, daí o apelido de "tolos de ouro". Embora algumas piritas que combinavam bem com ouro de 22 quilates, a maioria das piritas manchadas de amarelo está mais próxima do ouro de 10-12 quilates, que é visivelmente mais claro (mais branco prateado) do que ouro puro.
2) Embora a pirita tenha um alto teor de ferro e seja surpreendentemente pesada pelo seu tamanho, ela é mais leve que 1/4 do peso do ouro.
3) A pirita é frágil e quebradiça e, se for golpeada com uma ferramenta pontiaguda, quebrará em vários tamanhos de fragmentos de cor prata. Por causa de sua natureza macia e maleável, o ouro não se despedaçará, e essa é uma das melhores maneiras de distinguir entre esses dois materiais no campo.
4) O brilho dourado da pirita é apenas um efeito de superfície. Se você raspar a pirita manchada ou esfregá-la com uma pedra, a abrasão revelará uma pirita prateada que lhe dirá que não é ouro.
5) Se você esfregar ouro contra uma pedra, o ouro deixará estrias amarelas na rocha, enquanto a pirita deixará um risco (raia) cinza-prata opaca.
6) Se você não tiver certeza, use uma lupa e um alfinete para ajudá-lo a distinguir entre ouro e mica.
7) A pirita também se transforma rapidamente em fumos e um pó de ferrugem quando aquecido com o maçarico, enquanto outros compostos de ferro de cor dourada perdem rapidamente aquele brilho dourado se similarmente aquecidos.
8) Pirita perde o brilho na sombra emquanto o ouro permanecerá de um amarelo opaco.

Se depois de tudo isto ainda tiver dúvidas, pode fazer o teste de densidade por gravidade específica, veja como no link a seguir:
http://www.oficina70.com/2017/10/como-identificar-um-mineral-por.html
O ouro tem uma gravidade relativa de 19,3.

Nota:
Nos rejeitos de minas de micas e de piritas antigas ainda podem haver ouro, pois antigamente o método de recuperação não valia a pena, mas hoje em dia com a escalada do preço e da procura do ouro, pode ser que vala a pena recuperar o ouro destes rejeitos.
Um método bem simples e moer parte dos rejeitos e adicionar água e deixe assentar. Demora um pouco, mas acabará com umas 3 camadas e água limpa. A camada superior sera o lodo meio bronzeado claro, a segunda camada sera avermelhada e um pouco como areia preta e a terceira camada se houver vestígios de ouro nestes rejeitos de minas antigas sera dourada contendo partículas de ouro.

No mais...
Gold is good.

Fonte:

Mapa dos Recursos Minerais dos Estados Brasileiros

Mapas geológicos e gemológicos dos estados brasileiros
recursos minerais brasileiros
Saiba que tipos de minerais e pedras preciosas há no seu estado ou na sua cidade.
Ouro, pedras preciosas e outros minerais podem estar mesmo debaixo dos seus pés.

Mapa do minerais preciosos e do ouro dos estados brasileiros
Lista de artigos para quem quer encontrar ouro e pedras preciosas no seu estado, estudar estes artigos pode fazer uma grande diferença para que você possa encontrar o seu minério precioso apenas como passatempo ou para iniciar-se no ramo de compra e venda de minerais.

Artigo em Execução
(volte mais tarde para ver as atualizações)
Para acesar os conteúdos dos artigos, clica no link do assunto que deseja ver.

Bahia
pepita de ouro encontrada na Bahia

Aluviões Diamantíferos da Foz dos Rios Jequitinhonha e Pardo: fase I
Diamantes de Braúna, no município de Nordestina na Bahia
Produção de diamantes no munípio de Nordestina - BA e os mais famosos diamantes encontrados no Brasil
Levantamentos geológicos do estado da Bahia, ouro e
outros minerais de natureza econômica.

Goiás
Recursos minerais do estado de Goiás
 recursos minerais do estado de goiás
Onde estão as riquezas minerais em Goiás

Maranhão
 Informações sobre os recursos minerais do Estado do Maranhão:
 ouro e pedras preciosas no estado do paraná

Recursos minerais do Estado do Paraná
http://www.mineropar.pr.gov.br/modules

Geologia do solo de várias cidades do Paraná:
http://www.mineropar.pr.gov.b

Ouro e outros minerais na Serra do Mar:
http://www.geoturismobrasil.com

Minas de ouro em Morretes:
https://historiasdemorretes.blogspot.com

História do ouro no litoral paranaense:
https://grupo23deoutubro.blogspot.com

Diamantes do região diamantífera do Tibagi:
http://www.ppegeo.igc.usp.br

Áreas de interesse mineral do estado do Paraná e de Santa Catarina:
http://rigeo.cprm.gov.br




Santa Catarina
Informe de Recursos Minerais - Série Pedras Preciosas

http://www.ufrgs.br/igeo/pesquisas/3201/05-3201.pdf

São Paulo
O ouro de Jaraguá e de Perus, São Paulo:
https://www.oficina70.com/2018/12/o-ouro-de-jaragua-e-de-perus-sao-paulo.html

Sergipe
lista dos recursos minerais do estado do Sergipe
Lista dos recursos minerais do estado do Sergipe
http://www.cprm.gov.br/publique/media/geologia_basica/plgb/sergipe

LISTA DE OUTROS ESTADOS....


***
ARTIGO EM EXECUÇÃO

Como identificar pedras de sílex e de obsidiana

Muitas das vezes o Sílex é confundido com a Obsidiana, e por menos vezes, o contrário, dai ter a atenção em fazer testes de dureza e ou densidade com ambas, isto para as pessoas que não as conhecem.

Ambas foram usadas em períodos pré-históricos, devido a sua dureza e ao seu fio de corte.
Ambas são constituídas quase integralmente de 70% ou mais de sílica (SiO2 - dióxido de silício) na sua composição química.

Sílex
Uma amostra de sílex com uma camada de marga calcária
Uma amostra de sílex com (patine) uma camada de marga calcária

Sílex é uma rocha sedimentar silicatada, constituída de quartzo criptocristalino, muito dura e com densidade elevada. Apresenta-se geralmente compacta, de cor branco, preto, cinza, castanho-avermelhado ou azul escuro. Com fratura conchoidal. Ocorre sob a forma de nódulos ou massas em formações de giz ou calcário. Pode apresentar várias impurezas como argilas, carbonato, silte, pirita e matéria orgânica.

Pela perda de água vai se transformando parcialmente em opala amorfa e, no final, em calcedônia finamente cristalina. Frequentemente são encontrados com inclusão de vários tipos de matérias orgânicas como restos de organismos fósseis.

Elas são encontradas em muitos lugares do mundo. Alguns dos lugares mais comuns para encontrá-las são perto de leitos de rios, nas margens de lagos e em terrenos que já foram cobertos pela água.

Procure por rochas que tenham uma aparência robusta como a pirita ou rochas que tenham lados bem lisos. Procure pedregulhos grandes ou rochas com resíduos de giz. Como a pedra de sílex é um certo tipo de giz, esses são os melhores lugares para procurá-la.

Às vezes, as suas bordas podem estar lascadas o que por sorte indicaria que já foi usada como ferramenta num período pré-histórico.

Para ter certeza de que se trata de uma pedra de sílex, pegue uma faca de aço ou de ferro e golpeie a pedra. Se soltar faíscas depois de várias tentativas, então se trata de uma sílex.

Ao colidir a sua pedra de sílex com um metal, certifique-se de que a pedra esteja seca, pois uma pedra úmida não pode produzir faíscas. Porém se tiver outra pedra de sílex, então colida uma contra a outra e mesma húmidas elas irão produzir faíscas.

Use uma faca de aço carbono ou ferro com a sílex; uma faca de material inoxidável não vai funcionar.

Quando estiver procurando pedras de sílex, CUIDADO pois as bordas afiadas das pedras podem te cortar.

flint
Fragmentos de Sílex
SISTEMA CRISTALINO: Trigonal / Amorfo.
PRINCÍPIO DE FORMAÇÃO: Secundária.
FRATURA: Conchoidal.
CLASSE MINERAL:  Variedade criptocristalina do quartzo. Silicatos.
FÓRMULA QUÍMICA, ELEMENTOS MINERAIS: SiO2.
DENSIDADE: 2,6
DUREZA: 3, 5 - 4 na escala de Mohs.

Obsidiana
Obsidian
Uma amostra de obsidiana com sua aparência de vidro e bordas afiadas.
A obsidiana é classificada como um mineralóide por não ser cristalina, já que ter estrutura cristalina é condição necessária para que um material geológico de ocorrência natural possa ser considerado um mineral.
Obsidiana é uma rocha ígnea extrusiva constituída quase integralmente por um tipo de vidro vulcânico.
Forma-se quando uma lava de composição félsica e baixo teor em água (menos que 2-3% mássicos) arrefece rapidamente sem permitir a formação de cristais em quantidade substancial. Apesar do rápido arrefecimento ser necessário, a vitrificação ocorre essencialmente porque a riqueza em silicato das lavas félsicas induz uma elevada viscosidade e polimerização que dificultam a cristalogénese.

A obsidiana pura tem em geral uma coloração escura, mas a cor varia em consequência da presença de impurezas. Ferro e magnésio tipicamente dão à obsidiana uma coloração negra ou castanho escuro. São conhecidas algumas raras ocorrências de obsidiana quase incolor. Em algumas rochas, a inclusão de pequenos cristais brancos de cristobalite, forma aglomerados radiais no seio do vidro negro que produzem um padrão de manchas, por vezes em forma de floco de neve (obsidiana floco de neve).

A obsidiana pode conter padrões formados por bolhas de gás que permaneceram do fluxo da lava, alinhadas ao longo de camadas criadas à medida que a rocha fundida fluía antes de arrefecer. Essas bolhas podem produzir interessantes efeitos tais como um brilho dourado (obsidiana brilhante). Um brilho iridescente, em forma de arco-íris (obsidiana arco-íris) é causado pela inclusão de nanopartículas de magnetite.

A obsidiana pode ser encontrada em locais onde tenham ocorrido erupções riolíticas, pelo que apesar de não ser uma rocha comum ocorre em múltiplas áreas de vulcanismo recente, desde a Australásia, à Eurásia e às Américas, para além de diversas regiões insulares.
A nível mundial, são conhecidas cerca de 70 localidades onde a obsidiana pode ser extraída (dados até 2010).

Quando estiver procurando pedras de obsidianas, CUIDADO pois as bordas afiadas ou fragmentos de vidro podem te cortar.

obsidian
Fragmentos de Obsidiana
SISTEMA CRISTALINO: Amorfo.
PRINCÍPIO DE FORMAÇÃO: Secundária.
FRATURA: Concoide.
CLASSE MINERAL:  Vidro vulcânico.
FÓRMULA QUÍMICA, ELEMENTOS MINERAIS: SiO2.
DENSIDADE: ~2.4
DUREZA: 5 - 6 na escala de Mohs.

Fontes:

Como fazer pesquisa e prospecção mineral para o ouro

 “Sem pesquisa mineral, não há mineração”.
Para fazer prospecção mineral no Brasil siga todos os seguintes passos burocráticos ou então procure um laboratório de análise de rochas ou ainda se preferir, contrate um profissional Geólogo ou Técnico em Geologia para efetuar uma inspeção na sua propriedade.

Uma lista de laboratórios de análises de rochas e minerais segue no final deste artigo.

Este artigo só descreve a prospecção de solo a fundo para produção comercial de minerais, para prospecção de superfície (hobby) ou utilizando detectores de metais não é preciso documentação com resalvas se for em propriedade alheia. 

Amostras de minerais acondicionadas em uma folha de papel A4 e respectivas procedências. 
1. Turmalina - MG, 2. Feldspato - PR, 3. Zeólita - Londrina-PR, 4. Barita - MG, 5. Calcita - PR, 6. Quartzo - RS, 7. Ilmenita - MG, 8. Galena - Adrianópolis-PR, 9. Calcopirita - Carajás-PA, 10. Piroxênio - MG.

1º- Análise de dados geofísicos para mineral ouro
O primeiro passo é fazer uma pré análise de dados aerogeofísicos já existentes para identificar possíveis alvos. Esses dados são disponibilizados gratuitamente pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM).


Mapa de satélite sobre levantamentos Aerogeofisicos do Brasil,
o chamado mapa do ouro do Brasil.

Mas antes disso o que é Geofísica?
Geofísica é o ramo que estuda determinadas propriedades físicas das rochas e minerais e os fenômenos associados a essas propriedades. Tem por objetivo determinar a distribuição espacial dos materiais e estruturas que compõe o nosso Planeta. As principais áreas de aplicação da geofísica são:
Prospecção de Petróleo; Estudos Ambientais; Mineração; Arqueologia e Geologia de Engenharia.

Na prospecção mineral, tem os seguintes objetivos:
Estudo geológico das regiões, definindo, assim, as províncias mineralizadas;
Determinação da geometria de depósitos minerais aluviais, como o ouro, diamante, cassiterita, etc;
Determinação da orientação de fraturas e veios mineralizados;
Detecção da presença de minérios disseminados (sulfetos); e
Determinação da capa de matéria estéril.

As técnicas mais utilizadas na prospecção dos produtos de mineração são: meios elétricos, eletromagnéticos e potenciais. É importante, e viável, na busca pelo ouro, utilizar-se dos ensaios geofísicos, visto que colaboram com maior rapidez para o resultado desejado já que indica o caminho a ser seguido.

2º- Solicitar autorização de pesquisa pelo DNPM
Em posse do resultado das análises dos dados aerogeofísico que determina o que e onde explorar, o segundo passo é solicitar a autorização para a pesquisa no DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral que se encontra no link a seguir:

Para requerer a autorização de pesquisa e lavra de recursos minerais é preciso ser brasileiro, pessoa natural, firma individual ou empresa legalmente habilitada; deve estar cadastrado no CTDM – Cadastro de Titulares de Direitos Minerários – e precisa seguir uma lista de afazeres devidamente divulgada pelo site do DNPM no link a seguir:

O título a ser recebido, após o cumprimento legal de todas as solicitações, é o “Alvará de Pesquisa”, outorgado pelo Diretor Geral do DNPM e publicado no DOU – Diário Oficial da União. O prazo concedido para as pesquisas varia entre 2 e 3 anos e as áreas máximas cedidas para estudo, de 5 a 2.000 hectares, exceção apenas para a Amazônia Legal, que pode chegar a 10.000 hectares devido a dificuldade de acesso.

3º- Mapeamento geológico
O mapeamento geológico da área a ser estudo constitui o terceiro passo e é imprescindível para a mineração. Uma das ferramentas mais importantes do sistema de estudos, além de possibilitar a identificação dos depósitos minerais, contribui na tomada de decisão da escolha dos locais apropriados para a abertura de minas e, em parceria com o planejamento de lavra, otimiza as atividades fornecendo informações básicas sobre o modo de ocorrência do minério, sua distribuição na área geográfica, variações dos teores, entre outras. Tudo isso garante um direcionamento de qualidade na corrida pelo ouro, ou por outros tipos de minerais, é claro.

4- Amostragem de sedimentos de corrente para minerais pesados
O Sedimento de Corrente é o principal método nas pesquisas regionais e tem como principal objetivo a definição do tópico a ser analisado posteriormente. Já as amostras, que são coletas nessa fase de estudo, tendem a informar possíveis anomalias do território.

A coleta para amostragem dos sedimentos de corrente deve obedecer a um planejamento previamente estabelecido e que se baseia nas seguintes questões:
O que coletar?
Como coletar?
E, quanto coletar em cada estação de amostragem?

No geral, o mínimo a ser coletado deve ser 4 vezes maior que a alíquota a ser enviada ao laboratório de análise e, a maioria das empresas que trabalham na área recomenda, de 1 à 2 litros de amostra de sedimento de corrente.

As amostras de minerais pesados, quanto a sua representatividade, não diferem das demais, exceto no que diz respeito aos seus constituintes que, muitas vezes, contêm minerais seletivos das unidades litológicas da área de estudo e capitação.

Nesta etapa também é indicado a realização de amostragem de concentrados de bateia.
Amostras de sedimento de corrente e concentrado de bateia devidamente identificadas e codificadas.

Saiba mais sobre Amostragem Sedimento de Corrente no video a seguir:

5- Amostragem de rochas e solos na prospecção mineral para ouro
Indo para o próximo item imprescindível na pesquisa, de acordo com a NBR 6502, Rocha é um “material sólido, consolidado e constituído por um ou mais minerais, com características físicas e mecânicas específicas para cada tipo”. Sobre solo, a mesma norma define como “material proveniente da decomposição das rochas pela ação de agentes físicos ou químicos, podendo ou não conter matéria orgânica”.

O solo é um dos mais importantes e, consideravelmente, um dos mais fáceis meios para se coletar amostra. Entretanto, é preciso precauções, já que é o meio mais comum de erro. Antes de tudo, é preciso assegurar que as amostras são do próprio terreno e não as de transporte, que são levadas por eventos naturais ou humanos; também é preciso adequar à linha horizontal para, assim, garantir que as poções remontam uma mesma época.

No que interesse aos estudos para pesquisa e prospecção mineral do ouro, o volume mínimo recomendado, pelas referências históricas e geográficas, é de 300 g no horizonte B de solo residual. Esse número pode variar.

Quanto a amostragem de rochas, comumente chamada amostragem litológica pode ser classificada segundo sua forma de coleta: pontuais, que podem ser em blocos (simples) ou lascas e punhados (compostos); lineares, que podem ser obtidas por meio de canal, testemunho de sondagem ou perfuratriz (Veja "Sondagem e definição da jazida/depósito"); planares que correspondem as amostras em camadas; e, por fim, de volume, que podem ser coletadas em poços, galerias ou pilhas de estoque.

Neste passo também é indicado a realização de uma geofísica terrestre. Os métodos geofísicos elétricos são particularmente promissores em estudos voltados a busca de sulfetos, devido ao contraste das propriedades físicas resistividade elétrica e cargabilidade.

6- Sondagem e definição da jazida/depósito
Por fim, é hora de definir a malha de sondagem baseada na análise de todos os dados coletados anteriormente (Dados Geofísicos, Geológicos e Geoquímicos). Neste contexto a sondagem visa indicar o tipo de rocha e teor em profundidade, o grau de alteração, fraturamento, coerência, xistosidade, e muitos outros fatores. Além disso, com a sondagem é possível determinar com precisão toda a extensão e profundidade de um depósito mineral, seja ele aurífero ou não. Sendo assim, a sondagem é o último passo na definição da jazida.

Jazida, portanto, é um depósito natural de substâncias, minerais ou fósseis, que são encontradas tanto na superfície quanto no interior da Terra. Uma jazida mineral, ou um depósito, agrega grande valor econômico à região em que está inserido.

Lista de laboratórios de análises de rochas e minerais:
Brasília e região:

Paraná e região Sul:

Espírito Santo e região:


Serviços:

Consulte sempre o Guia do Minerador:
http://www.dnpm-pe.gov.br/Legisla/Guia/indice.php

Fontes:

Como recuperar o ouro das águas dos oceanos

O maior reservatório de superfície de ouro no mundo
 seawater gold extraction
Os oceanos são o maior reservatório de ouro na superfície da Terra, contendo aproximadamente oito vezes a quantidade total de ouro extraído até hoje. No entanto, o custo atual de extração de ouro dos oceanos é mais do que vale este mesmo ouro nos preços atuais e portanto, "ainda" não vale a pena.

Nota:
Recentemente foi partilhada uma nova técnica que permite aos poucos recuperar o ouro contido nas águas dos oceanos com a ajuda de navios.
Nós queremos simplesmente trazer a informação de que nas águas dos oceanos há muito ouro e gostaríamos de contribuir para o debate do assunto de como recuperar este ouro.

A idéia não é nova e há muito tempo se fala nisto e a cada dia mais e mais ouro se acumulam nas águas do mar.
Já em 1920, Fritz Haber, um engenheiro químico alemão e laureado com um prêmio Nobel de Química, atuou em pesquisas sobre como fazer a separação do ouro das águas do mar.
Porém Fritz só trabalhou em cima de uma idéia que vinha de alguns anos antes por Henry Clay Bull, que em meados de 1900 publicou uma patente de um método capaz de separar o ouro da água do mar.
Leia AQUI o resumo da patente deste método.

Pode até ser possível inventar algum dispositivo eletroquímico para recuperar este ouro. Porém, Fritz Haber não prosseguiu com as pesquisas pois reconheceu que não é economicamente possível (assim, fechou a porta para toda as pesquisas,... até agora) baseiando-se nos custos de bombeamento.
Então...elimine o bombeamento e pode ser lucrativo.

Ouro nos oceanos
( técnicas de recuperação)
A água do mar contém cerca de 0,1-2 mg / tonelada de ouro dissolvido em água (média de 1 mg / tonelada). E, considerando a quantidade de água do mar disponível, é uma enorme mina de ouro!
Muito já se falou mas nenhuma empresa ou grupo de investimento decidiu investir em recuperar o ouro dos oceanos, pois além do dinheiro os problemas eram práticos (o que impediu a extração lucrativa até agora), isto porque, no entanto, pode sim ser possível com uma técnica de eletrólise antiga, com a única diferença de que a diferença de tensão entre os eletrodos deve ser mantida ligeiramente inferior à diferença mínima de potencial necessária para a eletrólise da água (sim, há uma mínima diferença, digamos 1,48 volts, abaixo dos quais a água não será hidrolisada. Mas, como o ouro está abaixo do hidrogênio em séries eletroquímicas, será depositado no cátodo!). Uma vez que é impraticável bombear milhões de galões de água, é mais prático mover os eletrodos sobre vastas regiões dos oceanos.

Métodos de recuperação propostos:
(resolvendo o problema)
mediterranean seawater gold extraction
Com uma ligeira modificação, as hélices de navios poderiam ser projetadas para formar os eletrodos! Cada uma das 3 lâminas será uma pilha de 3 lâminas (como um sanduíche) com a lâmina paralela mantida + ve e os outros dois cátodo formador (é claro que eles não estarão tocando um ao outro. Haverá uma lacuna de alguns cm entre cada lâmina, suportada por borracha / rolha). A inclinação de cada lâmina será muito menor que a propulsora convencional, de modo que ele faça muito mais revolução por avanço e, portanto, analise o volume de água de forma mais eficaz. É prático fazer cada lâmina de 1,7 metros de comprimento, de modo que a área de seção transversal do círculo formada na revolução das lâminas será de 10 metros quadrados. Isso irá escanear 10 toneladas de água por 1 metro movido pelo navio. Considerando que a eficiência da extração é de apenas 0,1 mg / tonelada, chega a 1 mg / metro de distância percorrida (ou 1 grama por km ou 1 kg de ouro por 1000 km). Portanto, isso pode não ser lucrativo se o navio for projetado apenas para caçar ouro. Mas pode ser um verdadeiro bônus para os navios comerciais que tem que cobrir milhares de km de qualquer forma.

Método de luz de vapor de ouro
Este processo pode ser feito por um processo simples e muito mais lucrativo.

Plano: Assim como uma lâmpada de vapor de sódio, é possível fazer uma lâmpada de vapor de ouro, que irá excitar seletivamente Au ions, exigindo assim menor tensão (acredito que será menor do que a tensão crítica que começa a quebrar H2O em hidrogênio e oxigênio ). ... a lâmpada de vapor de ouro brilharia diretamente nas lâminas da hélice do navio (o que funcionaria como eletrodos). Será possível filtrar/limpar através deste método bilhões de toneladas de água do mar. Este processo é crítico porque, à medida que a concentração de iões (Au neste caso) começa a diminuir, a tensão requerida para extrair começa a aumentar. Mas a excitação seletiva deve ajudar muito.

(os problemas a solucionar...)
O consumo de energia seria muito grande tornando o projeto inviável.
Outro problema com a idéia é que  o ouro não ficará sozinho, mas um monte de outras coisas, pois muitos elementos e compostos encontrados na água do mar estão abaixo do hidrogênio na série eletroquímica. Muitos destes estão presentes na água do mar em concentrações muito maiores do que o ouro.
O que precisa ser feito é encontrar um material químico que se liga ao ouro ou faz o ouro se unir. Talvez em bases de frequência de vibração, pois cada átomo tem sua freqüência.

Um problema com todas essas idéias com base na deposição eletroquimica de ouro é que o ouro na água do mar não é ionizado, mas parece existir principalmente como um monohidróxido covalentemente ligado, com uma carga líquida de zero. Assim, o ouro não se moverá em direção a um cátodo. Isso sugere outra abordagem para extrair ouro. Como a maioria dos metais na água do mar são ionizados, pode ser possível separá-los usando uma membrana de diálise carregada de forma adequada, feita de um material adequadamente resistente à corrosão, como o níquel, com um corte de peso molecular suficientemente baixo para evitar a passagem de proteínas e outras gotas orgânicas. . O níquel também é tóxico para algas e outros organismos que possam colonizar e tapar a membrana. O filtrado seria isento de metais ionizados, que não os encontrados nos aniões contendo metal raro. Os metais filtrantes consistiriam principalmente em átomos raros (em água do mar) de complexos de metais, incluindo ouro e também elementos de ferro, níquel, vanádio e grupos de platina. As concentrações destes elementos no filtrado não seriam superiores às da água do mar não filtrada, mas se pudessem ser removidas seletivamente, ainda haveria um gradiente de concentração que impulsionaria a sua contínua difusão através da membrana. Mesmo que todos os metais fossem removidos, a concentração de ouro na mistura resultante seria milhões de vezes maior do que a água do mar. Não sei se o AuOH (H2O) é solúvel em mercúrio, mas pode haver / provavelmente peneiras moleculares que possam atrapalhá-lo.

Em um dispositivo real, o filtrado deveria ser processado rapidamente para que um volume suficiente de água do mar pudesse ser processado para extrair quantidades significativas de ouro e outros metais, mas também para evitar o acúmulo de um grande potencial elétrico entre o filtrado e a água do mar. Estou operando nos limites da minha competência aqui, mas parece-me que os requisitos de energia de tal configuração seriam modestos, com o trabalho de manter um gradiente de concentração em uma solução extremamente diluída. Seria necessária energia para fornecer corrente à membrana de diálise e, provavelmente, para operar uma bomba para forçar o filtrado através de uma peneira molecular. Um painel elétrico solar de um metro quadrado deve ser suficiente. Se o dispositivo simplesmente fosse deixado para deriva em um oceano por alguns anos e depois coletado, o fato de que ele operava apenas 40% do tempo não importaria.

A questão, é claro, é se o ouro recuperado pode ser suficiente para tornar a operação rentável. Um dispositivo de diálise com sua fonte de alimentação provavelmente poderia ser construído por US $ 1000, e colocá-los e recuperar do oceano aumentaria esse custo. Mas digamos que o ponto de equilíbrio seria em oz de ouro por dispositivo. A concentração de ouro na água do mar é de cerca de 13 ug / m ^ 3 (não 1,3 mg), então, para extrair uma onça troy de ouro, você teria que processar cerca de 2,3 milhões de M ^ 3 de água do mar. Se o dispositivo pudesse atingir 10 litros por segundo, ele faria isso em cerca de 7 anos. Essa é uma ordem alta.

Mas por que toda a ênfase no ouro?
Existem outros metais valiosos na água do mar. Da mesma quantidade de água necessária para produzir uma onça de ouro, você poderia extrair 21.500 onças de prata, vale 200 vezes mais do que uma onça de ouro. Um dispositivo de extração de prata que funcionasse a um valor de 0,5 litros / segundo muito mais razoável, iria mesmo em cerca de 1,5 anos. Se você colocou os dispositivos em locais fortemente poluídos pela prata, como o extremo sul da Baía de São Francisco, os rendimentos podem ser muito maiores, e reduzir os tempos ainda mais curtos. Os sedimentos na área contêm altas concentrações de vários outros tipos de minério. Além disso, a espécie dominante de prata na água do mar é um anião, AgCl-, que é ideal para uma técnica de diálise.


O método de extração do ouro da água do mar
segundo Henry Clay Bull
mediterranean seawater gold extraction plant
Sabe-se que o ouro existe na água do mar, e acredita-se que existe na forma de iodido de ouro. O objetivo da invenção de Henry C. Bull, é extrair esse ouro de forma simples e econômica, de modo que, não obstante o grande volume de água a ser tratado e as pequenas quantidades em que o ouro é encontrado, o objeto desejado pode ser efetuado com sucesso comercial.

Para a finalidade desta invenção, a água do mar é recolhida num tanque ou reservatório e é tornada alcalina pela adição de cal, de preferência sob a forma de leite de cal em estado cáustico, que combina com o iodo do iodido de ouro, formando-se iodido de cálcio, e o ouro sendo colocado livre se instala no fundo. Depois de ter sido permitido um tempo suficiente para a liquidação, a água é retirada ou de outra forma removida e o ouro é separado ou extraído da lama por qualquer meio adequado.
Veja mais sobre o método de Henry C. Bull clicando AQUI.

Amalgamador de Ouro
Esta técnica de recuperação de ouro a partir da água do mar não tem nada de novo, há muitos equipamentos com patentes desde o século XIX.
Você pode ver como um amalgamador funciona no link a seguir:
Amalgamador de ouro em tambor
(sem o uso do mercúrio)

Se trata de um grande tanque vertical com alguns eletrodos nele e uma carga de mercúrio no fundo do tanque onde a água do mar podera ser drenado para processamento. Uma tensão muito baixa como 1,5 volts excita o mercúrio para causar uma atração para ele na água do mar dentro do tanque. O plano era construir um barco e instalar a amálgama de ouro a bordo e colocar ao mar fazendo a água do mar circulando por esta unidade coletando o ouro da água. Este parecia ser um plano muito melhor, pois esta unidade pode ser montada em qualquer barco ou navio para trabalhar o tempo em que eles estivessem se movendo ou não. Qualquer tipo de bomba poderia ser usada para mover a água como uma bomba usando o movimento do vento para economizar energia.

Porém se essa fosse uma boa maneira de se enriquecer, muitos já teriam feito isso há anos atrás.

Veja as várias patentes deste tipo de máquinas clicando no link a seguir:
Amalgamator from sea gold water filter

O artigo em outros idiomas:
Seawater gold extraction, seawater gold extraction plant.
مياه البحر استخراج الذهب، مياه البحر استخراج الذهب النبات
Zeewater goudwinning, zeewater goudwinning installatie.
Extraction de l'eau de mer, Usine d'extraction d'or de l'eau de mer.
海水金抽出、海水金抽出プラント
добыча золота в морской воде, установка для добычи золота из морской воды
Meerwasser-Goldgewinnung, Meerwasser-Goldgewinnung.
Extracción de oro marino, Planta de extracción de oro marino.
Meriveden kultaus, Meriveden kultauslaitos.
समुद्री जल सोने का निष्कर्षण, समुद्री जल सोने के निष्कर्षण संयंत्र
Sjór gull útdráttur, sjó gull útdráttur álversins.
สกัดทองทะเล, โรงงานสกัดทองทะเล
Estrazione dell'oro di acqua di mare, impianto di estrazione dell'oro di acqua di mare.
Seawater ekstraksyon lò, izolè plant ekstraksyon lò.
Ekstraksi emas laut, pabrik ekstraksi emas laut.

Fontes:
http://www.creativitypool.com
https://pt.wikipedia.org
https://www.google.com/patents

Como identificar minerais no seu estado bruto

Uma das dificuldades enfrentadas pelos colecionadores de minerais que não são geólogos ou engenheiros de minas é a identificação das peças de sua coleção. Alguns minerais são bastante comuns na natureza e no comércio, sendo por isso bem conhecidos dos colecionadores. Outros, porém, são muito procurados não pela beleza, mas pela raridade, e podem não ser de fácil identificação.



Quando a peça é adquirida por compra obviamente já vem identificada. Mas, infelizmente, muitas lojas não oferecem segurança nesse aspecto, pois às vezes não sabem exatamente o que estão vendendo, ou sabem mas não escrevem o nome corretamente. Isso é comum em muitas das lojas no Brasil.


Métodos e técnicas para identicar minerais
(deixe seu comentário no final do artigo)

O que fazer?
Há dois caminhos: um é procurar alguém que entenda do assunto, como um geólogo ou pelo menos um colecionador muito experiente; outro é o próprio colecionador tentar identificar o mineral, com o uso de manuais, dicionários ou guias de mineralogia.

Serviço de identificação de minerais gratuito:
O Museu de Geologia do Serviço Geológico do Brasil (museugeo@cprm.gov.br), em Porto Alegre (RS) oferece serviço gratuito de identificação de minerais e faz doação de minerais e rochas a escolas.

Tentar identificar minerais é uma tarefa que pode ser difícil, mas que será cada vez mais fácil à medida que se for adquirindo experiência. Nas orientações a seguir, vamos tratar da identificação de minerais no estado bruto (não lapidados) e sem uso de equipamento ou análises sofisticadas.

A identificação pelas propriedades físicas
A identificação de minerais pelo exame a olho nu utiliza as propriedades físicas das pedras e, uma exceção, o comportamento quando atacado pelo ácido clorídrico (também chamado de ácido muriático) diluído e a frio.
São muitas as propriedades a examinar, como veremos a seguir. Os livros de mineralogia geralmente apresentam os minerais classificados pela composição química, iniciando com os elementos nativos (ouro, prata, diamante, enxofre etc.), que são os quimicamente mais simples, passando a seguir para os de composição cada vez mais complexa (sulfetos, cloretos, sulfatos, carbonatos, silicatos e assim por diante). Essa maneira de apresentação é racional, mas pouco prática quando se trata de determinar uma espécie desconhecida. Para isso, são preferíveis aquelas que agrupam os minerais de acordo com uma ou duas propriedades físicas e então, levando em conta outras características, vão reduzindo o leque de possibilidades, até chegar a uma só espécie ou a pelo menos algumas poucas.

Equipamento para determinar as propriedades físicas dos minerais
Antes de descrever as propriedades dos minerais, é importante saber o equipamento que todo colecionador deve possuir. São coisas simples e baratas.

- Canivete ou outra lâmina de aço;
- pequena (poucos centímetros) placa de porcelana branca fosca (não esmaltada);
- ímã (pequeno), preso a um fio fino e bem flexível, como uma linha de costura;
- lupa que aumente 10 vezes (menos do que isso é pouco, mais do que isso é desnecessário). Use a lupa perto do olho e aproxime o mineral dela até vê-lo com nitidez;
- frasco com ácido clorídrico diluído a 10% (90% de água). Esse ácido é vendido em lojas de material para construção sob o nome de ácido muriático. Ver qual é a concentração e acrescentar água se necessário.

É importante também possuir pelo menos alguns dos minerais da Escala de Mohs, como quartzo, fluorita, calcita e ortoclásio. O que é e como se usa a Escala de Mohs você verá adiante, quando ler sobre a dureza dos minerais.

Se puder comprar uma lâmpada de luz ultravioleta, o colecionador terá não apenas um recurso adicional para identificação de seus minerais, mas também um ótimo passatempo, pois testar a fluorescência de minerais e outras substâncias é uma atividade que encanta pelas surpresas que proporciona.

As propriedades físicas dos minerais
São muitas as propriedades físicas usadas na identificação dos minerais. Cada espécie, porém, tem aquelas que lhe são mais típicas. Para algumas, é fundamental a cor (ex.: malaquita, azurita); para outras, densidade, cor e brilho (galena, por exemplo); algumas têm como propriedade diagnóstica o magnetismo (ex.: magnetita, pirrotita) ou a clivagem (calcita, micas etc.). A prática ensina o que cada espécie tem de mais característico.

Cor - alguns minerais têm cor variável (minerais alocromáticos), mas outros têm sempre a mesma cor (minerais idiocromáticos) e isso ajuda muito na sua identificação. A pirita é sempre amarela e a malaquita, sempre verde. Já o quartzo pode ser incolor (cristal de rocha), amarelo, laranja, vermelho (citrino), preto (mórion), roxo (ametista), rosa, cinza, branco etc.

A cor deve ser observada numa superfície fresca, como a de uma fratura recente. A cor de alguns minerais altera-se facilmente. A bornita é rosada, mas após poucos minutos em contato com o ar adquire belas cores azul-escura e púrpura. A calcopirita é amarela, mas também adquire facilmente cores vermelha, azul e púrpura misturadas. Nos dois casos, as cores surgem por oxidação e aparecem apenas na superfície. Quebrando o mineral, vê-se a cor verdadeira.

Dureza - o mineral que risca outro tem dureza maior (ou igual) que a do que foi riscado. Assim, o quartzo risca os feldspatos, a apatita, a fluorita etc. e é riscado pelo topázio, pelo coríndon e pelo diamante. A apatita é a substância que forma o esmalte dos nossos dentes e nada é mais duro que ela no nosso organismo. Ortoclásio é um dos vários tipos de feldspato. Coríndon é uma espécie mineral que tem duas variedades famosas, o rubi e a safira. O diamante risca não só todos os outros minerais da Escala de Mohs, mas todos os minerais conhecidos. E sua dureza (10,0) é muito maior que a do coríndon (9,0).



É importante lembrar que a dureza 4,0 não é o dobro da dureza 2,0, assim a apatita não tem metade da dureza do diamante. Nessa escala, a dureza não tem um crescimento uniforme e entre aos valores 9,0 e 10,0 a diferença é muito maior que entre 7,0 e 8,0 ou entre 3,0 e 4,0, por exemplo. A Escala de Mohs é, pois, uma escala de dureza relativa. Existem escalas de dureza absoluta, mas para usá-las são necessários equipamentos sofisticados.

É fundamental também saber que alta dureza é alta resistência ao risco, mas não alta resistência à fratura, torção ou deformação. O mineral difícil de quebrar, torcer ou amassar tem alta tenacidade, não alta dureza. O diamante tem dureza altíssima, mas baixa tenacidade. O jade, ao contrário, tem alta tenacidade, mas dureza apenas média (entre 6,0 e 7,0).

O aço, como o de um canivete ou tesoura, tem dureza em torno de 5,0. O vidro também tem dureza em torno de 5,0. Minerais que são riscados pela unha humana têm dureza inferior a 2,0. A maioria das pedras preciosas tem dureza 7,0 ou maior.

Para fazer o teste de dureza, escolha uma superfície do mineral a ser testado que não esteja alterada (superfície fresca). Não é necessário um risco grande, 2 ou 3 mm são o suficiente. Após friccionar o material de dureza conhecida contra o mineral, remova as partículas que ficaram soltas para ver se ele realmente foi riscado. As partículas podem ser não do mineral que está sendo testado, mas do mineral de dureza já conhecida.

Conheça mais sobre a Escala de Mohs e a dureza dos minerais clicando no link a seguir:

Transparência - minerais de brilho metálico são opacos (cromita, calcopirita, pirolusita) e a maioria das gemas são transparentes (ametista, citrino, turmalina, topázio, granada) ou pelo menos translúcidas (quartzo rosa, ágata). O mineral é translúcido quando permite passar a luz, mas não se pode ver através dele com nitidez.

Hábito - alguns minerais costumam ser encontrados como cristais bem formados. Ex.: pirita (cubos e outras formas), quartzo, berilo (prismas com seis faces verticais), granadas (grãos de 12, 24 ou 36 faces). Outros raramente formam belos cristais (rodonita, rodocrosita, ouro etc.).

A morfologia dos cristais é descrita em todos os manuais de mineralogia, que chamam essa propriedade de hábito. Minerais como o crisotilo têm sempre hábito fibroso, mas a calcita pode formar cristais com hábitos (e cores) bem variados.

Clivagem - é a tendência que têm alguns minerais de quebrar sempre em determinadas direções. Ex.: mica, topázio (uma direção), calcita (três direções). Conforme essa tendência seja mais ou menos acentuada, a clivagem é perfeita, boa, regular, má, etc.

Observando os cristais que têm clivagem, pode-se ver fissuras em uma ou mais direções, indicativas de planos onde há tendência a quebrar. Minerais como o quartzo não possuem nenhuma direção de clivagem, ou seja, a tendência de quebrar é a mesma em todas as direções.

Densidade - há minerais muito leves, como a epsomita (densidade 1,70), e outros muito pesados, como o ouro (19,30). Os escuros e de brilho metálico costumam ser pesados. Os claros e transparentes costumam ser leves (o diamante e a barita, porém, são claros, mas relativamente pesados). Qualquer pessoa dirá que a galena (densidade 7,5) é pesada. Mas a densidade de espécies como a fluorita (3,18) e o topázio (3,55) chama a atenção de pessoas com experiência no manuseio de minerais.

Saiba como identificar a densidade de um mineral fazendo o teste de gravidade específica clicando no link a seguir:

Fluorescência e fosforescência - fluorescência é a luminosidade emitida por uma substância quando está sob a ação de uma radiação invisível, como raios X ou luz ultravioleta. Um cristal de calcita colocado num ambiente escuro e sob a ação de luz ultravioleta deveria permanecer escuro, uma vez que essa luz é invisível aos olhos humanos. Entretanto, ele fica alaranjado, pois é fluorescente. Uma opala cinza-azulada sob a ação da mesma luz fica verde-clara.

Um estudo completo sobre a fluorescência nos minerais brutos estão nos links a seguir:
Se ao cessar o efeito da radiação invisível a luminosidade persistir, ainda que por poucos segundos, diz-se que a substância é fosforescente. Outros minerais fluorescentes são, por exemplo, a fluorita (daí vem a palavra fluorescência), a willemita, a franklinita e muitos diamantes.

Magnetismo - alguns minerais são atraídos por um ímã de mão, o que ajuda na sua identificação. Dois exemplos são a magnetita (daí vem a palavra magnetismo) e a pirrotita. Para ver melhor se o mineral é magnético, amarre o ímã num fio fino e flexível e aproxime-o, assim pendurado, do mineral.

Saiba mais sobre minerais magnéticos clicando no link a seguir:

Reação ao ácido clorídrico
Há substâncias que sob a ação de uma gota de ácido clorídrico diluído a 10% e a frio dão uma efervescência, liberando dióxido de carbono. Exemplos disso são a calcita, o coral, as pérolas e a maioria das conchas. Como a calcita é um mineral muito comum, vale a pena ter esse ácido sempre à mão.

Cuidado:
uma gota de ácido clorídrico diluído não afeta sua pele, mas pode furar sua roupa.

Outras propriedades dos minerais
Há várias outras propriedades úteis na identificação de minerais. Entre elas estão radioatividade (ex. monazita), flexibilidade (ex. cobre, prata), elasticidade (ex. micas), sabor (ex. halita, calcantita), odor (ex. enxofre) e fratura(que pode ser serrilhada, irregular etc.).

Conheça minerais com cheiro clicando no link a seguir:

Conheça os minerais com sabor clicando no link a seguir:

Fontes:

Segue oficina70.com