Oficina70: Como identificar minerais

Como identificar minerais

Identificar minerais é como jogar um esporte. Você recebe um conjunto específico de princípios ou regras a seguir. Para ser bom em um esporte como o basquete, por exemplo, não se deve apenas conhecer as regras, mas deve-se também praticar. Os mesmos conceitos se aplicam à identificação de minerais. Depois de conhecer as diretrizes, você deve aplicar o que aprendeu e desenvolver uma habilidade para isso.
Considerando que até 1 de agosto de 2017 haviam 5272 minerais no mundo, sendo 208 produzidos por atividades humanas, onde 29 são minerais carboníferos.

Mas antes, o que é um mineral?

Existem cinco requisitos que devem ser cumpridos para que uma substância seja considerada um mineral:

· ocorrer naturalmente

· ser inorgânico
· sólido
· com composição química definitiva
· com uma estrutura de cristal ordenada

"Ocorrer naturalmente" significa que foi criado na natureza. "Inorgânico" significa que não é feito por um organismo. "Sólido" significa que não é um líquido ou gás à temperatura e pressão padrão. "Composição química definitiva" significa que todas as ocorrências desse mineral possuem uma composição química idêntica em um intervalo limitado específico. "Estrutura de cristal ordenada" significa que os átomos em um mineral estão dispostos em um padrão sistemático e repetitivo.

História dos Minerais
A identificação mineral e a coleta de pedras preciosas remontam ao início do império greco-romano, início da China e da antiga Babilônia. O primeiro documento gravado sobre este tema remonta a 77 dC com o filósofo grego Plínio o Ancião. Ele não só discute seu amor para com as pedras preciosas ou outros minerais, mas também muitas de suas propriedades.

Em 1556 Georgius Agricola (considerado o pai da geologia como ciência) escreveu De Re Metallica ("Da natureza dos metais") e De Re Fossilium ("Os fósseis naturais"), que realizaram um estudo sistemático de minerais e suas diversas propriedades. A mineralização baseada em sua estrutura cristalina e propriedades ópticas foi fundada no século XVII com a invenção do microscópio.

Material de que vai precisar:
· Lupa (10X)
· Martelo de geólogo
· HCL (ácido clorídrico)
· Livro de Mineralogia
· Placa de cerâmica não vidrada
· moeda de cobre
· Imã
· Pedaço de vidro (2x2 polegadas)
· 1 prego
· Canivete
· Bloco de anotações
· Lápis ou caneta
· Luz UV
· 1 clip de papel
· Escala digital barata
· 1 copo de plástico (prefiro usar uma xícara pequena)
· Agua

Descrição das Ferramentas Necessárias: Lupa: um dispositivo usado como um microscópio de mão. Martelo de geólogo: é um martelo que tem uma cabeça plana em um lado da extremidade e uma picareta do outro lado. HCL (ácido clorídrico): um ácido que reage após o contato com certos minerais devido à composição química do mineral. Livro Mineralogia: usado para procurar um mineral com base em seu conjunto específico de propriedades. Placa de raspagem cerâmica: uma placa densa usada para observar minerais sob a forma de energia. Escala digital: balança usada para pesar geralmente menos que 300 gramas.

Escolha o seu Mineral
O primeiro passo neste processo é a escolha de um mineral.

Pegue no bloco de notas e um lápis para que você possa registrar as propriedades do seu mineral com base em:
· Cor
· Dureza
· Brilho
· Gravidade específica
· Traço
· Cheiro
· Sabor
· Magnetismo
· Efervescência
· Clivagem / Fractura

1: cor
A cor pode ser essencial na identificação mineral, mas também pode ser bastante complicada. Os especialistas usam cores o tempo todo, mas apenas porque têm uma prática suficiente na identificação de minerais e geralmente conhecem as exceções para os minerais comuns. Se você é iniciante, use cor para ajudar a identificar, mas não dependa somente disso.
A cor é bastante confiável em minerais opacos e metálicos. Por exemplo, Galena sempre tem uma cor metálica cinza azulada e a pirita (ouro do tolo) é sempre um metálico de latão ao amarelo.
Para os minerais que são transparentes ou translúcidos, a cor geralmente não é um bom indicador. A cor é o resultado de impurezas. Quando se trata de identificar por cor e gravá-lo em seu bloco de notas, tente ser o mais preciso possível. Pode até ajudar a relacionar a cor com um objeto mais comum que está associado a uma cor específica como por exemplo um vermelho a caminhão de bombeiro vermelho ou mirtilos.

2: dureza
Para esta etapa você precisará:
· moeda de cobre
· 1 faca
· 1 pedaço de vidro (2x2 polegadas)
· usar a sua unha
 Escala de Mohs clica para abrir
A dureza de um mineral pode realmente ajudar a reduzir suas escolhas quanto ao mineral que você está testando. A Escala Mohs de dureza é o que os geólogos usam. A maioria dos minerais que você encontrará será entre 2 e 7.
Se um mineral pode ser arranhado com um centavo de cobre, mas não pode arranhar o vidro, então o seu mineral tem uma dureza entre 3-6.

3: Brilho
O brilho de um mineral é muito essencial para a identificação mineral. Isso pode ajudar a reduzir o tipo de mineral, seja um sulfeto, um carbonato, um silicato, etc. O brilho é a forma como a luz se reflete no mineral. Certifique-se de estar em uma área bem iluminada para medir com precisão o brilho.

Os principais tipos de brilho incluem:
· Metálico: com a aparência de um metal polido
· Submetálico: tendo o olhar de metal que é embotado por intemperismo
· Não metálico:
Adamantine: tem um olhar duro e brilhante de um diamante
Resinente: com um olhar de amarelo, laranja escuro ou marrom que é ligeiramente reflexivo
Vitreous: tendo o olhar de vidro
Perolado: tem a aparência de uma pérola
Gorduroso: tendo a aparência de uma superfície revestida de óleo
Maçante: termuma superfície de aparência simples
Terra: com a aparência de solo ou argila
Sedoso: com a aparência de fibras finas e paralelas

4: Gravidade específica
Para esta etapa você precisará:
· Escala digital
· Copo de plástico cheio de água
· Clipe de papel
· Lápis
· Papel

O teste da grvidade específica (densidade relativo ou peso específico) é a relação do peso de um mineral quando comparado com o peso de igual volume de água. Para isto, o mineral deve ser pesado imerso em água e ao ar.

Para saber mais sobre este teste clica no link a seguir:
http://www.oficina70.com/2017/10/como-identificar-um-mineral-por.html

5: Traço
Para esta etapa, você precisará de uma placa de cerâmica não vidrada para rascunho.
A raia de um mineral é a cor do mineral quando está em pó.
Isso pode ser produzido raspando um mineral através da superfície de uma placa de raia, ou algo mais duro dependendo da dureza do seu mineral. A cor do mineral em forma de pó pode ser um indicador melhor do que a sua cor original. Quando você conseguir alcançar uma raia em pó de seu mineral, grave sua cor (tente ser o mais específico possível). Alguns minerais como a hematita podem ser de cor preta, mas podem ter uma raia marrom-avermelhada.

Tabela de minerais por cor do traço/risca:
http://geomuseu.ist.utl.pt/RG2009/TabelasIdentMineral.pdf

6: Cheiro
Uma vez que você já efetuou uma série de testes no seu mineral agora é um bom momento para cheirá-lo. Alguns minerais que contêm enxofre, por exemplo, têm um cheiro muito distinto (ovos podres). Tente relacionar o cheiro do mineral com outros odores comuns, como ovos podres, alho, almôndegas, etc.

Para cheirar corretamente o mineral, coloque o nariz perto do traço em pó e sinta o cheiro. Tenha cuidado para não cheirar demais, ou você vai sugar o pó no nariz. Isso pode ser potencialmente perigoso, dependendo do mineral, pois há minerais tôxico.

Para saber mais sobre minerais com cheiro clica no link a seguir:
http://www.oficina70.com/2017/10/minerais-com-cheiro.html

7: Sabor
Por mais estranho que pareça, alguns minerais podem ser facilmente identificados pelo seu gosto. Agora isso pode não ser uma boa idéia e só deve ser usado em circunstâncias específicas. Minerais que são translúcidos ou transparentes são bons candidatos para uma prova de sabor. Halite, por exemplo, tem um sabor muito salgado. É constituído por sódio e cloro (NaCl), que também é referido como sal de pedra.

Para saborear o mineral simplesmente molhe o dedo com saliva e encoste-o no mineral, depois toque com este mesmo dedo a ponta da sua língua. Este teste deve ser feito assim para reduzir os riscos de contaminação caso você tenha encontrado um mineral tôxico.

Para saber mais sobre minerais com sabor clica no link a seguir:
http://www.oficina70.com/2017/10/minerais-com-sabor.html

8: Magnetismo
Para esta etapa, você precisará de um ímã.
Alguns minerais que contêm ferro ou outros metais podem gerar uma força eletromagnética. A magnetita, por exemplo, é fortemente magnética e seu indicador de propriedade chave é o fato de ser magnético.
Use um pequeno ímã e execute-o através do mineral. Se o íman é atraído para o mineral, então seu mineral é magnético.
Use preferencialmente um imã de neodímio.

Para saber mais sobre minerais magnéticos clica no link a seguir:
http://www.oficina70.com/2017/09/minerais-magneticos.html

9: Teste "Ácido"
Para esta etapa, você precisará de HCl (ácido clorídrico).
Alguns minerais, especificamente o grupo carbonatos, contêm carbonato de cálcio composto (CaCO3). Pegue o seu frasco HCl e deixe cair uma pequena gota no mineral. Se reage então faz parte do grupo carbonato.

10: Clivagem / Fractura
Para esta etapa, você precisará de um martelo de pedra o chamado martelo de geólogo.
Todos os minerais têm uma estrutura de cristal específica e quando o estresse suficiente é aplicado, o mineral irá romper em certos planos de fraqueza. Pegue o seu martelo e tente quebrar uma peça do seu mineral. Se ele rompe de forma plana, então ele tem clivagem. O número de planos de clivagem difere de mineral para mineral. Alguns têm 1 ângulo de clivagem, 2 ângulos de clivagem, 3 e 4 ângulos de clivagem.

Tipos de clivagem:
· Perfeito: produz superfícies lisas
· Imperfeito: produz superfícies que não são suaves
Pobre: menos regular

Alguns minerais não se separam facilmente dos seus planos de clivagem. Esse tipo de quebra é chamado de fratura. As fraturas minerais também podem ser usadas como indicador.

Tipos de fratura:
· Conchoidal: a superfície da fratura é uma curva suave, muitas vezes em forma de tigela (comum no vidro)
· Áspero/rugoso: produz bordas irregulares afiadas
· Desigual: a superfície é áspera e irregular
· Fibroso: a superfície mostra fibras ou estilhaços

11: outras propriedades menores
Para esta etapa você precisará:
· Luz UV
· Lápis
· Papel

Existem algumas propriedades que não são comuns em muitos minerais. Essas propriedades podem ser um indicador chave sobre o que é exatamente o seu mineral.

Esses incluem:
· Birefringência: baseia-se na estrutura cristalina de um mineral e como a luz é transmitida por ele. Isso só funciona se o mineral for transparente ou translúcido. Um mineral comum que exibe birrefringência é a Calcita.

Para determinar se o seu mineral tem birrefringência, faça o seguinte:
1. Pegue um lápis e desenhe uma linha em uma folha de papel.
2. Pegue o seu mineral e coloque-o na folha de papel onde você riscou a linha.
3. Se duas linhas aparecerem quando o mineral estiver na parte superior, seu mineral é birrefringente.

· Fluorescência: alguns minerais emitem luz visível quando expostos à luz ultravioleta.
12: Aplicar os dados
Agora que você testou e gravou com sucesso todas as suas propriedades minerais, é hora de abrir seu livro de mineralogia e correlacionar seus dados com a informação disponível. Boa sorte!

Solução de problemas
Um fluxograma mineral irá ajudá-lo a entender como relacionar seus dados com um livro de mineralogia.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Segue-nos e partilhe com amigos...